Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Orquestra Som Bateau ataca novamente - Volume 6

 Sexto volume da série foi lançado em 1972 pelo selo econômico Polyfar
Para os saudositas de plantão, segue o sexto volume da série “Som Bateau ataca novamente”, lançado em 1972 pela Polyfar, selo econômico da PolyGram/Philips. A exemplo de outros discos da Orquestra Som Bateau – na verdade, formada em estúdio, com músicos e intérpretes contratados, nunca identificados – este álbum traz duas músicas por faixa, e retrata o cenário musical da época, com os hits mais populares das rádios brasileiras, Não há muita informação sobre todos os músicos que participaram do projeto, mas sabe-se que entre os nomes mais conhecidos estavam The Fevers, Hyldon, e a banda Azimuth. Posso estar enganado, mas acredito que neste exemplar estão os cantores da família Corrêa, Golden Boys e Trio Esperança, muito requisitados pelos estúdios. No repertório, sucessos do Roberto Carlos, Wanderléa, Jerry Adriani, Tim Maia, Reginaldo Rossi, Adriana, Márcio Greyck, Martinho da Vila e outros. Confira:

01 - Agora eu sei
(Edson Ribeiro - Helena dos Santos)
Por amor
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
02 - Fatalidade (Fatalitá)
(Pace - Panzeri - Conti - vs: Rossini Pinto)
Mata-me depressa
(Rossini Pinto)
03 - Balança povo
(Martinho da Vila)
Canário do reino
(Carvalho - Zapatta)
04 - Capela
(Tony Damito)
Eu quero é botar o meu bloco na rua
(Sérgio Sampaio)
06 - Em todas as árvores do mundo 
(R. Acosta - vs: Rossini Pinto)
Oração de amor
(Pedrinho - J. Cipriano)
07 - Sorria, sorria
(Evaldo Braga - Carmen Lúcia)
Mentira
(Osmar Navarro)
08 - O que me importa
(Cury)
Esta noite você vai ter que ser minha
(J.Pereira - Jr. - Pisca)
09 - Mon amour, meu bem, ma femme
(Cleide)
Será mentira ou será verdade
(S. Belloni - vs: Pedrinho)
10 - Coração vagabundo
(Pitter Pitter)
Quero ser locomotiva
(Jorge Mautner)
11 - Grande, grande, grande
(A. Testa - Tony Renis - vs: Nazareno de Brito)
Sozinho sem você (Alone again)
(O'Sullivan - vs: Pedrinho)
12 - O importante é o verdadeiro amor
(C. Facchinette - V. Negrini - vs: Fernando Adour)
Os brutos também amam
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
13 - Vem pra mim (Run to me)
(B.R. & M. Gibb - vs: Rossini Pinto)
Esquece, coração, esquece
(Nelson Ned - Genival Mello)




quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Carlos Moura - Rosa de Sol (LP 1982)

 LP inclui o frevo "Um alô pro Moreira", homenagem a Moraes Moreira
No dia 6 de setembro, quando postei o CD “Quebrando o coco”, do Carlos Moura, informei que o internauta Valdir Muniz solicitou o LP “Rosa de sol”, do mesmo cantor e compositor, mas não o tinha para atendê-lo. Na sequência, tive três agradáveis surpresa: recebi o áudio do disco do nosso colaborador Iluvatar e as ilustrações vieram dos amigos Augusto e José Carlos. Agradeço ao trio pela colaboração e por permitir a presente postagem. O álbum, a exemplo de outros dois discos do Carlos Moura já apresentados no blog, é muito bom, e revela que o Nordeste continua um celeiro de grandes artistas.  O repertório se destaca pelas faixas “Minha sereia”, um dos grandes sucessos do alagoano, e pela canção que dá título ao LP, lançado em 1982 pela Lança, selo da PolyGram. Confira:

01 - Rosa De Sol 
(Carlos Moura – Ronaldo de Andrade)
02 - Beijo De Planeta 
(Moraes Moreira – Dominguinhos)
03 - Festejos E Desejos 
(Carlos Moura – Lucy Brandão)
04 - Coração De Barro 
(Carlos Moura – Ronaldo de Andrade)
05 - Um Alô Pro Moraes 
(Carlos Moura)
06 - Minha Sereia 
(Carlos Moura)
07 - Engasgo 
(Carlos Moura)
08 - Sete Léguas De Saudade
(Carlos Moura – Ronaldo de Andrade)
09 - Testamento 
(Carlos Moura – Edmundo Carôso)
10 - Certeza Da Paz 
(Carlos Moura – Edmundo Carôso)

COLABORAÇÕES: Áudio - Iluvatar, de Chiador (MG)
                                 Arte gráfica - Augusto e José Carlos 


quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Edith Veiga - Pensando em ti (LP 1982)

 "Pensando em ti", LP da Edith Veiga, foi lançado em 1982 pela gravadora RGE
Este LP da Edith Veiga foi enviado para minha coleção, e não para postagem, pelo amigo Geraldo, a quem agradeço. Ele informa que se trata de disco baixado de um grupo do qual fez parte, sem as ilustrações do álbum. Agora, após encontrar a arte gráfica na rede, achei interessante apresentá-lo. O vinil foi lançado em 1982 pela RGE, e recentemente foi reeditado em CD. O repertório se destaca pelas releituras de dois clássicos: “Vingança”, do Lupicínio Rodrigues, e "Pensando em ti", música que dá título ao disco, de Herivelto Martins e David Nasser, além de “Amélia de você”, de Elena de Grammont e Eliane Grammont, conhecida na interpretação da Ângela Maria. A curiosidade é a regravação da música “Na hora da raiva”, do Roberto e Erasmo Carlos, sucesso na voz da Wanderléa. Confira:

01 - Não lhe quero mais 
(Breno Kiss)
02 - Na hora da raiva 
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
03 - Meu amor proibido 
(Gilberto Lemos - Eros)
04 - Raízes 
(Denis Brean - Oswaldo Guilherme)
05 - Cinzeiro cheio 
(Nono Basílio)
06 - Nunca Jamais (Nunca jamás)
(Lalo Guerrero – vs. Nelson Ferreira)
07 - Pensando em ti 
(Herivelto Martins - David Nasser)
08 - Preciso tanto de você 
(Edith Veiga)
09 - Noite de reis (Noche de reyes)
(Jorge Curi - Pedro M. Maffia - vs. Hélio Ribeiro)
10 - Amélia de você 
(Elena de Grammont - Eliane Grammont)
11 - Agora vá 
(Edith Veiga)
12 - Vingança 
(Lupicínio Rodrigues)


COLABORAÇÃO: Geraldo



terça-feira, 27 de novembro de 2018

Vários intérpretes - Festa de hully gully (LP 1963)

 LP da Fermata reúne Chubby Checker, Dee Dee Sharp, The Orlons e The Dovells
Quando o rock disseminou pelo mundo a partir de meados dos anos 1950, outros ritmos voltados para a juventude vieram à tona, como o twist e o hully gully, que invadiram as pistas de dança até a metade dos anos 1960. Este LP, intitulado “Festa de Hully Gully” e enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço, é uma interessante mostra de como foi esse ritmo, que também fez sucesso no Brasil. Para apresentar esta coletânea, lançada em 1963/1964 pela Fermata, vou reproduzir o texto da contracapa: “Em um concurso realizado nos Estados Unidos, foram estas as melodias da nova dança que triunfaram sobre a vasta seleção. É o que há de mais representativo em Hully Gully. Temos a certeza de que este disco constituirá o sucesso de suas festinhas dançantes e que será também uma agradável audição para qualquer hora”. Confira:

01 - Chubby Checker - The hully gully
(Smith - Goldsmith)
02 - Dee Dee Sharp - Village of love
(Nathaniel Mayer - Devora Brown)
03 - The Dovells - Foot stompin
(Aaron Collins)
04 - The Orlons - He's a rebel
(Gene Pitney)
05 - Dee Dee Sharp - Party lights
(C. Clark)
06 - The Orlons - I met him on a sunday
(Owens - Harris - Coley - Lee)
07 - Chubby Checker - Hully gully baby
(Mann - Appell)
08 - Dee Dee Sharp - Breaking up is hard to do
(Neil Sedaka - Howard Greenfield)
09 - The Orlons - Mama didn't lie
(Mayfield)
10 - The Dovells - Hully gully baby
(Mann - Appell)
11 - Dee Dee Sharp - Eddie my love
(A. Collins - M. Davis - S. Ling)
12 - The Orlons - Keep your hands off my baby
(Goofin - King)

COLABORAÇÃO: Laércio



segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Simplesmente Bebeto - Salve ela (LP 1983)

Álbum foi produzido pela RCA Victor após deixar o cast da Copacabana
Este “Simplesmente Bebeto”, álbum lançado em 1983 pela RCA Victor, atende ao pedido do internauta Raul Zim. O  disco é um dos primeiros gravados pelo cantor, compositor e violonista na RCA, após deixar a Copacabana, onde iniciou carreira em meados dos anos 70, bebendo da mesma fonte do Jorge Ben Jor. Um dos principais destaques do repertório é a música “Salve ela”, faixa que abre o disco, e foi muito executada nas emissoras de rádio. Uma das curiosidades é a releitura de “Hello Monalisa”, sucesso na interpretação original do Santos Dumont, autor da música em parceria com Paulo Imperial. O disco mantém a ginga dos primeiros discos que o colocou entre os grandes nomes do samba-rock no Brasil.

Roberto Tadeu de Sousa, seu nome de batismo, nasceu em São Paulo em 7 de setembro de 1953, onde iniciou a carreira, cantando grandes sucessos da MPB. Teria começado a compor suas primeiras canções nesse período. Chamou a atenção da gravadora Som e foi contratado, lançando vários LPs sob o selo Copacabana. Gravou, inicialmente, vários compactos, um deles contendo "A beleza é você, menina", que seria anos depois o maior hit de sua carreira. Seu LP de estreia (na foto acima), "Bebeto", foi lançado em 1975, e nesse disco já define bem seu estilo: um som muito pontuado pelos arranjos de metais, pela sessão de percussão e pelo violão, que toca até hoje. A partir daí, gravou vários álbuns, e fez sucessos com canções como "Você é a paz que me acalma", "Minha preta", "Hei, neguinha", "Neguinho o poeta", "Menina Carolina” e “Praia e Sol”, entre outros. Porém, sua carreira ganhou uma pausa em novembro de 2017, quando o cantor passou mal durante um show em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Ele teve um AVC isquêmico, está em fase de tratamento, e fica nossa torcida por sua pronta recuperação. Confira:

01 - Salve ela
(Bebeto - Comanche - Betão)
02 - Hello Monalisa
(Santos Dumont - Paulo Imperial)
03 - Alexandra
(Bebeto - Comanche)
04 - Que sorriso, hem, tiete
(Joia - Adilson Silva)
05 - Essa nega
(Bebeto - Betão)
06 - Simplesmente Bebeto
(Bebeto - Jordilei - Roan)
07 - Sarará
(Bebeto - Betão)
08 - Fio da navalha
(Gil Gerson)
09 - Luau
(Bebeto)
10 - Aos trancos e barrancos
(Moises Costa - Bebeto)
11 - Diante dos olhos
(Bebeto - Betão)
12 - Brasil, Brasil, Brasil
(Bebeto - Jorge Augusto)


domingo, 25 de novembro de 2018

Olivia Byington - John, do MPB Shell (CS 1981)

Música interpretada pela cantora ficou entre as 20 finalistas do festival 
Uma dica pra quem gosta de música de festival é este compacto simples da Olivia Byington. O disco, enviado pelo amigo Roberto de Brito, a quem agradeço, traz a música “John”, de Xixa Motta e Nelson Motta, uma das 20 canções que participaram da final do Festival MPB-Shell, realizada em 12 de setembro de 1981 no ginásio do Maracanãzinho, no Rio. O evento, transmitido pela Rede Globo, foi realizado entre março e setembro, uma sexta-feira por mês. A primeira eliminatória, exibida na faixa de programação Sexta Super, foi ao ar em 10 de abril, sendo que a estreia, no mês anterior, a emissora Globo exibiu um show de lançamento anunciando os concorrentes. Nos intervalos das apresentações, foram realizados números musicais com artistas que haviam se destacado na edição anterior do festival.

“Purpurina”, canção de Jerônimo Jardim interpretada pela atriz e cantora Lucinha Lins, foi a primeira colocada, e recebeu a maior vaia da história dos festivais. Foram cerca de dez minutos de demonstração de descontentamento – o público preferia “Planeta Água”, de Guilherme Arantes, que fora defendida pelo próprio autor. A canção obteve o segundo lugar, ficando em terceiro o samba “Mordomia”, de Ari do Cavaco e Gracinha, cantado por Almir Guineto. Lucinha Lins consagrou-se como a melhor intérprete. Também se destacaram nesse ano as músicas “Perdidos na Selva”, do grupo Gang 90 & As Absurdetes; “Navega Coração”, da dupla Kleiton e Kledir; e “Londrina (Uma Valsa para Londrina)”, de Arrigo Barnabé, premiada como melhor arranjo. A música defendida pela Olivia Byington teve boa aceitação e ficou apenas entre as finalistas. Confira:

01 - John
(Xixa Motta - Nelson Motta)
02 - Na Dança Da Ilusão
(Xixa Motta - M. Carmen Barbosa)

COLABORAÇÃO: Roberto de Brito

sábado, 24 de novembro de 2018

Marcela Biasi - Arrastando maravilhas (CD 2004)

 Álbum produzido pela EMI tem a participação especial da Zélia Duncan
Costuma-se dizer que a qualidade da MPB contemporânea é de má qualidade. É óbvio que, se sintonizarmos as emissoras de rádio, vamos ouvir, com raras exceções, canções e intérpretes de gosto e talento discutíveis, confirmando a tese segundo a qual não se faz músicas como antigamente. O fato é que, na minha modesta opinião, há músicas para todos os gostos, e a MPB continua produzindo boas canções e revelando intérpretes talentosos, mas que infelizmente não encontram espaços nos meios de comunicação para mostrar seus trabalhos. Um exempo é a cantora, compositora e instrumentista Marcela Biasi, que conheci somente agora, graças ao amigo Iluvatar, a quem agradeço, por me enviar este “Arrastando Maravilhas”, CD lançado em 2004 pela EMI. O disco revela uma cantora de voz agradável, gostoso de ouvir, com 14 canções de bom gosto, sendo sete de sua autoria, incluindo as criadas com parceiros musicais, como “Me basta”, com Zélia Duncan, que participa da faixa.

Marcela Biasi nasceu em Niterói, no Rio de Janeiro, em 29 de setembro de 1981. Começou a estudar violão aos 14 anos e as 18 já tocava em diversos lugares no Rio. Em 2002 fez seu primeiro show autoral no Sesc Niterói, no qual foi assistida pela gravadora EMI e recebeu a proposta de gravar um disco. Dois anos depois lançou este CD. No mesmo ano participou do Circuito Universitário com Paulinho Moska. Em 2008 é contemplada com o edital Sesi Música / Série MPB, com diversas apresentações no interior de São Paulo. De 2009 à 2013, fez parte da companhia teatral "As Alziras", dirigida por João das Neves. Em 2009 participou como vocalista, musicista e compositora da banda de rock "Alice Não Dorme". A partir de 2010 iniciou projetos para o público infantil e integrou o grupo "Os Trililis", dirigido por Eliana Fonseca. Mais recentemente participou dos espetáculos "Canções Pra Gente Grande" e "Canto, Poemas e Canções", das companhias Le tempê e o Curioso. Em Junho de 2016, a convite do Sesc Santana, Marcela Biasi apresentou seu novo show, e no mesmo iniciou a produção do disco “Eu Sou Cigarra", com arranjos e produção musical de Bocato, seu trabalho mais recente. Confira:

01 - Arrastando Maravilhas
(Kali C. - Alexandre Lemos)
02 - Me Basta (part. esp. Zélia Duncan)
(Marcela Biasi - Zélia Duncan)
03 - O Que Eu Penso
(Torcuato Mariani - Marcela Biasi)
04 - Então
(Mary Fé)
05 - Depois Eu Te Conto
(Marcela Biasi - Fernanda Moreth)
06 - Mertiolate
(Kali C. - Suely Mesquita)
07 - A Fuga
(Marcela Biasi)
08 - Vapor
(Natalia Mallo)
09 - Por Perto
(John - Fernanda Takai)
10 - O Amor Me Escolheu
(Adriana Calcanhoto)
11 - Os Grãos E As Chaves
(Marcela Biasi - Kali C. - Dudu Caribé)
12 - Na Beirinha
(Marcela Biasi)
13 - Estar Só
(Mauricio Pacheco)
14 - Irremediável
(Marcela Biasi - Suely Mesquita)


COLABORAÇÃO: Iluvatar, de Chiador (MG)



sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Vários intérpretes - O melhor das 14 mais - Vol. 3

 Terceiro e último volume da série foi produzido pela CBS/Sony em 1992
Este é o terceiro e último volume da série “O melhor das 14 mais”, produzido pela CBS em 1992, quando a gravadora relançou em vinil e CD os 29 discos da coletânea, originalmente colocados no mercado entre 1960 e 1978. Os três CDs da série, já postados no blog, foram enviados pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço pela valiosa colaboração. Os discos, como o próprio título informa, tem o objetivo de reunir as melhores canções da coletânea, e que fizeram muito sucesso na época do lançamento. No entanto, nota-se que algumas faixas deste álbum não fazem parte da série, como “Prova de fogo”, interpretada pela Wanderléa, e a instrumental “Quero que vá tudo pro inferno”, executada pelo Lafayette, mas que foi incluída no 17º volume por meio da gravação original do Roberto Carlos. Confira:

01 - Roberto Carlos - A garota do baile
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
02 - Jerry Adriani - Querida (Don't let them move)
(G. Garrett - C. Howard - vs: Rossini Pinto)
03 - Renato e seus Blue Caps - O escândalo 
(Shame and scandal on the family)
(Donaldson - Brown - vs: Renato Barros)
04 - Wanderléa - Prova de fogo
(Erasmo Carlos)
05 - Ed Wilson - Se você quer (Count me in)
(Glen D. Hardin - vs: Lilian Knapp)
06 - José Roberto - Lágrimas nos olhos
(Raulzito)
07 - Roberto Carlos - Quero me casar contigo
(Carlos Alberto - Claudio Moreno - Adilson Silva)
08 - Márcio Greyck - Impossível acreditar que perdi você
(Cobel - Márcio Greyck)
09 - Renato e seus Blue Caps - Não te esquecerei 
(California dreamin')
(J & M. Philips - vs: Lilian Knapp)
10 - Jerry Adriani - Quem não quer (Black is black)
(Hayes - Wadey - Grainger - vs: Rossini Pinto)
11 - Roberto Carlos - Custe o que custar
(Edson Ribeiro - Hélio Justo)
12 - Lafayette - Quero que vá tudo pro inferno
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
13 - The Sunshines - O último trem (Last train to Clarkville)
(Tommy Boyce - Bobby Hart - vs: Gileno)
14 - Roberto Carlos - Parei... Olhei
(Rossini Pinto)

COLABORAÇÃO: Aderaldo



quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Vários intérpretes - O melhor das 14 mais - Vol. 2

 Grandes sucessos da Jovem Guarda compõem o CD  lançado em 1992
Quem curtiu a famosa série “As 14 Mais”, da CBS/Sony, tem agora a oportunidade de enriquecer a coleção com este segundo volume de “O melhor das 14 mais”, lançado em vinil e CD em 1992, quando a gravadora reeditou todos os 29 volumes do projeto, originalmente produzidos entre 1960 e 1978. A possibilidade de postá-lo deve-se ao amigo Aderaldo, a quem agradeço, por ter enviado também o primeiro volume (postado aqui) e o terceiro que será apresentado amanhã. O repertório, com quatro faixas do Roberto Carlos entre as 14 do disco, é exclusivamente da Jovem Guarda. A curiosidade fica por conta das músicas interpretadas pela Wanderléa, “Exército do surf” e “Capela do amor”, versões feitas pela Neusa de Souza, que nunca existiu. Em sua autobiografia, Wanderléa revela que esse era o pseudônimo do Rossini Pinto para que seu nome não aparecesse tanto nos créditos de sua autoria. Confira:

01 - Roberto Carlos - Eu Te Amo, Te Amo, Te Amo
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
02 - Leno & Lilian - Devolva-me
(Renato Barros - Lilian Knapp)
03 - Renato e seus Blue Caps - A Garota Que Eu Quero 
(The Grooviest Girl In The World)
(G. Zeldey - M Bottler - vs: Rossini Pinto)
04 - Diana - Ainda Queima A Esperança
(Raulzito - Mauro Motta)
05 - Roberto Carlos  - Louco Por Você (Careful, Careful)
(I.Pockriss - P.J. Vance - vs: Carlos Imperial)
06 - Wanderléa & Renato E Seus Blue Caps - Exército do Surf 
(L'Esercito Del Surf)
(Mogol - I. Pattacini - vs: Neusa de Souza)
07 - Jerry Adriani - Doce, Doce Amor
(Raulzito - Mauro Motta)
08 - Odair José - Vou Morar Com Ela
(Odair José - Rossini Pinto)
09 - Renato e seus Blue Caps - Você Não Soube Amar 
(It's Gonna Be All Right)
(Gerard Marsden - vs: Roberval - Arthur Emilio)
10 - Roberto Carlos  - Esqueça (Forget Him)
(M Anthony - vs: Roberto Corte Real)
11 -  Reginaldo Rossi - Mon Amour, Meu Bem, Ma Femme
(Cleide)
12 - Wanderléa & Renato E Seus Blue Caps - Capela do Amor 
(Chapel Of Love)
(Jeff Berry - Ellis Greenwich - vs: Neusa de Souza)
13 - Rossini Pinto & Renato E Seus Blue Caps - Carta de Amor
(Rossini Pinto)
14 - Roberto Carlos  - História de Um Homem Mau (Ol' Man Mose)
(Louis Armstrong - Zilner Trenton Randolph - vs: Roberto Rei)


COLABORAÇÃO: Aderaldo



quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Lindomar Castilho - Quisera estar contigo (LP 1970)

Primeiro álbum pela RCA Victor marca a estreia do cantor como compositor
Este é o primeiro álbum do Lindomar Castilho na RCA Victor, após deixar a gravadora Continental, onde iniciou a carreira em 1962. O LP, enviado pelo amigo Geraldo, a quem agradeço, inclui o sucesso “Pureza”, de Osmar Navarro, e “Aleluia ao amor”, sua primeira incursão como compositor, que posteriormente teria Ronaldo Adriano como principal parceiro musical. O disco também apresenta canções de autoria de ídolos da Jovem Guarda, como “Amor, amor, amor” (Reginaldo Rossi), “Hoje a noite” (Demétrius), “Falta alguém” (Sérgio Reis) e até “Não matei, não roubei”, de Gilbert, famoso por suas interpretações em francês.

Lindomar Cabral, seu verdadeiro nome, nasceu em Santa Helena de Goiás, em Goiás, no dia 21 de janeiro de 1940. Por ter vários músicos em sua família, ainda quando estudante no Colégio Salesiano, começou a aprender vários instrumentos, entre eles piano e violão. Sua entrada na música se deu através do convite feito pelo diretor musical da Continental, Diogo Mulero, o Palmeira, para gravar seu primeiro álbum, com repertório de sucessos do Vicente Celestino, intitulado "Canções que não se esquecem" (na foto acima), e após esse LP acrescentou o Castilho como sobrenome artístico. O primeiro grande sucesso veio em 1965, quando gravou “Ébrio de amor”, de Palmeira e Ramoncito Gomes, gravada também em espanhol e lançada na América Latina. A partir daí, o cantor construiu uma carreira sólida cantando boleros e sambas-canções românticos, se tornando um dos maiores vendedores de disco no Brasil, especialmente ao longo da década de 1970.

Sucessos como "Você é doida demais", "Coração vagabundo", "Vou rifar meu coração", "Nós somos dois sem-vergonha", “Eu amo sua mãe” e outros o credenciaram a investir em carreira internacional. Pela RCA Victor,  visando ao mercado latino-americano, gravou várias músicas em espanhol, tais como "Alma, corazón y vida", "Mamaracho", "Corazón vagabundo" e "Voy a rifar mi corazon" (na foto ao lado), além do LP "Eres loca de verdad", o que o levou a fazer uma série de shows pela América Latina, ganhando o epíteto El Nuevo Ídolo de las Américas. Com 27 LPs gravados, e considerado o Rei do Bolero, apresentava-se constantemente em rádios e na televisão até que em 30 de março de 1981, no Café Belle Époque, em São Paulo, assassinou a tiros sua ex-mulher, Eliane Grammont, e tentou matar seu próprio primo, Carlos Randal, então namorado dela. Preso em flagrante e condenado a 12 anos de prisão, em 1988 teve liberdade condicional decretada por bom comportamento. Após longo afastamento, retornou ao cenário musical em 2000, quando lançou pela Sony o CD "Lindomar Castilho ao vivo", e "O romântico" em 2003, alegando que só voltou a cantar devido aos pedidos da filha. Confira:

01 - Ave Maria
(M. Alejandro - vs: Sebastião F. da Silva)
02 - Pureza
(Osmar Navarro)
03 - Não Matei, Não Roubei
(Gilbert)
04 - Falta Alguém
(Sérgio Reis)
05 - Amor, Amor, Amor
(Reginaldo Rossi)
06 - Medo
(Cezar - Alexandre Cirus)
07 - O Último Momento de Minha Vida
(Pepe Ávila)
08 - Aleluia Ao Amor
(Lindomar Castilho)
09 - Quisera Estar Contigo
(Cézar - Fernando Reis)
10 - Hoje A Noite
(Demétrius)
11 - Toda Canção Me Lembra Você
(Dimas Prieto - Lauro Rocha)
12 - Compaixão (Confesion)
(L. Moreno - E. Rodway - vs: Waldir Santos)


COLABORAÇÃO: Geraldo


terça-feira, 20 de novembro de 2018

The Pop's - Rio Amigo (LP 1971)

 Álbum foi originalmente lançado pela Equipe e reeditado pela Padrão
Ao contrário de boa parte de sua discografia, que privilegia repertório instrumental, este álbum do grupo The Pop’s valoriza a voz do vocalista, provavelmente o integrante que aparece na contracapa, cujo nome não sei identificar, mas arrisco informar que seja o Alipio Ferreira, o Pipo, que assina a autoria das 10 faixas e aparece na ficha técnica como responsável pela assessoria musical. O disco, produzido originalmente pela Equipe e relançado pelo selo Padrão, não informa o ano do lançamento, mas tudo indica que é de 1971, levando em conta a numeração de outro álbum da banda, “Estas são "joinhas"... "joinhas"... tá falado?”, já postado aqui. O LP, enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço, é essencialmente da Jovem Guarda, e vai agradar aos fãs do movimento. Confira:

01 - Rio amigo
(Deofranci - Pipo)
02 - Sempre só
(Pipo - Deofranci)
03 - Só minha
(Deofranci - Pipo)
04 - Mina Malú
(Pipo - Moraes)
05 - O apocalipse
(Pipo - Cerdeira)
06 - Mais capim
(Deofranci - Pipo)
07 - Se você voltar
(Deofranci - Pipo)
08 - Sem dinheiro
(Deofranci - Pipo)
09 - A caranga
(Deofranci - Pipo)
10 - Vamos voltar (Swingin tight)
(Jerry Ross - vs: Deofranci - Pipo)

COLABORAÇÃO: Laércio



segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Vários artistas - Jovem Guarda Instrumental - Vol. X

 Décimo volume encerra post da série de instrumentais da Jovem Guarda
Com este décimo volume, dou por encerrada no blog as postagens da série Jovem Guarda Instrumental, que teve o objetivo de resgatar bandas famosas e desconhecidas que embalaram as jovens tardes de domingo nos anos 1960. O repertório deste último volume inclui canções famosas do movimento, como “Tema para jovens enamorados”, “Blue star”, “Mexericos da Candinha”, “O bom”, “Deixa de banca”, “Pare o casamento” e “Eu não sabia que você existia”. Apresenta, porém, algumas curiosidades, como “Musicomania”, um misto de Bossa Nova e iê-iê-iê, executada com competência pelo grupo Jacildo e seus rapazes, e “Noturno”, de Chopin, que o conjunto Os Santos converteu muito bem para os acordes da Jovem Guarda. Confirma:

01 - 1967 - The Rock Fingers - On the clouds
02 - 1967 - Os Bárbaros - Blue star
03 - 1967 - Os Mutáveis - Tonight
04 - 1967 - The Jungle Cats - Tema para jovens namorados
05 - 1967 - Os Santos - Noturno
06 - 1969 - The Brazilian Red Caps - Woman, woman
07 - 1964 - Os Megatons - Voo do besouro
08 - 1963 - Betinho e seu conjunto - Twist watch
09 - 1965 - The Tip Tops - Seducer twist
10 - 1964 - Top Sounds - Driftin'
11 - 1968 - The Killers - Nem vem que não tem
12 - 1967 - The Ghosts - Stop stop
13 - 1966 - Bob Fleming - Mexericos da Candinha
14 - 1966 - The Jones - These boots are made for walkin'
15 - 1968 - Brasa Seis - Tema 6
16 - 1966 - Jacildo e seus Rapazes - Musicomania
17 - 1968 - Mancini e os dez de ouro - Suck un up
18 - 1963 - Jerry Jefferson e seus night and day - A lenda do beijo
19 - 1967 - Conjunto Mafasoli - Tell the boys
20 - 1967 - Lyrio Panicali - O bom
21 - 1966 - Aristides Santos e seu conjunto - Les cornichons (Deixa de banca)
22 - 1967 - Nicholas e seu conjunto - Pare o casamento (Stop the wedding)
23 - 1967 - The Dallans - Eu não sabia que você existia
24 - 1968 - Os Infernais - Up up and away
25 - 1967 - Os Tigres - Music to watch girls by




domingo, 18 de novembro de 2018

Leo Gandelman - Millennium - 20 músicas do século XX

Coletânea com 20 canções foi lançada em 1999 pela Universal Music
Quem gosta de instrumentais vai curtir este CD do Leo Gandelman, com 20 faixas selecionadas para a série Millennium – 20 Músicas do século XX, projeto da Universal Music. O álbum, lançado em 1999, foi enviado pelo amigo Roberto de Brito, a quem agradeço pela colaboração. Além de composições próprias, o repertório inclui alguns clássicos da nossa música, como “Cidade maravilhosa”, “As rosas não falam”, “Castigo”, “Mas que nada”, “Na baixa do sapateiro” e até uma dos Beatles, “The long and winding road”, executadas com primor pelo saxofonista, flautista, compositor, arranjador e produtor musical.

Leonardo Galdelman, seu nome de batismo, nasceu no Rio de Janeiro em 10 de agosto de 1956 . Filho de uma pianista clássica e de um maestro, começou seus estudos musicais com seis anos, e aos 15 apresentou-se como solista da Orquestra Sinfônica Brasileira nos “Concertos da Juventude”. Trafegando livremente entre o clássico e o popular, Leo vem desenvolvendo uma carreira de grande sucesso tanto na MPB quanto na música de concerto. Já participou do trabalho de inúmeros artistas da MPB em mais de 1.000 discos. É compositor e intérprete de trilhas marcantes para TV e cinema. Seus discos já venderam um total de mais de 500.000 mil cópias, sendo “Solar” (na foto acima) o de maior sucesso, com mais de 100 mil cópias, volume extraordinário para uma obra instrumental no Brasil. É hoje um dos mais influentes músicos brasileiros, um ícone da nossa boa música. Confira:

01 - Ocidente
(Léo Gandelman)
02 - Solar
(Léo Gandelman - William Magalhães)
03 - Visões
(William Magalhães - Léo Gandelman)
04 - Cidade Maravilhosa
(André Filho)
05 - The Long And Winding Road
(Lennon - McCartney)
06 - As Rosas Não Falam
(Cartola)
07 - Faltando Um Pedaço
(Djavan)
08 - Pérola Negra
(Luiz Melodia)
09 - Saxsambando
(Léo Gandelman)
10 - Castigo
(Dolores Duran - Antonio Maria)
11 - Lamentos
(Vinicius de Moraes - Pixinguinha)
12 - Diana
(Rafael Rabelo)
13 - Cuba Libre
(Léo Gandelman - William Magalhães)
14 - Molambo
(Jayme Florence - Augusto Mesquita)
15 - Calçadão (Uma Tarde De Domingo No Rio)
(Léo Gandelman)
16 - Mas Que Nada
(Jorge Ben Jor)
17 - Me Deixa Em Paz
(Ayrton Amorim - Monsueto)
18 - Na Baixa Do Sapateiro
(Ary Barroso)
19 - Toda Menina Baiana
(Gilberto Gil)
20 - Tucano Clássico (Vinheta)
(Leo Gandelman)

COLABORAÇÃO: Roberto de Brito



sábado, 17 de novembro de 2018

Luiz Bonfá e as raízes da Bossa (CD 2000)

 CD faz parte da série Enciclopédia Musical Brasileira, da Warner Music
Este CD do violonista e compositor Luiz Bonfá é o 23º volume da série Enciclopédia Musical Brasileira, lançada em 2000 pela Warner Music. O disco, enviado pelo amigo Iluvatar, a quem agradeço, é uma coletânea que traz gravações do artista e também de cantores que interpretam suas canções. Boa parte do repertório, com 14 faixas, é de gravações realizadas ao longo dos anos 1950. A mais antiga, “Eu, você e o mar”, de 1948, é do grupo Quitandinha Serenaders, do qual Bonfá foi um dos integrantes, sendo substituído posteriormente pelo João Gilberto. A mais recente é a releitura de “Manhã de carnaval”, feita pelo Agostinho dos Santos no ano (1973) do seu falecimento. Tomei a liberdade de adicionar como faixa bônus a música “Almost in Love”, única gravação feita pelo Elvis Presley de um compositor brasileiro. Confira:

01 - 1953 - Nora Ney - De Cigarro Em Cigarro
(Luiz Bonfá)
02 - 1955 - Luiz Bonfá - O Barbinha Branca
(Luiz Bonfá - Tom Jobim)
03 - 1952 - Dick Farney - Sem Esse Céu
(Luiz Bonfá)
04 - 1955 - Luiz Bonfá - Chora Chorão
(Luiz Bonfá)
05 - 1956 - Dóris Monteiro - Engano
(Luiz Bonfá - Tom Jobim)
06 - 1955 - Luiz Bonfá - A Chuva Caiu
(Luiz Bonfá - Tom Jobim)
07 - 1953 - Dick Farney - Perdido De Amor
(Luiz Bonfá)
08 - 1955 - Luiz Bonfá - Minha Saudade
(Donato)
09 - 1951 - Dick Farney - Canção Do Vaqueiro
(Luiz Bonfá)
10 - 1955 - Luiz Bonfá - Dúvida
(Luiz Bonfá)
11 - 1952 - Lúcio Alves - Entre Nós
(Luiz Bonfá)
12 - 1955 - Luiz Bonfá - Violão No Samba
(Luiz Bonfá)
13 - 1948 - Quitandinha Serenaders - Eu, Você E O Mar
(Luiz Bonfá)
14 - 1973 - Agostinho Dos Santos - Manhã De Carnaval
(Luiz Bonfá - Antonio Maria)
15 - 1968 - Elvis Presley - Almost In Love (Bônus)
(Luiz Bonfá - Starr)


COLABORAÇÃO: Iluvatar, de Chiador (MG)



sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Wilson Miranda - Sucessos & Balanço (LP 1963)

 Quarto álbum do Wilson Miranda foi lançado pela gravadora Chantecler
Este álbum do Wilson Miranda, intitulado “Sucessos & Balanço”, lançado em 1963 pela gravadora Chantecler, é o quarto de sua carreira iniciada no final dos anos 1950. O disco, enviado pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço, revela um intérprete bem diferente da fase de sucesso na Jovem Guarda, pois oferece repertório carregado de Bossa Nova, com composições de autores como Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Roberto Menescal, Ronaldo Boscoli, Carlos Lyra e Sérgio Ricardo. Mesmo assim, o LP também inclui baladas e até o calipso “Suzana”, composta pelo radialista Antonio Aguilar e o músico Aladim (do grupo The Jordans). Confira:

01 - Nós e o mar
(Roberto Menescal - Ronaldo Boscoli)
02 - Batida diferente
(Durval Ferreira - Maurício Einhorn)
03 - Amor que acabou
(Chico Feitosa - Luiz F. Freire)
04 - Insensatez
(Antonio C. Jobim - Vinicius de Moraes)
05 - Zelão
(Sérgio Ricardo)
06 - Sambom
(Wilson Miranda - Orlando Pierre)
07 - Influência do jazz
(Carlos Lyra)
08 - E agora (Et Maintenant)
(P. Delanoé – G. Bécaud – Versão: Paulo Queiroz)
09 - Volte pra mim (Come Back To Me
(Roy Orbison – Joe Melson – Versão: Ciro Cruz - Marco A. Galvão)
10 - Suzana
(Aladim – Aguillar)
11 - O apache (Apache)
(Jerry Lordan – Versão: Waldyr Santos)
12 - Oração de um triste
(José Messias)
13 - Meu sonho
(Tony Chaves - Pierre)
14 - Foste embora
(Geraldo de Oliveira)

COLABORAÇÃO: Aderaldo


quinta-feira, 15 de novembro de 2018

José Ribeiro - Nem um minuto a mais (LP 1974)

 Terceiro LP do cantor na CBS também foi produzido pelo Renato Barros
Este é o terceiro LP do José Ribeiro, lançado em 1974 após o sucesso dos dois álbuns anteriores, gravados em 1972 e 1973 na CBS, ambos produzidos pelo Renato Barros, líder do grupo Renato e seus Blue Caps, e já postados no blog. O disco, com o mesmo produtor, foi enviado pelo amigo Geraldo, a quem agradeço pela colaboração. O repertório segue a mesma trilha dos discos anteriores, navegando na mesma água do Reginaldo Rossi, com canções românticas e dançantes, bem comercial, e ao gosto dos apreciadores da chamada música brega. Confira:

01 - Suely
(Joel Teixeira - Valéria)
02 - O Amor Existe
(Alessandro)
03 - Nem Um Minuto A Mais
(Joel Teixeira - Valéria)
04 - Que Alegria
(Joel Teixeira - Valéria)
05 - Ainda Gosto de Você
(Pedrinho - J. Cipriano)
06 - Aqui Estou Eu
(Pedrinho - J. Cipriano)
07 - Um Coração Não É Brinquedo
(J.P.Cruz - Niquinho)
08 - Pra Ver Você Feliz
(Joel Teixeira - Valéria)
09 - Tudo Vezes Tudo
(Marinho - Tania Gracinda)
10 - Em Busca do Caminho
(Gervásio Horta - Oliveira)
11 - Saudade do Nosso Amor
(Lélis - Mourão Filho)
12 - Pensando Em Você
(Niquinho - Othon Russo)


COLABORAÇÃO: Geraldo



quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Toquinho - Que maravilha (LP 1970)

 Edição japonesa do segundo LP do Toquinho foi lançada pela RCA Victor
Este é o segundo álbum do Toquinho, lançado em 1970 pela RGE, e enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço pela colaboração. O disco, gravado no estúdio Gazeta, com direção da produção de João Araujo, é da edição japonesa, lançada pela RCA Victor. O LP traz 11 faixas, das quais seis são instrumentais, incluindo “Bachianinha Nº 1”, assinada por Paulinho Nogueira, que também participa da gravação. Os destaques são os três grandes sucessos em parceria com Jorge Ben Jor, que também participa do disco: “Zana”, “Que Maravilha” e “Carolina Carol Bela”, sendo que as duas últimas foram originalmente lançadas num compacto simples em 1969. A veia popular dessas músicas, que navegam pelos mares do samba rock, conversa bem com as demais faixas do álbum que revelam o lado mais clássico e técnico do artista. A edição japonesa, intitulada “Que Maravilha”, marcou a trajetória do Toquinho antes de firmar a vitoriosa parceria com Vinicius de Moraes, que seria iniciada logo após o lançamento deste álbum. Confira:

01 - A água negra da Lagoa
(Toquinho)
02 - La barca (Instrumental)
(Roberto Cantoral)
03 - Tocando pra Silvinha (Instrumental)
(Toquinho)
04 - Chuva na praia de Juqui (Instrumental)
(Toquinho)
05 - Que maravilha (part. esp. Jorge Ben Jor)
(Jorge Ben Jor - Toquinho)
06 - Zana
(Jorge Ben Jor - Toquinho - Guarnieri)
07 - Bachianinha nº1 (Instrumental)
(part. esp. Paulinho Nogueira)
(Paulinho Nogueira)
08 - De ontem pra hoje (Instrumental)
(Toquinho)
09 - Dobrando a esquina
(Toquinho - Dedé) 
10 - Carolina, Carol Bela (part. esp. Jorge Ben Jor)
(Jorge Ben Jor - Toquinho)
11 - Evocação de Jacob (Instrumental)
(Avena de Castro)

COLABORAÇÃO: Laércio


terça-feira, 13 de novembro de 2018

Waldirene - A garota do Roberto (LP 1968)

 Primeiro álbum da Waldirene foi produzido pela RCA Victor em 1968
Faz tempo desejava postar este primeiro LP da Waldirene, lançado em 1968 pela RCA Victor, mas estava impossibilitado de apresentá-lo porque não tinha a arte gráfica do disco. Tenho o álbum num CD genérico, adquirido numa feira de vinil, com áudio muito bom, mas as ilustrações são ruins, e achei melhor aguardar o momento certo. Finalmente, consegui encontrar as imagens originais do disco, que certamente agradará aos colecionadores. O repertório, com músicas de autores famosos, como Erasmo Carlos, Antonio Marcos, Reynaldo Rayol, Eduardo Araújo, Marcos Roberto e Dori Edson, também inclui seu maior sucesso, “A garota do Roberto”. Confira:

01 - Sempre
(David Miranda - Gilberto Pereira)
02 - Meu Travesseiro
(Osmar Navarro)
03 - Voa, Passarinho
(Alemão - Newton de Siqueira Campos)
04 - A Garota Do Roberto
(Carlos Imperial - Eduardo Araújo)
05 - Você Entendeu Meu Olhar
(Marcos Roberto - Dori Edson)
06 - Nunca Mais Eu Voltarei
(Antonio Marcos - Mário Marcos)
07 - Suas Mãos
(Alemão - Newton de Siqueira Campos)
08 - Amor Certinho
(Eduardo Araújo - Chil Deberto)
09 - Não Era Amor
(David Miranda)
10 - Nem Sei O Que Faço
(Roberto Correa - Sylvio Son)
11 - Este É Seu Lugar
(Reynaldo Rayol)
12 - Eu Quero Ser Sua Namorada
(Erasmo Carlos)



segunda-feira, 12 de novembro de 2018

An evening with Marlene Dietrich (CD ao vivo - 1999)

 CD resgata apresentação realizada em 12 dezembro de 1964 em Londres
Aqui está mais um disco da inesquecível Marlene Dietrich, um dos ícones do cinema mundial. O álbum, enviado pelo amigo Roberto de Brito, a quem agradeço, foi gravado ao vivo durante sua apresentação em 12 de dezembro de 1964 no The Queen’s Theatre em Londres. O disco aqui apresentado é da reedição inglesa em CD, lançada pela Castle Music em 1999. O show traz a assinatura do maestro Burt Bacharach na condução e direção, contendo boa parte do repertório que acompanhou a atriz e cantora ao longo de suas apresentações pelo mundo, incluindo o Brasil. Um dos destaques é a faixa “Falling in Love Again”, imortalizada pela própria artista em 1930 no filme “O anjo azul”, no qual a personagem Lola usa um chapéu de seda, sentada em um barril, cruzando as pernas, e lançando um olhar para cima. Outro destaque é a releitura de “La Vie en Rose”, sucesso da Edith Piaf, perfeita para a  voz profunda e olhar mortiço da cantora. Confira:

01 - Introdução - I Can't Give You Anything But Love
02 - The Laziest Gal in Town
03 - Shir Hatan
04 - La Vie en Rose
05 - Jonny
06 - Go Way from My Window
07 - Allein in Einer Grossen Stadt
08 - Lili Marlene
09 - Das Lied 1st Aus (Frag' Nicht Warum Ich Gehe)
10 - Lola
11 - I Wish You Love
12 - Marie Marie
13 - Honeysuckle Rose
14 - Falling in Love Again


COLABORAÇÃO: Roberto de Brito


sábado, 10 de novembro de 2018

Vários intérpretes - Capricho Brasil (CD 1997)

 Coletânea com grandes intérpretes da Sony Music é recheada de reggae
Uma excelente coletânea, com muito reggae, sintetiza o conteúdo deste “Capricho Brasil”, produzido pela Sony Music em 1997 e enviado pelo amigo Iluvatar, a quem agradeço pela colaboração. Apesar de não ter nenhuma informação sobre a procedência, acredito que se trata de um disco promocional, feito sob medida para a revista Capricho, da Editora Abril. O disco inclui sucessos como “Jack Tequila” e “Te ver” (Skank), “O reggae e o mar” (Daniela Mercury), “Encontrar alguém” (J. Quest) e outros. Confira:


01 - Skank - Jackie Tequila
(Samuel Rosa - Chico Amaral)
02 - Cidade Negra - Onde Você Mora
(Nando Reis - Marisa Monte)
03 - Araketu - Ara Ketu Bom Demais
(Dinha)
04 - Jota Quest - Encontrar Alguém 
(Rogério Flausino - Marco Tulio Lara)
05 - Planet Hemp - Mantenha O Respeito
(Rafael)
06 - João Marcello Bôscoli - Flor Do Futuro
(Bernardo Vilhena - Cláudio Zolli)
07 - Daniela Mercury - O Reggae E O Mar
(Rey Zulu - Daniela Mercury)
08 - Cidade Negra - Downtown
(Bino - Da Gama - Lazão)
09 - Asa De Águia - Pot-pourri:
Dia Dos Namorados
(Durval Lelis - Tonho Matéria)
Rock And Roll Lullaby
(Mann - Well)
10 - Band Axé 2000 - Pot-pourri:
A Vida É Festa
(Dito)
Estrela Primeira
(Pierre Onasis - Jal)
11 - Chico Science & Nação Zumbi - Maracatu Atômico
(Jorge Mautner - Nelson Jacobina)
12 - Jorge Ben Jor - Gostosa
(Jorge Ben Jor)
13 - Biquini Cavadão - Chove Chuva
(Jorge Ben Jor)
14 - Skank - Te Ver
(Samuel Rosa - Leo Zanetti - Chico Amaral)


COLABORAÇÃO: Iluvatar, de Chiador (MG)


sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Augusto Calheiros e Orlando Silva - Série 10 polegadas

 Álbum do Augusto Calheiros é de 1955, um ano antes do seu falecimento
 "Serenata",  produzido em 1955, homenageia o compositor Freire Junior
Apelo para o texto do encarte para apresentar este CD da série 10 Polegadas, lançada pela Odeon em 2002, ano do seu centenário, na qual resgata os álbuns “A patativa do Norte”, do Augusto Calheiros (1955), e “Serenata”, do Orlando Silva (1957): “A Patativa do Norte, apelido dado deste o tempo do conjunto Turunas da Mauricéia, Calheiros foi uma das maiores expressões da canção popular. Com voz afinadíssima, gravou desde o tempo da Casa Edsom músicas românticas e sertanejas. Ele participou da famosa companhia de espetáculos Casa de Caboclo, e seus maiores sucessos estão representados neste disco”.

“Orlando Silva, o cantor das multidões, codinome criado pelo locutor Oduvaldo Cozzi. Em 1937, reuniu num show no Brás, bairro paulista, dez mil pessoas para ouvi-lo. Orlando foi o primeiro cantor a ter um programa exclusivo na Rádio Nacional. Intérprete, criador de sucessos, é considerado uma das mais belas vozes deste país. No disco “Serenata”, vamos ouvir o lado seresteiro de Orlando Silva, prestando uma homenagem ao compositor Freire Junior”. Augusto Calheiros, que iniciou sua carreira artística no Recife em meados dos anos 1920, nasceu em Maceió no dia 5 de junho de 1891 e faleceu no Rio de Janeiro em 11 de janeiro de 1956, um ano após o lançamento deste LP de 10 polegadas. Orlando Garcia da Silva, por sua vez, nasceu no Rio de Janeiro em 3 de outubro de 1915 e morreu em 7 de agosto de 1978, também no Rio. Ambos foram ídolos da era de ouro do rádio no Brasil. Este CD, enviado pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço, é a oportunidade de  reviver esses dois grandes nomes da nossa música. Confira:

AUGUSTO CALHEIROS – A PATATIVA DO NORTE (1955)

01 – Ave Maria
(Erothides de Campos)
02 – Mané fogueteiro
(João de Barro)
03 - Pinião
(Luperce Miranda)
04 – Revendo o passado
(Freire Junior)
05 – Flor do mato
(J. Francisco de Freitas – Zeca Ivo)
06 – Chuá chuá
(Pedro de Sá Pereira – Ary Pavão)
07 - Adda
(Mário Ramos – Salvador J. de Morais)
08 – O pequeno tururú
(Luperce Miranda – Augusto Calheiros)

ORLANDO SILVA – SERENATA (1957)

09 – Luar de Paquetá
(Freire Junior – Hermes Fontes)
10 - Santa
(Freire Junior)
11 – Pálida morena
(Freire Junior)
12 - Deusa
(Freire Junior)
13 – Olhos japoneses
(Freire Junior)
14 - Malandrinha
(Freire Junior)
15 – Revendo o passado
(Freire Junior)
16 - À beira mar 
(Freire Junior – Hermes Fontes)

COLABORAÇÃO: Aderaldo