Pesquisar este blog

terça-feira, 27 de março de 2018

Joelmah - Antes de fechar a porta (CD 1999)

 CD do selo independente For All Music inclui três canções de sua autoria 
Produtores, músicos e  compositores  são destaques no encarte do disco
Eis um belo trabalho da Joelma, que nesse CD independente resolveu mudar a grafia do nome, acrescentando um “h” no final, de acordo com a numerologia. O disco foi gentilmente enviado pelo amigo Carlos Alberto, do Fã Clube Joelma, a quem sou grato pela valiosa colaboração. Foi lançado em 1999 pelo selo For All Music, e se destaca por apresentar três canções de sua autoria. Com 14 faixas, o álbum também traz três músicas assinadas pela Martinha, incluindo a boa releitura de “Estou apaixonada por um velho amigo”, gravada originalmente pela cantora e compositora em 1988, sendo que as outras duas – “Eu sei que vou quebrar a cara” e “Separação” foram compostas em parceria com Ewaldir Luz.

Joelma Giro nasceu em 19 de setembro de 1944 na cidade de Cachoeiro de Itapemirim, no Espírito Santo, mas foi criada na cidade de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. Caçula de sete irmãos, começou a cantar ainda criança, aos seis anos, quando os pais Gabriel Giro e Zulmira Fioretti a ouviram interpretar o samba-canção "Violão", do cantor Onéssimo Gomes. Aos 12 anos, já era cantora mirim da Rádio Difusora de Duque de Caxias, onde apresentava um programa aos sábados a tarde e outro aos domingos pela manhã, nos quais defendia canções de sucesso da época, especialmente da Angela Maria, sua grande influência. Ganhou todos os concursos promovidos pela emissora, tornando-se 'hors concours', e culminou sendo eleita a melhor cantora do Estado do Rio de Janeiro.

Foi descoberta pela Emilinha Borba, ao participar da festa de aniversário da Rádio de Caxias, que a apresentou aos principais apresentadores de programas de auditório especializados em calouros na época, como Paulo Gracindo, Renato Murce e Édimo do Vale. Desafiou-se a cantar no polêmico programa do compositor Ary Barroso, e com medo de ser 'gongada', interpretando “Risque”, do próprio apresentador, usou o pseudônimo de Linda Maria. Não foi gongada, mas recebeu de Ary uma advertência por ter errado a letra, trocando duas palavras, pois havia decorado a canção pela Revista Modinha. Cantou também no auditório da Rádio Tupi do Rio de Janeiro, no programa de Aérton Perlingeiro, outro comunicador conhecido por sua exigência, que a aprovou com louvor em sua interpretação de "Donde estarás mi vida", hit do garoto espanhol Joselito. 

Foi levada ao disco pelo amigo Alberto Soares, que a conhecia dos tempos da Rádio Difusora de Caxias, e em 1962 era divulgador da Chantecler. Lá, foi contratada por José Xavier, então diretor artístico da gravadora, onde registrou a primeira gravação, o bolero "Incompreendida", num disco de 78 RPM, que logo saiu de circulação porque esse formato estava deixando de ser fabricado no Brasil. Em 1964 lançou o segundo, "Se chover, não faz mal", mas o sucesso viria com o terceiro compacto simples, "Não diga nada" (na foto acima), que logo alcançou o topo das paradas de sucesso em todo o país. Por conta disso, deixou de lecionar, e optou pela música, trocando a cidade de Duque de Caxias por São Paulo. A partir daí, obteve outros sucessos, como “Perdidamente te amarei", "Onde estás", "Não te quero mais", "Acredito que te amo", "Aqueles tempos", "La Maritza", "Comecei uma brincadeira", "Casatschok", “Só para mim” e outros, lançados em compactos e LPs.

Participou em 1971 do VI Festival Internacional da Canção (FIC), da Rede Globo de Televisão, defendendo a romântica "Não existe nada além de nós", de Fernando César e Nenéo. Casou-se em 1972 com o músico João Carlos Montanaro, guitarrista do conjunto Os Moscas, com quem teria seus três filhos Ivy, Vito e Vívian. Nesse ano, registrou outro sucesso, "Fale amorosamente" (Fale baixinho), versão de 'Speak softly love', tema do filme “O Poderoso Chefão". Outro grande momento de sua carreira foi em 1976, quando gravou "Pombinha branca", atingindo novamente o topo das paradas em todo o Brasil. Na sequência veio outro sucesso, "Voltarei, voltarás", versão de 'Tornerai, torneró'. Devido à sua assiduidade nas reuniões realizadas pela Socinpro (Associação de administração e proteção dos direitos autorais musicais) foi convidada em 1979 a trabalhar na entidade, onde atua até hoje como Diretora de Controle de Arrecadação.

Em 1983 lançou "Olhos azuis", seu último sucesso ainda pela gravadora Continental, versão de Sebastião Ferreira da Silva para 'Flashdance - what a feeling', original de Irene Cara. Depois apenas lançaria mais um compacto no ano seguinte e um LP independente pelo selo Flipper em 1986. Pensando nos filhos, que começavam a crescer, Joelma decidiu dar um tempo na carreira artística. Ingressou no rádio, apresentando um programa na Rádio Mulher, e depois ficou no ar por 5 anos e meio na Rádio Diário do Grande ABC, com muito sucesso. Gravou em 1991 a música "Sem você", trilha da novela mexicana 'Simplesmente Maria', exibida pelo SBT, e em 1996 fez participação especial na música "Ladainha das criaturas", do Padre Zezinho, no CD 'Missa Fazedores da Paz'. No ano de 1999 lançou este CD e regravou o antigo sucesso "Voltarei, voltarás" para a coletânea 'Discoteca do Chacrinha', em homenagem ao Velho Guerreiro. Em 2006 participou com grande destaque do Programa 'Rei Majestade', exibido pelo SBT, sendo a cantora que mais votos teve do auditório, com mais de 77%. Atualmente, residindo em São Bernardo do Campo - SP, continua atuando na Socinpro e apresenta-se eventualmente relembrando seus sucessos. Em 2015, comemorando 50 anos de sucesso em disco, lançou o CD independente "50 Anos do primeiro sucesso", no qual traz um repertório interessante e eclético, como a releitura do pop rock "Vou deixar", sucesso da banda Skank, mostrando toda versatilidade como intérprete. Confira:

01 - Antes de fechar a porta
(Lucas Robles - Roberto Merli)
02 - Cultivando
(Neno Meyer - Eunice Barbosa)
03 - Eu sei que vou quebrar a cara
(Martinha - Ewaldir Luz)
04 - De mulher para mulher
(Joelmah)
05 -  Boca de mel
(Paulo Nascimento)
06 - Bodas de esperança
(Joelmah)
07 - Estou apaixonada por um velho amigo
(Martinha)
08 - Coisa louca
(Beto Scalla - Wally)
09 - Hora da verdade
(Elias Muniz)
10 - Corsário de prata
(Nino - Dimarco)
11 - Esses homens
(Versão: Joelmah)
12 - Meu vício, agora você
(Hilton José - Edson Frank)
13 - É tarde amor
(Ricardo Braga - J. Luiz)
14 - Separação
(Martinha - Ewaldir Luz)


COLABORAÇÃO: Carlos Alberto, do Fã Clube Joelma



7 comentários:


  1. http://minhateca.com.br/sintoniamusikal/1690+-+JOELM,1297895328.rar(archive)

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Novo link:

      https://www.4shared.com/rar/iVk75jVAfi/1690_-_JOELM.html

      Excluir
  2. Em tempo: no disco do Padre Zezinho, ela participou também da música 'Eu não sou Digno', maravilhosa como sempre!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo post. Ficou muito bom. Juarez (Fã clube Joelma)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado. Eu só tenho a agradecer ao Fã Clube pelos discos enviados e que serão apresentados gradativamente no blog. Abraços

      Excluir
  4. Estou doido querendo a música 'Foi Porque Foi' do Capiba, sucesso dela, se não me engano em 1973. Se tiver, poste-a, por favor! Ficarei eternamente grato. Em tempo, uma Feliz Páscoa!

    ResponderExcluir