Pesquisar este blog

sexta-feira, 31 de março de 2017

Vários artistas - 14 maiorais - Vol. 17 (LP 1972)

 Série 14 Maiorais, da Copacabana, foi inspirada no projeto As 14 Mais, da CBS
Uma das mais populares coletâneas da discografia brasileira, a série 14 Maiorais – inspirada no projeto original da CBS/Sony, As 14 Mais, criado no início dos anos 1960 – divulgou os recentes lançamentos da Copacabana. A compilação, iniciada em 1962, teve mais de 20 volumes, e produziu praticamente dois LPs por ano. Este número 17, lançado em 1972, quando a série completava 10 anos desde o seu lançamento, foi enviado pelo amigo Miguel, a quem agradeço pela colaboração. O disco, assim como os demais, reúne os principais nomes do cast da gravadora, com destaque para Angela Maria, Moacyr Franco, Martinha, Wanderley Cardoso, Elizete Cardoso, Silvana e Benito Di Paula, artistas presentes em outros volumes. Confira este:

01 - Moacyr Franco - A Música do Meu Caminho (Music from across the way)
(Carl Sigman - vs: Nazareno de Brito)
02 - Martinha - Come Le Viole
(Peppino Gagliardi)
03 - Nelson Ned - Dá-me dá-me
(Nelson Ned)
04 - Luiz Eugênio - Férias de Verão (Summer Holiday)
(Tony Temple - Dell Clyde - vs: Domingos Paulo)
05 - Claudio Fontana - Não Tenho Dinheiro (No tengo dinero)
(Juan Gabriel - vs: Nazareno de Brito)
06 - Benito Di Paula - Ela
(Benito Di Paula)
07 - Ângela Maria - Guitarra Toque Mais Baixo (Chitarra suona piu'piano)
(Evangelist - Di Bari - Marrocchi - vs: Nazareno de Brito)
08 - Wanderley Cardoso - Fale Baixinho (Speak softly love)
(Nino Rota - Larry Kusik - vs: Rossini Pinto)
09 -  Elizeth Cardoso - Partido Baixo do Partido Alto
(Miguel Gustavo)
10 - Manhoso - Êta Trafego Danado
(Moacyr Bastos)
11 - Silvana - Adeus... Amor Adeus 
(Concierto para piano y orquestra nº 21 en do mayor)
(Mozart - Adapt. Sebastião Ferreira) 
12 - Almir Rogério - O Errante
(Almir Rogério)
13 - Helô e Beto - Você Não Tá Com Nada
(Silvio César)
14 - Frédéric François - I Love You, Je T'aime
(Frédéric François)

COLABORAÇÃO: Miguel



quinta-feira, 30 de março de 2017

Giane - O importante é a rosa (LP 1968)

Álbum produzido pela Chantecler inclui a releitura de "E por isso estou aqui"
O internauta Ricardo pediu e o nosso amigo Aderaldo, a quem agradeço, me enviou o álbum “O importante é a rosa”, lançado pela Giane em 1968. O LP, produzido pela Chantecler, se destaca pela bonita voz da cantora, límpida e afinada. O disco inclui a regravação da música “E por isso estou aqui”, sucesso do Roberto Carlos, e traz como curiosidade três versões de hits internacionas: “Esse amor que eu não queria”, adaptação de “A whiter shade of pale”, original do grupo Procol Harum, “Estarei ao seu lado”, releitura de “Reach out I’ll be there”, do repertório dos Four Tops, e “Esta é minha canção”, versão de “This is my song”, composta por Charlie Chaplin e famosa na interpretação da Petula Clark.  A canção fez parte da trilha sonora do clássico “A condessa de Hong Kong”, longa de 1967 estrelado por Marlon Brando e Sophia Loren. O LP também traz canções como “Meu bem não vá”, “O homem do coração de ouro”, “Volta amanhã” e outras. Confira:

01 - Meu bem não vá (Mais Tu T’en Vas)
(J. L. Chauby – B. Du Pac – Versão: Rossini Pinto)
02 - Estarei ao seu lado (Reach Out I’ll Be There)
(Brian Holland – Eddie Holland – Lamont Dozier – Versão: Alf Soares)
03 - Volta amanhã
(Fernando César – Mariá Brito)
04 - O homem do coração de ouro
(Alberto Calçada – Antônio Queiroz)
05 - Onde vais? 
(Reginaldo Rossi)
06 - Poeira
(Luiz Bonan – Serafim Colombo Gomes)
07 - O importante é a rosa (L’Important C’est La Rose)
(Gilbert Bécaud – Louis Amade – Versão: Geraldo Figueiredo)
08 - Agora sou imensamente feliz (Salute De Amore)
(Jack Seymour – Versão: Antônio Queiroz)
09 - Ontem e hoje
(Reginaldo Rossi)
10 - E por isso estou aqui
(Roberto Carlos)
11 - Esse amor que eu não queria (A Whiter Shade Of Pale)
(Reid – Brooker – Versão: Geraldo Figueiredo)
12 - Esta é minha canção (This Is My Song)
(Charlie Chaplin – Versão: Alexandre Círus)

COLABORAÇÃO: Aderaldo



quarta-feira, 29 de março de 2017

Show tributo à Jovem Guarda será neste sábado

Show em Guarulhos contará com Jerry Adriani, Os Incríveis e Adam Roman

Recebi o press release de divulgação do “Show tributo à Jovem Guarda”, que será realizado no próximo sábado, 1º de abril, em Guarulhos, na Grande São Paulo. O evento contará com as apresentações do Jerry Adriani, Os Incríveis e Adam Roman, cover do Elvis Presley. O espetáculo acontecerá entre 16h00 e 21h00 no Internacional Eventos, situado na antiga instalação da Philips, na rua João Cavallari, 133. Trata-se de uma boa dica de entretenimento pra quem estiver em São Paulo e uma oportunidade de reviver as saudosas tardes de domingo. Vale a pena conferir. Ingressos e informações pelo telefone (11) 96689-0077.


Cauby Peixoto - Nono mandamento (EP 1962)

 EP produzido na Espanha traz gravações lançadas no Brasil em 1957 e 1958
Nos anos 1950, Cauby Peixoto desfrutava período de grande popularidade, e foi em 1957 que escreveu seu nome na história do rock nacional ao lançar em 1957 a música “Rock'n'roll em Copacabana”, de Miguel Gustavo, o primeiro do gênero em português gravado no Brasil. O disco de 78 RPM, produzido pela RCA Victor, foi acoplado com “Amor verdadeiro”, uma adaptação de “True Love”, no lado B, e fez muito sucesso. A versão, original de Cole Porter, foi resgatada em 1962 no mercado espanhol por meio deste raro compacto duplo, gentilmente enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço pela colaboração. O EP, de 45 RPM, se destaca pela faixa “Nono mandamento”, que dá título ao disco e foi lançada no Brasil em 1958, ano em que gravou também o bolero “Meu amor por você, outra faixa do vinil. O compacto ainda traz o beguine “Tinha que ser”, de Fernando César, produzido em 1957. Confira:

01 - 1958 - Nono mandamento - Samba canção
(Renê Bittencourt - Raul Sampaio)
02 - 1957 - Amor verdadeiro (True love) - Fox
(Cole Porter - vs: Alberto Ribeiro)
03 - 1958 - Meu amor por você - Bolero
(Lourival Faissal - Edson Menezes)
04 - 1957 - Tinha que ser - Beguine
(Fernando César)

COLABORAÇÃO: Laércio



terça-feira, 28 de março de 2017

Hearts of stone - vol.3 - Brasilian 60's Beat & Garage

Terceiro volume, com The Maskers na capa, traz raridades do rock garageiro
Terceiro e último volume da série “Hearts of stone - Brasilian 60's Beat & Garage”, produzida em 2001 na Alemanha, o disco mantém a proposta de resgatar pérolas brasileiras das bandas garageiras. Este terceiro foge à regra devido a inclusão de dois cantores: Altafini, que interpreta “Xaropão”, lançada em 1968 pela obscura Pauta Gravações, e Paulo Hilário, com “Não dou meu braço a torcer”, de um single da Chantecler produzido em 1967. Os destaques ficam por conta das raridades, como “Go on home” e “Dying” (interpretadas pelo grupo Outcasts), “Vem depressa meu amor” (Os Bittus), “O louco” (Bargs), “Whisky” (Le Groupe 'F'), “Why, oh why?” (The Beggers) e “Você não me agrada” (com The Snakes). O LP, com 16 faixas, ainda tem Os Juvenis, The Jungle Cats, Os Santos, Os Minos, Os Brasas, Brazilian Bittles e The Maskers, que estampam a capa. Confira:

01 - Os Juvenis - Eu tenho de achar um alguém
02 - The Brazilian Bitles - Dedicado a quem amei
03 - Bargs - O louco
04 - Paulo Hilário - Não dou meu braço a torcer
05 - The Jungle Cats - Vai
06 - The Snakes - Você não me agrada
07 - Outcasts - Go on home
08 - The Maskers - É dificil esquecer
09 - Os Santos - Três garotas
10 - Altafini - Xaropão
11 - Os Minos - Febre de minos
12 - The Beggers - Why, oh why?
13 - Os Bittus - Vem depressa meu amor
14 - Os Brasas - Lutamos para viver
15 - Outcasts - Dying
16 - Le Groupe 'F' - Whisky



segunda-feira, 27 de março de 2017

Hearts of stone - vol.2 - Brasilian 60's Beat & Garage

 
The Beggers e The Blackstones ilustram a capa deste segundo volume
Este é o segundo volume da série “Hearts of stone - Brasilian 60's Beat & Garage”, como grafada na capa, e traz bandas garageiras dos anos 1960 no Brasil. O LP, fabricado na Alemanha em 2001, se destaca por apresentar gravações raras na época do lançamento. Entre as raridades se destacam os registros de “Slow down” (com o grupo The Beggers), “Treat her right" (conhecida no Brasil pela versão “Cuide dela direitinho”, gravada pelo Erasmo Carlos, com The Beezoons), “Os monstros” (The Blackstones), “Shake” (Analfabitles) e “Sapato novo” (Jungle Cats), entre outras. Além delas, o álbum com 16 faixas ainda tem Os Incríveis, Renato e seus Blue Caps, Os Jovens, Os Brasas e outros grupos. Confira:

01 - Os Baobás - Pintada de preto (Paint in black)
02 - The Bubbles - Não vou cortar o cabelo (Break It All - 66)
03 - Analfabitles - Sunny side up
04 - Os Brasas - Não vá me deixar
05 - The Beggers - Slow down
06 - Os Jovens - Sofrendo por amor (Ill never know)
07 - The Beezoons - Treat her right
08 - The Blackstones - Os monstros
09 - Analfabitles - Shake
10 - Luizinho e seus dinamites - Carango twist
11 - The Beezoons - Hey! Good lookin'
12 - Jungle Cats - Sapato novo
13 - Os Brasas - Mulher rendeira
14 - Renato E Seus Blue Caps - Negro gato
15 - The Brazilian Bitles - É onda
16 - Os Incríveis - Vai, meu bem



domingo, 26 de março de 2017

Hearts of stone - vol.1 - Brasilian 60's Beat & Garage

 Série alemã de três volumes resgata bandas brasileiras de garagem dos anos 60 
“Hearts of stone - Brasilian 60's Beat & Garage” é o título da série de três LPs, produzida na Alemanha pela Mágica Records, com bandas brasileiras de rock dos anos 1960. Acredito que se trata de produção independente, dirigida aos amantes do vinil, considerando o LP diferenciado, cinza claro, sem a tradicional etiqueta/label no centro, e destacadas pelas letras “A” e “B” estampadas em cada lado do disco, com 14 faixas. Este primeiro volume, lançado em 2000, reúne artistas de diferentes gravadoras, e traz nomes conhecidos como Renato e seus Blue Caps, Os Jovens, Brazilian Bitles e Luizinho e seus Dinamites. Eles dividem espaço com as bandas garageiras Beatnicks, Som Beat, Beat Boys, Baobás, Top Five, The Maskers e Os Aranhas. Confira:

01 - Os Jovens - Coração De Pedra 
02 - The Beatniks - Fire 
03 - Luizinho E Seus Dinamites - Choque Que Queima 
04 - Som Beat - My Generation 
05 - The Beat Boys - Canudinho 
06 - Os Baobás - Down Down 
07 - The Beatniks - Cansado De Esperar 
08 - Renato e Seus Blue Caps - Vivo Só 
09 - Top Five - Esqueces Que Te Amei 
10 - The Beatniks - Outside Chance 
11 - The Brazilian Bitles - Filhinho Do Papai 
12 - The Maskers - Veja Só 
13 - Os Jovens - Se Você Contar 
14 - Os Aranhas - Gloria 


sábado, 25 de março de 2017

Vários artistas - As 14 Maiorais Extra (LP 1976)

 Sucessos de 1976 estão reunidos neste álbum da gravadora Copacabana
Inspirada pela CBS, que lançou no início dos anos 1960 a série “As 14 mais”, um álbum de compilação contendo os 14 maiores sucessos recentes do cast, a Copacabana criou projeto similar em 1962, denominado “As 14 Maiorais”, e produziu praticamente dois LPs por ano. No total, foram mais de 20 volumes, todos com grande vendagem. Em 1976, a gravadora lançou este álbum, uma extensão da série original, intitulado “As 14 Maiorais Extra”, gentilmente enviado pelo amigo Miguel, a quem agradeço pela colaboração. O disco reúne alguns sucessos do período, como “Moça bonita” (interpretada pela Angela Maria), “Vai ficar na saudade” (Benito de Paula), “Eles precisam saber” (Wanderley Cardoso) e outros. Uma das curiosidades é a desconhecida releitura de “Tu T'en Vas” (no Brasil, a versão “Não se vai”, fez muito sucesso com o casal Jane e Herondy), na interpretação de Jaqueline & Jean Claude. O álbum também traz Bebeto, Benito Di Paula, Elizeth Cardoso, Nelson Ned e outros. Confira:

01 - Angela Maria - Moça Bonita
(Jair Amorim - Evaldo Gouveia)
02 - Wanderley Cardoso - Eles Precisam Saber
(Wanderley Cardoso - J. Oliveira)
03 - Jaqueline & Jean Claude - Tu T'en Vas
(Alain Barrière - Noelle Cordier)
04 - Nelson Ned - Chega de Você
(Nelson Ned - Rosângela)
05 - Claudio Fontana - Você me Iludiu
(Claudio Fontana)
06 - Light Reflections - Sweet Love
(Santiago)
07 - Benito Di Paula - Vai Ficar na Saudade
(Benito de Paula)
08 - Elizeth Cardoso - Antes, Durante e Depois
(Paulo Cesar Pinheiro - Paulo Valdez)
09 - Bebeto - Ela Vai Mostrar
(Bebeto)
10 - Almir Rogério - Véu e Grinalda
(Rogério - Martini)
11 - Pietro Salvatore - Tornero
(Polizzi - Natili - Ramoino)
12 - Raul Gil - Nanci
(Bruno Arelli - Luiz Lacerda)
13 - Luiz Carlos Clay - Volta Pra Mim Amor (Vuelve Conmigo, Amor)
(Santiago - vs: Fred Jorge)
14 - Ditinho da Favela - Essa Nega Qué Mê Dá
(Caninha)

COLABORAÇÃO: Miguel



sexta-feira, 24 de março de 2017

Silvio Brito - Eu cantarei (LP 1978)

 Álbum produzido pela Rosicler/Continental inclui o hit "Tá todo mundo louco"
Silvio Brito marca novamente presença no blog com este “Eu cantarei”, álbum lançado em 1978 pelo selo Rosicler/Continental, gentilmente enviado pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço por mais essa colaboração. O disco, com 12 faixas, 10 das quais de autoria do artista, inclui o sucesso “Tá todo mundo louco”, e se destaca pela faixa “Nostalgia 65”, com clara referência aos bons tempos da Jovem Guarda. O repertório do cantor, hoje também apresentador do programa “Silvio Brito em família”, na Rede Vida de Televisão, chama a atenção pelo tom nostálgico das letras, cheias de reminiscências, provavelmente oriundas da cidade mineira de Três Pontas, onde nasceu em 10 de fevereiro de 1952. Confira:

01 - Eu cantarei
(Silvio Brito – Edson Conceição)
02 - Quando o amanhã chegar
(Silvio Brito)
03 - Recordações
(Silvio Brito)
04 - Minha alegria
(Silvio Brito)
05 - Casinha
(S. Rodrigues)
06 - Nostalgia 65
(Silvio Brito)
07 - Cantilena
(Laerte Freire)
08 - Bom dia
(Silvio Brito)
09 - Namoradinha do mundo
(Silvio Brito)
10 - Quase 2000 anos depois
(Silvio Brito)
11 - Pipi dog
(Marcos Resende – Paulo Zamikhowsky - Silvio Brito)
12 - Tá todo mundo louco
(Silvio Brito)

COLABORAÇÃO: Aderaldo


quinta-feira, 23 de março de 2017

Vários artistas - Primeira audição - Vol. 4 (LP 1975)

 Álbum exclusivo para divulgação traz lançamentos da gravadora RCA Victor
Primeira Audição é uma série de LPs, da qual desconheço o tamanho, desenvolvida pela RCA Victor para divulgação dos mais recentes lançamentos. O disco, não colocado à venda no circuito comercial, foi enviado pelo amigo Geraldo, a quem agradeço por mais essa preciosa colaboração. Este quarto volume, produzido em 1975, reúne canções que fizeram sucesso na época, como “Farofa-da” (com Mauro Celso), “Tô chegando, já cheguei” (Eliana Pittman), “Soleado” (Francisco Cuoco), “Quantas lágrimas” (Cristina), “Alone” (Junior) e outras. O álbum ainda traz artistas como Dave MacLean, Antonio Carlos e Jocafi, Os Originais do Samba e Palito Ortega, entre outros. Confira:

01 - Dave MacLean - Solitaire
(Sedaka - Cody)
02 - Carol Douglas - Doctor's Orders
(Greenaway - Coop)
03 - Antonio Carlos e Jocafi - Dona Flôr E Seus Dois Maridos
(Antonio Carlos e Jocafi)
04 - Palito Ortega - Eu Tenho Fé
(Palito Ortega - Marcelo Duran)
05 - Os Originais do Samba - Canto De Amor
(Délcio Carvalho - Barbosa da Silva)
06 - Francisco Cuoco - Soleado
(Zacar - Adapt. Ray Girado - Vs: Hélio Matheus)
07 - Mauro Celso - Farofa-fa
(Mauro Celso)
08 - Eliana Pittman - Tô Chegando, Já Cheguei
(Picolino da Portela - Caipira)
09 - Stark e McBrien - Isn't It Lonely Together
(R.McBrien - E.Levitt)
10 - Cristina - Quantas Lágrimas
(Manacê)
11 - Geraldo Nunes - Colcha de Retalhos
(Raul Torres)
12 - Junior - Alone
(A. Morales - S. Napier - Bell)

COLABORAÇÃO: Geraldo



quarta-feira, 22 de março de 2017

Carlos Gonzaga - Porque mentir (CS 1968)

 Compacto simples do Carlos Gonzaga foi produzido em 1968 pela RCA Victor
Este compacto simples do Carlos Gonzaga, lançado em 1968 pela RCA Victor e inédito na rede, atende ao pedido do internauta Antonio Arley. O disco, que passou despercebido pelo público, traz as músicas “Porque mentir” e “Eternamente”, não incluídas em álbuns do cantor, um dos pioneiros do rock brasileiro. Vou aproveitar a postagem e solicitar a quem tiver a música “A história de Bonnie e Clyde”, uma versão do Carlos Wallace para o hit “Ballad of Bonnie e Clyde”, que não tenho em coleção e também foi gravada pelo Carlos Gonzaga nesse mesmo ano de 1968 num compacto simples, anterior a este, agora postado. Confira:

01 – Porque mentir
(Jair Gonçalves – Oswaldo Cavasini) 
02 - Eternamente 
(Osmar Navarro)



Luizinho e seus Dinamites - Choque que queima (CD)

  Edição em CD se destaca por duas faixas bônus lançadas em compacto
Você não se enganou. Este álbum do Luizinho e seus Dinamites, originalmente produzido pela RCA Victor, já foi postado no blog. Na ocasião, solicitei o disco extraído do CD, lançado pela série Classic Collection, pois o apresentado é do vinil relançado pela Bruno Discos e disponível na rede. O internauta José Carlos, a quem agradeço, leu meu pedido e me enviou o álbum. O exemplar em CD se destaca por duas faixas bônus, lançadas pela Continental em compacto simples, com “Mundo imenso”, de autoria da cantora e compositora Elizabeth, e o pot-pourri de clássicos da nossa música: “Pé de manacá”, “Cintura fina”, “Meu limão, meu limoeiro” e “Está chegando a hora”. Confira:

01 - Dinamite
(Samwell - Euclides)
2. Choque que Queima
(Samwell - Euclides)
3. Driving guitars (Ventures twist)
(Wilson - Sogle - Edwards)
4. Eu Vou à Lua
(Samwell - Euclides)
5. As Estações
(Schrieder - Gold - Luizinho)
6. Apache
(Jerry Lordan)
7. A Raposa e o Corvo (The snake and the bookworm)
(Dosc Pomus - Mort Shuman - Luizinho)
8. Carango Twist (Down the line)
(R.Orbison - M.Marc - Lajean - Euclides)
9. Bongo Blues 
(Paramor)
10. Uma Voz na Solidão (A voice in the wilderness)
(Paramor - Lewis - Euclides)
11. Lâmpada do Amor (Lamp of love)
(Tepper - Bennett - Luizinho)
12. Guitar Twist
(Glasser - Allsup)

BÔNUS

13 - Mundo imenso
(Elizabeth Sanches)
14 - Medley:
Pé de manacá
(Hervê Cordovil - Marisa Coelho)
Cintura fina
(Zé Dantas - Luiz Gonzaga)
Meu limão, meu limoeiro
(D.P.)
Está chegando a hora
(Henricão - Rubens Campos)

COLABORAÇÃO: José Carlos



terça-feira, 21 de março de 2017

Joelma - Não te quero mais (EP 1967)

 Compacto duplo de 45 RPM foi lançado em Portugal pela Alvorada/Chantecler
A cantora Joelma, grande sucesso nos anos 1960 e 1970, comparece mais uma vez no blog com este compacto duplo enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço pela colaboração. O EP, de 45 RPM, foi lançado em 1967 pela Alvorada/Chantecler em Portugal, e certamente agradará aos colecionadores. O disco, com quatro versões de hits internacionais, se destaca pelas faixas “Não te quero mais” e “Onde estás”, muito executadas pelas emissoras de rádio no Brasil. A curiosidade é “Não me deixes não”, uma versão de “Je ne t'aime plus”, do cantor e compositor Christophe, feita pela própria Joelma. Confira:

01 - Não Te Quero Mais (Non, tu ne m'aimes plus)
(Bob du Pac - J.L.Cauby - vs: Glaucia Prado)
02 - Acredito que Te Amo (Ho capito que te amo)
(Luigi Tenco - vs: Glaucia Prado)
03 - Onde Estás (Non credo)
(A. Pascal - P. Mauriat - vs: Carlos Vidal)
04 - Não Me Deixes Não (Je ne t'aime plus)
(Christophe - vs: Joelma)


COLABORAÇÃO: Laércio


domingo, 19 de março de 2017

Chuck Berry - Rock & Roll Music - Vol. 1 (CD 1996)

Coletânea lançada pela Movieplay reúne os grandes sucessos do artista
O rock está de luto. O guitarrista, cantor e compositor Chuck Berry morreu ontem nos Estados Unidos, aos 90 anos, de causa ainda não revelada. Um dos mais importantes nomes entre os pioneiros que inventaram o rock’n’roll no início dos anos 1950, Chuck Berry fez história com seus elegantes riffs de guitarra e letras geniais, e influenciou todo mundo. "Se você tiver de dar outro nome ao rock'n'roll, poderia chamá-lo de Chuck Berry", disse John Lennon, dos Beatles (na foto abaixo), ao se referir sobre o ídolo. Em homenagem póstuma vou postar este CD, produzido no Brasil em 1996 pela Movieplay, contendo principais sucessos, como “Rock and roll music”, música que dá título a coletânea, "Maybellene", "Roll over Beethoven", "School Day", “Too much monkey business” e outros.

Nascido em 18 de outubro de 1926, em Saint Louis, no Missouri, Berry dizia emular "a clareza vocal suave de seu ídolo, Nat King Cole, enquanto tocava músicas de blues de gente como Muddy Waters", descreve a biografia em seu site oficial. Berry foi o quarto dos seis filhos de um empreiteiro e de uma diretora de escola. Ele aprendeu a tocar guitarra durante o ensino médio, quando passava por fase rebelde e foi preso por tentativa de roubo. Depois, trabalhou numa linha de montagem da General Motors. Passou a se dedicar exclusivamente à música nos anos 1950, quando formou um trio com um baterista, Ebby Harding, e um tecladista, Johnnie Johnson. Ele atingiu sucesso em 1955 quando conheceu a lenda do blues Muddy Waters e o produtor Leonard Chess em Chicago, e passou a misturar estilos do country e do blues do sul dos EUA com uma pegada pop, mais palatável para as rádios. Ele percebeu, antes de todos, que o adolescente precisava de uma música para chamar de sua, algo com que se identificasse e que o diferenciasse de seus pais.

Por conta disso, compôs verdadeiros hinos em que celebrava o rock e o contrapunha a outros gêneros musicais: em “Rock and Roll Music”, Berry canta que “não tem nada contra jazz moderno”, mas gosta mesmo é de rock. Em “Roll Over Beethoven”, brinca que Ludwig Van Beethoven rolaria em seu túmulo ao ver que o rock estava dominando o mundo. E em “School Day”, sintetizou o conflito de gerações que ele tão bem musicou: “Salve, salve, rock’n’roll / Livrai-me dos dias de outrora”. Além das músicas e da influência sobre todo um gênero, o músico também deixou sua marca na famosa "duck walk", na qual tocava sua guitarra enquanto pulava em uma perna agachado pelo palco, como fez o ator Michael J. Fox ao tocar “Johnny B. Goode” no filme “De volta para o futuro”. Sem dúvida, foi um gênio, e certamente será lembrado pelas futuras gerações como um dos pais do rock'n'roll. Confira:

01 - Maybellene
02 - Wee Wee Hours
03 - Thirty Days
04 - Together (We'll Always Be)
05 - Berry Pickin'
06 - Down Bound Train
07 - No Money Down
08 - Roly Poly
09 - You can't catch me
10 - Too Much Monkey Business
11 - Brown Handsome Man
12 - Roll Over Beethoven
13 - Drifting Heart
14 - Havana Moon
15 - School Day
16 - Blue Feeling
17 - Oh Baby Doll
18 - Rock And Roll Music
19 - I've Changed
20 - Reelin' And Rockin'

Todas as músicas são de autoria do Chuck Berry


sábado, 18 de março de 2017

Vários artistas - A grande parada - vol. 6 (LP 1978)

 Cantores como Paulo Sérgio, Silvinha, Wando e Dom estão incluídos no LP
Os seguidores do blog já devem conhecer a série “A grande parada”, coletânea iniciada em 1971 pela Beverly, contendo os grandes sucessos de artistas da gravadora. Os quatro primeiros volumes, lançados até 1974, já foram apresentados no SM, e ainda faltavam o quinto e o sexto. Graças ao amigo Aderaldo, a quem agradeço pela colaboração, agora é possível apresentar o sexto da série, lançado em 1978. O álbum, com 14 faixas, se destaca pelos hits “Eu te amo, eu te venero” (Paulo Sérgio), “Senhorita, senhorita” (canção do Wando, incluída na trilha da novela “Sem lenço, sem documento”), “Minha confissão” (Célio Roberto) e “Gut gut” (Tony Damito), entre outras. Confira:

01 - Paulo Sérgio - Eu te amo, eu te venero 
(P. Sérgio – C. Roberto)
02 - Angelo Máximo - Todo dia
(M. Nenzinho - Tuca)
03 - Célio Roberto - Minha confissão (Ave Maria)
(H. G. Moslener - M. Oberdorffer – Versão: C. Mendes – C. Dalto)
04 - Wando - Senhorita, Senhorita
 (Wando)
05 - Dom - Se meu santo um dia me ajudar
(Dom)
06 - Luiza Maura - Terreiro dos orixás
(N. Neto)
07 - Os Carbonos - Já não pensas mais em mim  (Ya no piensas)
(C. Montez – B. Meshel – Versão: Jean Pierre)
08 - Tony Damito - Gut gut
(T. Damito / Cezar)
09 - Sueli - Você tem que acreditar em mim - 1974
(Clayton / A. Carlos)
10 - Luciano Del Rey - Quarto de mansão
(Zé da Praia – P. de Paula)
11 - Silvinha Araújo - Algo de novo no ar
(W. Santos – T. Souza)
12 - Clayton - Importante é saber
(Clayton)
13 - Banda Pau Brasil - Te quiero mucho
(Hernandez – Silva – Aurellio - Rodriguez)
14 - Cleide Regina - Vamos começar tudo outra vez
(Penna - Dinah Ribeiro)

COLABORAÇÃO: Aderaldo




sexta-feira, 17 de março de 2017

Vários artistas - Explosão década musical 1960 (1990)

 Coletânea reúne 14 grandes sucessos de artistas da gravadora Continental
A proposta deste LP, intitulado “Explosão Década Musical 1960”, lançado em 1990 pela Phonodisc/Continental, é reunir canções que fizeram sucesso nos anos 1960. No entanto, o repertório traz músicas da década seguinte, como são os casos de “Tá todo mundo louco” (Silvio Brito), “O maior golpe do mundo” (Deny e Dino), “Pombinha branca” (Joelma),  “Amor, amor, amor” (Marcos Roberto) e “Mar de rosas” (Celly Campello). Esse detalhe não prejudica a qualidade do disco, gentilmente enviado pelo amigo Miguel, a quem agradeço, pois oferece canções que ainda estão na memória de muita gente, como “O milionário” (Os Incríveis), “Tema para jovens enamorados” (The Jet Black’s), “O ritmo da chuva” (Demétrius) e outras. É ouvir e reviver bons momentos. Confira:

01 - Os Incríveis - O milionário (The millionare)
(Mike Maxfield)
02 - Sérgio Murilo - A felicidade (La felicidad)
(Palito Ortega - vs: Beat Boys)
03 - Demétrius - O ritmo da chuva (Rhythm of the rain)
(John Gummoe - vs: Demétrius)
04 - Celly Campello - Mar de rosas (Rose garden)
(Joe South - vs: Rossini Pinto)
05 - Deny e Dino - O maior golpe do mundo
(Marcos Lago - Dino Rossi)
06 - Silvio Brito - Tá todo mundo louco
(Silvio Brito)
07 - Marcos Roberto - Amor, amor, amor
(Almir Rogério - Jean Pierre)
08 - Os Vips - A volta
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
09 - The Jet  Black's - Theme for young lovers 
(Tema para jovens enamorados)
(Bruce - Welch)
10 - Giane - Dominique
(Souer Sourire - vs: Paulo Queiroz)
11 - Nilton Cesar - Professor apaixonado
(Jair Gonçalves)
12 - Arthurzinho - Roda gigante
(Miltinho Rodrigues - Marcos Antonio)
13 - Nenéo - Que saudade de você
(Nenéo)
14 - Joelma - Pombinha branca
(Silvia Boarato - Murano)

COLABORAÇÃO: Miguel




quinta-feira, 16 de março de 2017

Vários artistas - Jovem Guarda Instrumental - Vol. VI

 Sexto volume, com 25 faixas, traz várias raridades do período da Jovem Guarda
Uma postagem especial para os colecionadores da série Jovem Guarda Instrumental, desenvolvida pelo blog e com cinco volumes já apresentados. Este sexto, com 25 músicas, traz várias relíquias do período. Algumas faixas merecem considerações e esclarecimentos. Danny Marcel e Os Texanos são, respectivamente, Ed Maciel e The Jordans sob pseudônimo, sendo que “Estamos no paraíso”, com Os Tremendões, pela gravadora Paladium, também foi relançada como gravação do grupo The Rock Fingers, pelo selo Beverly. Segundo informação do amigo internauta Paulo Castelo Branco, as faixas executadas por Sérgio Márcio e seu conjunto, da CBS, e Mazzola e sua Orquestra, da Caravelle, são respectivamente play-backs das gravações do Pedro Paulo (sem vocal, acrescida de solo de órgão) e da Elizabeth (sem vocal, acrescida de solo de sax). Confira:

01 - 1968 - Aloyr Mendes - Eu te amo, te amo, te amo
02 - 1968 - Os Psicodélicos - Te adoro (I need you)
03 - 1969 - Beachbuben - É tempo do amor (Le temps de l'amour)
04 - 1967 - Os Dragões - Tema dos Dragões
05 - 1966 - Jacildo e seus Rapazes - Day tripper
06 - 1968 - The Teenagers - Não me trate como um cão
07 - 1965 - The Tip Tops - I'm twist
08 - 1967 - The Condors - Africa
09 - 1967 - Os Mutáveis - Peace pipe
10 - 1969 - Sérgio Márcio e seu conjunto - Viu
11 - 1967 - Os Tremendões (The Rock Fingers) - Estranhos no paraíso
12 - 1966 - The Fire Boys - Tabu
13 - 1968 - The Androids - Cimarron
14 - 1968 - Os Joias no Sucesso - Massachussets
15 - 1967 - The Jones - Coisinha estúpida (Something stupid)
16 - 1967 - The Reds - Cavalgada para o céu
17 - 1966 - The Honey Boys -  Querida (Don't Let Them Move)
18 - 1974 - Danny Marcel (Ed Lincoln) - Não quero ver você triste
19 - 1969 - Mazzola e sua orquestra - Sou louca por você
20 - 1965 - Os Balanceiros - O Calhambeque (Road Hog)
21 - 1966 - Orquestra de Carlos Piper - Festa do Bolinha
22 - 196_ - The Blobs - Murder
23 - 1968 - The Tunders - Só existe um lugar (You only live twice)
24 - 1966 - The Fellows - Resposta do céu
25 - 1966 - Os Texanos (The Jordans) - Shadoogie



quarta-feira, 15 de março de 2017

The Archies - This is love (EP S/D)

 Hot Dog, mascote do grupo The Archies, ilustra capa do EP em Portugal
Este compacto duplo do grupo The Archies, enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço, vale postar pela curiosidade. A banda, que fez sucesso no Brasil com canções como “Sugar, sugar”, "Bang-Shang-A-Lang" e "Jingle Jangle", é da série norte-americana de desenho animado "The Archie Show" (no Brasil, "A Turma do Archie"), produzida pela Filmation entre 1968 e 1969, e exibida primeiramente pela CBS. Os personagens da série foram criados por John L. Goldwater e o roteiro escrito por Bob Ogle, baseado em uma revista de histórias em quadrinhos da Archie Comics. A direção coube a Hal Sutherland. A série contou com 17 episódios no total. Os The Archies eram uma banda de garagem fundada por Archie Andrews, Reggie Mantle e Jughead Jones, um grupo de adolescentes fictícios.

The Archies tocavam uma variedade de música pop, apelidada de "Bubblegum pop", consistente com a época do desenho animado, exibido na televisão entre 1968 e 1978. Mas havia uma preferência pelo rock'n roll. Todos os membros cantavam os vocais, com exceção de Jughead (bateria), em algumas canções. Era formada também por Archie (guitarra), Reggie (baixo), Betty (tamborim, percussão e guitarra, ocasionalmente), Veronica (órgão e teclado) e o mascote Hot Dog (na ilustração acima). Segundo a Wikipedia, o grupo real era formado por músicos de estúdio (na foto abaixo), contratados em 1968 por Don Kirshner, para tocar várias canções. A mais famosa delas, "Sugar, Sugar", foi escrita por Jeff Barry e Andy Kim, e chegou ao topo das paradas pops em 1969, dando ao grupo um disco de ouro. Na revista Billboard foi a nº1, sendo a única canção de uma banda ficcional a entrar neste ranking.

Os vocais masculinos dos Archies fictícios eram de Ron Dante, o líder da banda Cugg Links. Já os duetos femininos eram feitos por Toni Wine, substituída em 1970 por Donna Marie, que foi depois trocada nas gravações finais por Merle Miller. A única canção que não foi cantada por Ron Dante foi "Love Is Living in You", cantada em 1971 por Richie Adams. Jeff Barry, Andy Kim, Susan Morse, Joey Levine, Maeretha Stewart, Ellie Greenwich, Bobby Bloom e Leslie Miller contribuíram para os vocais de apoio diversas vezes, com a contribuição de Barry para a voz de baixo (dublando Jughead no desenho). Os músicos dos Archies eram o guitarrista Hugh McCracken, os baixistas Chuck Rainey e Joey Macho, o tecladista Ron Frangipane e os bateristas Buddy Saltzman e Gary Chester. O último single da banda foi lançado em 1972, e era chamado "Strangers in the Morning", e no lado B, estava "Plum Crazy". Este EP, com canções de 1969, foi produzido em Portugal em ano não citado. Confira:

01 - This is love
(Ritchie Adams - Robert Levine)
02 - Throw a little love my way
(R. Dante - G. Alian)
03 - Everything's alright
(Dante)
04 - Together we two
(Barry - Kim)

COLABORAÇÃO: Laércio


terça-feira, 14 de março de 2017

Fredson - Coletânea Especial (2017)

 Cego e com problemas de saúde, Fredson precisa de ajuda para sobreviver
O amigo e colaborador Aderaldo montou esta coletânea especial do Fredson para chamar a atenção sobre o difícil momento vivido pelo artista. O cantor e radialista, que iniciou a carreira no Trio Melodia, e fez sucesso em carreira solo, precisa de ajuda para sobreviver. Por conta de um glaucoma, o artista de 79 anos está cego, e ainda sofre com Mal de Alzheimer, segundo reportagem de 21 de fevereiro de 2016 no site do Diário da Chapada (aqui). A esposa e companheira, Vera Cerqueira, era quem cuidava dele, mas ela morreu recentemente devido a complicações de saúde decorrentes de problemas estomacais.

Com o agravamento do seu estado de saúde, Fredson não pode mais trabalhar, e precisa da ajuda de amigos e parentes para pagar despesas como aluguel e alimentação, pois recebe salário mínimo de aposentadoria, que é gasto com remédios. Há poucos dias, foi lançada uma campanha para que fãs do artista possam ajudá-lo de alguma maneira a lutar pela vida. Quem puder colaborar pode depositar qualquer quantia na conta que Fredson possui no Bradesco: agência 235-6 conta 39.818-7. Maiores informações poderão ser obtidas através dos telefones: 71-9135-8890 ou 75-8119-5722. Confira o post:

01 - Vamos fazer um acordo
02 - Nem de brincadeira
03 - História igualzinha a nossa
04 - Assim já é demais
05 - O guarda da Barra
06 - Porque me apaixonei
07 - A saudade mata a gente
08 - Só sei que te amo
09 - Dolores Sierra
10 - Vem amor comigo
11 - Diga, meu amor, aonde estás
12 - Duvido que você esqueça
13 - Aniversário do meu bem
14 - O pudim
15 - Oh meu imenso amor
16 - Um dia desse com você vou explodir
17 - Rock da toalha
18 - Você mudou demais
19 - Tenho ciume de tudo
20 - Apanha ele e você
21 - Só pode ser feitiço
22 - Pra não dar na pinta (Rock de verão)
23 - Menina abelha
24 - Rock do cajú
25 - Este cara não me deixa em paz
26 - Macumbê, macumbá
27 - Você não vai encontrar um amor igual ao meu
28 - Eu vou casar com ela
29 - O marido dela vai saber

COLABORAÇÃO/SELEÇÃO DO REPERTÓRIO: Aderaldo





segunda-feira, 13 de março de 2017

Os Brasas - Eu tentei fazer você feliz (EP 1968)

 Luiz Vagner e Franco, integrantes do grupo, fizeram sucesso em carreira solo 
O grupo Os Brasas, um dos precursores do rock no Rio Grande do Sul, marca presença novamente no blog por meio deste compacto duplo, lançado em 1968 pela Continental e enviado pelo amigo Miguel, a quem agradeço pela colaboração. O EP traz a faixa “A distância”, incluída no único LP gravado nesse mesmo ano pela banda, desfeita em 1970. As demais canções são exclusivas do disco, daí a sua importância para colecionadores e fãs da Jovem Guarda. A banda começou com o nome de The Jetsons, fazendo sucesso no programa “Juventude em Brasa”, na TV Piratini, e rapidamente se transformou na mais bem-sucedida banda do iê-iê-iê gaúcho, sendo formada por Luiz Vagner, Franco, Anyres Rodrigues e Eddy, músicos oriundos do bairro Partenon, na capital gaúcha. Confira:

01 - A distância (Oriental sadness)
(Landsford - vs: Anires)
02 - Ao lhe ver chorando, pedi perdão por ser feliz 
(Luis Wagner - Tom Gomes)
03 - Mulher rendeira 
(D.P. - Arranjo: Milton José)
04 - Eu tentei fazer você feliz 
(Ruben - Luiz Wagner)

COLABORAÇÃO: Miguel


domingo, 12 de março de 2017

Regina Célia - Noite para amar (LP 1962)

 Contemporânea da Celly Campello, Regina Célia gravou rocks e baladas
Este álbum da Regina Célia, o único da jovem cantora, contemporânea da Celly Campello, atende ao pedido do internauta Samuel. O áudio foi adquirido de um colecionador, de quem comprei a discografia da cantora, e futuramente montarei coletânea com as demais faixas. A postagem do LP, lançado em 1962 pela RCA Victor, foi possível porque encontrei na rede as fotos da capa e da contracapa, de onde retirei o texto abaixo, assinado por Julio Nagib, para apresentar a cantora e o disco, com arranjos de Francisco Moraes e Erlon Chaves:

“Esta menina moça vai surpreender com este LP. É o seu primeiro lançamento em 33 rpm e já demonstra classe excepcional em todas as faixas. Com apenas 17 anos, Regina Célia é um real valor da música popular que a juventude consagra no momento. Seu amor à música vem de longe... vem desde os 4 anos, quando empolgava os ouvintes do programa infantil da Rádio Cultura de Lorena, cidade do interior paulista onde nasceu no dia 11 de abril de 1944.

Veio com sua família para São Paulo com 12 anos, e logo depois venceu um concurso na Rádio Record. Vive entre a música e os livros, pois, não descuida do seu curso no Ginásio Estadual Frei Paulo Luig (a capa deste LP bem retrata seu amor ao estudo e aos discos). Sempre alegre como uma menina, só fica compenetrada na hora em que trata de assuntos relacionados com sua carreira, assistida pelo incomparável carinho do seu pai, que a acompanha por toda parte e pela "torcida" da mamãe e da irmãzinha.

Brejeira, como em "A tarde é minha amiga" ou em "Juquinha", ou romântico como em "Luar da Espanha" ou "Emoção", Regina Célia nos traz uma sequência de momentos agradáveis em seu primeiro LP. Em "Meu grande amor" principalmente, ela demonstra uma extensão de voz e uma expressão interpretativa tão grande que somente esta faixa já a colocaria entre as nossas melhores cantoras do gênero. Gostaria, também, de salientar os excelentes acompanhamentos que tiveram a responsabilidade de dois grandes maestros-arranjadores exclusivos da RCA Victor: Francisco Moraes e Erlon Chaves”. Confira:

01 - Noite para amar (Tonight my love, tonight)
(Paul Anka - Fred Jorge)
02 - Luar da Espanha (Spanish Harlem)
(Leiber - Spector - Juvenal Fernandes)
03 - Bobby, Bobby, Bobby
(Glazer - Weiss - King - Fred Jorge)
04 - Inspiração (Poetry in motion)
(P. Kaufman - M. Anthony - Fred Jorge)
05 - Eu quero achar (Where the boys are)
(Neil Sedaka - H. Greenfield - Fred Jorge) 
06 - Lencinho com baton (El pañuelo manchado de rouge)
(Pedro Lujan - Fred Jorge)
07 - A tarde é minha amiga (I love the long light evenings)
(M. Littman - R. Butler - S. Morais)
08 - Meu grande amor (Anything)
(Teddy Vann - Espírito Santo)
09 - Minha história de amor (The story of my love)
(Paul Anka - Fred Jorge)
10 - Juquinha
(Archimedes Messina)
11 - Emoção (Emotions)
(M. Tillis - R. Kearney - Fred Jorge)
12 - Vem dançar meu amor (Dance on little girl)
(Paul Anka - Fred Jorge)


ACERVO: Foto da contracapa fornecida pelo colaborador Geraldo


sábado, 11 de março de 2017

Francisco Egydio - Creio em ti (EP S/D)

 Disco também traz "Foi Deus", sucesso do repertório da Angela Maria
Francisco Egydio é mais um dos grandes cantores brasileiros que, apesar do bonita voz, raramente é lembrado pela mídia. Este compacto duplo sem data, de 45 RPM, foi lançado em Portugal, e traz “Creio em Ti”, um dos maiores sucessos da carreira, com o qual ganhou em 1960 os prêmios Roquete Pinto e Chico Viola. O disco, enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço, se destaca pela faixa “Foi Deus”, mais conhecida pela interpretação da Angela Maria, mas o registro do cantor é igualmente bom. O artista, nascido e falecido em São Paulo (17/01/1927 – 17/10/2007) , iniciou a carreira nos anos 1950 e também se notabilizou pela gravação de diversas marchinhas de carnaval, entre elas “Simbora Nós Dois” e “Me Dá um Gelinho aí”.   Em sua extensa carreira gravou mais de 20 discos em 78 RPM, além de vários compactos e LPs pelas gravadoras Odeon, Chantecler e Continental. Confira este:

01 - Creio Em Ti (I Believe)
(E. Drake - I. Graham - J. Shirl - Al Stillman - vs: O. Santiago)
02 - Um Entre Tantos (Uno Dei Tanti)
(Donida - Mogol - vs: José Martins)
03 - Em Qualquer Lugar (All Over The World)
(Al Frisch - Charles Tobias - vs: Fred Jorge)
04 - Foi Deus
(Alberto Janes)


COLABORAÇÃO: Laércio


sexta-feira, 10 de março de 2017

Marcus Pitter - Coletânea Especial (2017)

 Seleção musical com 26 faixas inclui sucessos e versões de hit internacionais
Se você é fã, ou já curtiu o Marcus Pitter, certamente vai gostar desta coletânea especial elaborada pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço por enviá-la para postagem. O repertório, com 26 faixas, inclui sucessos como “Copacabana, meu amor” e “Maria Isabel”, mas os destaques ficam por conta das versões para o português de hits internacionais. Nessa lista estão canções como “Meu caminho” (There’s No More Corn On The Brasos), “Baby onde está você” (Proud Mary), “Minha prova de amor” (My Pledge Of Love), “Eu agora estou chorando” (Everybody’s Talkin’) e até “Você se esqueceu”, mais uma versão de “Knock Three Times”, também gravada pela Ana Paula como “As batidas do meu coração”, postada ontem no blog, entre outras. Uma das curiosidades é a releitura de “Estou começando a chorar”, composta pelo Roberto Carlos e grande sucesso na interpretação do Wilson Miranda. Confira:

01 - Eu ainda estou chorando
02 - Sim baby (Dream Baby)
03 - Eu agora estou chorando (Everybody’s Talkin’)
04 - O bilhete (Me And A Dog Named Boo)
05 - Sonho azul (Look Around)
06 - Se você está sozinha (Silver Moon)
07 - Você se esqueceu (Knock Three Times)
08 - Meu caminho (There’s No More Corn On The Brasos)
09 - Nada
10 - Deixe estar como está  (Put Your Hand In The Hand)
11 - Coração vagabundo
12 - Minha prova de amor (My Pledge Of Love)
13 - Quatro paredes
14 - Baby onde está você (Proud Mary)
15 - Farinha + Maringá
16 - Toneladas de beijos
17 - O que os olhos não vêem o coração não sente
18 - Você tem um amigo  (You’ve Got A Friend)
19 - Não sou eu não
20 - A cigana
21 - Estou começando a chorar
22 - O xote das meninas
23 - Copacabana, meu amor
24 - Nada vai mudar o nosso amor  (Tanto Cara)
25 - Maria Isabel (Maria Isabel)
26 - Cabecinha no ombro

COLABORAÇÃO/SELEÇÃO DO REPERTÓRIO: Aderaldo



quinta-feira, 9 de março de 2017

Vários artistas - Sempre Sucesso - Vol. 2 (LP 1974)

 Disco inclui sucessos da Elizabeth, Maysa, Demétrius, Dick Farney e outros
Aviso aos navegantes: a coletânea “Canções & Versões”, postada na última terça-feira, dia 7, está com uma faixa incompleta, a de número 13, “Alô meu bem, eu voltei”, interpretada pela Adriana, com apenas 21 segundos de duração. A falha aconteceu na hora de salvá-la após a edição, e peço desculpas pelo transtorno. Já fiz a correção, e ofereço novo link no post para quem ainda não fez o download. Se você já baixou, não precisa repetir o procedimento. Basta baixar a música aqui, deletar a incompleta da pasta, e substituí-la pela nova.

Em prosseguimento a postagem de ontem, o primeiro volume da seleção “Sempre sucesso”, apresento agora o segundo, lançado em 1974 pela Premier/RGE. Não sei se a coletânea teve outros discos. Este álbum é mais uma preciosa colaboração do amigo Miguel, a quem agradeço por disponibilizá-lo, contendo 12 sucessos do passado, a maioria dos anos 1960. O repertório inclui canções como “Pra começo de assunto” (interpretada pela Elizabeth), “Perto dos olhos, longe do coração” (Dori Edson), “Balada triste” (Agostinho dos Santos), “Se todos fossem iguais a você” (Maysa), “Alguém como tu” (Dick Farney), “O divórcio” (Oslain Galvão) e outras. Confira:

01 - Elizabeth - Pra Começo de Assunto
(Elizabeth)
02 - Dori Edson - Perto dos Olhos, Longe do Coração
(Dori Edson - Marcos Roberto)
03 - Oslain Galvão - O Divórcio (El divorcio)
(Pepe Avila - vs: Benil Santos)
04 - Maysa - Se Todos Fosse Iguais a Você
(Tom Jobim - Vinicius de Moraes)
05 - Demetrius - Meu Velho (Mi viejo)
(Piero - José - vs: Nazareno de Brito)
06 - Ed Carlos - Estou Feliz (Puppet on a string)
(B. Martin - P. Coulter - vs: Lilian Knapp)
07 - Roberto Luna - Castigo
(Lupiscinio Rodrigues - Alcides Gonçalves)
08 - Claudia Barroso - Deus, Como Te Amo (Dio come ti amo)
(Modugno - vs: Demetrio Carta)
09 - Dick Farney - Alguém Como Tu
(José Maria de Abreu - Jair Amorim)
10 - Agostinho dos Santos - Balada Triste
(Dalton Vogeler - Esdras Silva)
11 - Ana Paula - As Batidas do Meu Coração (Knock three times)
(Levine - Brown - vs: Bob McKay)
12 - Ventura Ramirez - Nosso Juramento (Nuestro juramento)
(Benito de Jesus - vs: Benil Santos)


COLABORAÇÃO: Miguel