Pesquisar este blog

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Suzy Darlen - Coletânea Especial (2017)

 Cantora surgida no período da Jovem Guarda gravou discos entre 1966 e 1974
Aqui está a oportunidade de conhecer a discografia da cantora Suzy Darlen, graças ao amigo Aderaldo, a quem agradeço pela colaboração. A coletânea reúne 19 músicas, lançadas em seis compactos simples e dois duplos, gravados na Odeon (1966/1969), Ebrau (1970), Continental (1970/1972) e Copacabana (1974). Suzy Darlen, que também assinou como Suzi Darlen, foi o nome artístico de Hilda de Queiroz Nery. Surgiu no período da Jovem Guarda, e foi descoberta por Tony Campello, que produziu seus primeiros discos na Odeon. Atração do programa “O bom”, apresentado por Eduardo Araújo na extinta TV Excelsior, em São Paulo, a artista gravou seu primeiro disco em 1966, um compacto simples com "Mamãe, ele está de olho em mim" e "1-2-3". E vieram outros: "Oh Johnny", em 1967, e "Decisão", em 1968. Em 1970 transferiu-se para a gravadora Continental, onde lançou mais dois compactos, incluindo a música "Sou Rebelde", sucesso da Lilian em 1978. Após seu casamento com o cantor Vladimir (Vladimir Távora), irmão da Kátia Cilene e Luiz Carlos Clay, abandonou a carreira para dedicar-se a família. Confira:

01 - 1966 - Mamãe, ele está de olho em mim  
(Ma He's Making Eyes At Me)
(Con Conrad – Sidney Clare – Versão: Alf Soares)
02 - 1966 - 1 – 2 – 3 (1 – 2 – 3)
(J. Madara – D. White – L. Borisoff – Versão: Alf Soares)
03 - 1967 - Oh, Johnny
 (Afonso Soares) 
04 - 1967 - Estarei ao seu lado (Reach Out I'll Be There)
(Brian Holland - Eddie Holland - Lamont Dozier – Versão: Alf Soares) 
05 - 1967 - Estou feliz (Puppet On A String)
(Bill Martin - Phil Coucter – Versão: Lilian Knapp) 
06 - 1967 - Mil razões para te amar
 (Afonso Soares)
07 - 1968 - Decisão
 (Geraldo Nunes) 
08 - 1968 - Até você voltar
 (Alf Soares) 
09 - 1968 - Beije-me e adeus (Kiss Me Good Bye)
(Les Reed - Barry Mason – Versão: Paulo Rogério) 
10 - 1968 - Vivo sonhando
 (Luiz Fabiano)
11 - 1969 - Eu sei que ele gosta só de mim 
(Some Sunday In The Middle Of The Week)
(Gloria Shayne – Versão: Sérgio Reis)
12 - 1969 - Saudade de você
(Pedrinho - Hyldon Souza)  
13 - 1970 - Nosso refúgio
(Totó)
14 - 1970 - Sem amor
(M. Roberto – Cesar Roberto)
15 - 1970 - O diabo perdeu o rabo 
(R. Amaral - D. Militello - Inês De Castro)
16 - 1972 - Sou rebelde (Soy Rebelde)
(M. Alejandro – Versão: Nazareno De Brito)
17 - 1972 - Deixe que eu vá  
(There's No More Corn On The Brasos)
  ( Innemee – Hoes – Versão: Nazareno De Brito)
18 - 1974 - Amiga
(Santiago - Wanderley Cardoso)
19 - 1974 - As feias podem amar
(Wanderley Cardoso – Santiago)

COLABORAÇÃO: Aderaldo


segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Maysa - Uma vez mais (EP 1961/1962)

 Compacto duplo de 45 RPM foi lançado pela London Globe em Portugal
Eis um raro compacto duplo da Maysa, de 45 RPM, lançado em Portugal pela London Globe em ano não citado, mas provavelmente é de 1961 ou 1962, considerando as canções incluídas no disco. O EP é mais uma colaboração do amigo Laércio, a quem agradeço pela colaboração, e também por lembrar que no último dia 22 de janeiro completou 40 anos do seu falecimento, ocorrido em consequência de um acidente automobilístico na ponte Rio-Niterói, no Rio de Janeiro. Maysa Figueira Monjardim, mais conhecida como Maysa Matarazzo ou simplesmente Maysa, nasceu no Rio em 6 de junho de 1936, e fez muito sucesso, principalmente nos anos 1950, quando gravou clássicos como “Ouça” e “Meu mundo caiu”, ambos de sua autoria, entre outras gravações. A primeira metade dos anos 1960 foi de grande prestígio, e empreendeu inúmeras excursões pelo mundo, se apresentando em vários países, além de aderir ao movimento da Bossa Nova, com o qual foi uma das responsáveis pelo seu lançamento no exterior. Confira:

01 - Sonata sem luar
(F. Chateaubriand - V. de Carvalho)
02 - Chorou, chorou
(L. Antonio)
03 - Estou pensando em ti
(R. Sampaio - B. Santos)
04 - Murmúrio
(L. Antonio - D. Ferreira)

COLABORAÇÃO: Laércio



sábado, 28 de janeiro de 2017

Luiz Carlos Magno - Maria, Maria, Maria (LP 1974)

 Luiz Carlos Magno, natural de Recife, fez sucesso na gravadora CBS/Sony
Somente hoje, graças a informação do amigo Aderaldo, soube que o cantor e compositor Luiz Carlos Magno infelizmente faleceu na manhã da última quarta-feira, dia 25, aos 77 anos, no Rio de Janeiro. O artista estava internado desde o início do mês de dezembro no Hospital Dr. Moacir Rodrigues do Carmo, no Rio de Janeiro, e não resistiu ao sexto AVC. O sepultamento aconteceu na quinta, 26, às 14h45, no Cemitério do Caju, no Rio. Em homenagem póstuma, vou apresentar este álbum, lançado em 1974 pela Epic/CBS, com direção artística do Rossini Pinto, que traz os sucessos “Maria, Maria, Maria” e “Ajuda-me Senhor”. O disco inclui “Você precisa compreender”, única composição do artista no LP, em parceria com Othon Russo.

Luiz Carlos Magno nasceu em Recife em 5 de dezembro de 1939. Foi lá onde iniciou a carreira e atuou até como ator de novela da TV local pernambucana. Aos 19 anos começou a cantar por brincadeira, quando trabalhava como recepcionista da Varig, e recebeu influência do Elvis Presley, além de outros nomes populares da música nacional, como Cauby Peixoto e Agnaldo Rayol. Foi numa apresentação na escola Santa Joana D'arc, onde estudava, que conheceu o maestro Ruy, da Banda Blue Gardenia, e foi convidado a integrar o conjunto, famoso na região e muito requisitado em festas por todo o Estado. Com a exposição no grupo, Luiz Carlos passou a se apresentar na TV Jornal do Comércio do Recife, onde foi contratado.

Gravou seu primeiro disco em 1966, um compacto simples pela Mocambo, selo da pernambucana Rozenblit (na foto acima), e já postado aqui. Em 1968, na gravadora Copacabana, lançou o segundo single, com as músicas “Depois que você se foi” e "Jogando com o amor", sem muita repercussão. O sucesso nacional viria a partir de 1970, quando assinou contrato com a CBS (hoje Sony), e adicionou o sobrenome Magno. Gravou de imediato o primeiro LP, o álbum “Amor de estudante”, ainda com forte influência da Jovem Guarda. Pela mesma gravadora, lançou em 1972 a música “Ave Maria pro nosso amor”, principal hit da carreira, e obteve sucesso com outras gravações, como “Terminei com ela”, “Ângela, la, la”, “Meu castigo”, “Rock nas quebradas”, “Deixe ele falar sozinho”, “Jurei mil vezes” e outras. Ao longo da carreira, com mais de 30 discos gravados, teve parcerias com cantores no estilo brega, como o conterrâneo Reginaldo Rossi, e passou a viver definitivamente no Rio de Janeiro. Luiz Carlos Magno ainda estava na ativa, mas nos últimos anos esteve debilitado devido a cinco AVCs, sendo que o último foi fatal, deixando quatro filhos e uma legião de fãs. Confira:

01 - Você não me entende
(Rossini Pinto)
02 - Sonho de menina
(Aloysio Vinagre - Rômulo de Alencar)
03 - Você não sabe o que está perdendo
(José Augusto - Miguel - Iracema Pinto)
04 - Não consigo odiar
(Josir Carlos)
05 - Maria, Maria, Maria
(A.Figueroa - J. Valero - Rossini Pinto)
06 - Porque te perdi
(Reinaldo Romã - Gilliat Pinto)
07 - Ajuda-me Senhor (com declamação de Fernando Barros)
(Fernando Barros - João de Deus)
08 - Não devia lhe dizer
(Rossini Pinto)
09 - Peço pra você voltar
(Jerry Wilson)
10 - Classe é classe
(Carlos Pedro - Jean Pierre)
11 - Você precisa compreender
(Luiz Carlos Magno - Othon Russo)
12 - Queria ter você comigo
(Roberto Paulette - Nilton Lopes)



sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Déa Franco - Bola Branca (EP 1964)

Cantora brasileira, contratada da Chantecler, também gravou em Portugal 
Déa Franco... Alguém a conhece? Sabe algo a respeito de sua carreira/biografia? Confesso que não a conhecia até receber este compacto duplo da cantora, enviado pelo amigo Geraldo, a quem agradeço pela colaboração. O disco produzido pela Chantecler não informa o ano do lançamento, mas pela numeração é possível constatar que é de 1964. A cantora, com bonita voz, tem outros discos gravados, lançados até em Portugal, onde provavelmente fez muito sucesso. Segundo o site português “O Covil do Vinil”, Déa Franco "foi contratada para atuar em Portugal no extinto Parque Mayer, nas famosas Revistas à Portuguesa, tal como aconteceu com outros artistas brasileiros, como foram Badaró e Ari Lopes. Pelo que sabemos, existem outras gravações com esta cantora, inclusive com o acompanhamento do Conjunto de Helder Martins e do Thilo’s Combo. Ambos os EP's editados pela Parlophone são discos bastante raros". Confira este:

01 - Desilusão (Samba canção)
(Concessa Lacerda - Fernando César)
02 - Bola Branca (Samba Médio)
(Luiz Bonfá - Maria Helena Toledo)
03 - Cena do Adeus (Toada)
(Moacyr Bastos)
04 - Saudade, Vai-te Embora (Fado canção)
(Júlio de Souza)


COLABORAÇÃO: Geraldo



quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Trilha nacional da novela Os Ossos do Barão (1973)

  Novela escrita por Jorge Andrade e dirigida por Régis Cardoso teve 150 capítulos
A trilha nacional da telenovela “Os ossos do barão” atende ao pedido da internauta Pamela. O repertório, com 12 canções, é assinado pelos compositores Marcos Valle e Paulo Sérgio Valle, com exceção de “E tem mais”, feita pela dupla em parceria com Eustáquio Sena e Waltel Branco, e “Tu, ca nun chiagne!” (E. de Curtis - Bovio). A novela, que teve remake produzido pelo SBT em 1997, foi originalmente exibida pela Rede Globo no horário das 22h, de 8 de outubro de 1973 a 31 de março de 1974. Escrita por Jorge Andrade e dirigida por Régis Cardoso, contou com 150 capítulos, e foi a 18ª "novela das dez" exibida pela emissora, segundo a Wikipedia. O elenco foi formado por atores como Paulo Gracindo, Lima Duarte, Dina Sfat, José Wilker, Leonardo Villar, Carmem Silva, Renata Sorrah, Sandra Bréa, José Augusto Branco e outros. No repertório, canções interpretadas por Djavan, Betinho, Djalma Dias, Bibi Vogel (que participa da novela), Márcio Lott e outros. Confira:

01 - Djavan - Qual é
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
02 - Djalma Dias - Meu velho pai
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
03 - Betinho - Chega de enganar a nega
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
04 - Márcio Lott - Tenha juízo
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
05 - Eustáquio Sena - E tem mais
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle - Eustáquio Sena - Waltel Branco)
06 - Marcos Valle - Os ossos do barão
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
07 - Claudia Regina - Tango
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
08 - Bibi Vogel - Mundo em festa
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
09 - Coral Som Livre - Ebó, exu
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
10 - Trama - Cafezinho
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
11 - Claudia Regina - Canto de sereia
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
12 - Paulo Fortes - Tu, ca nun chiagne!
(E. de Curtis - Bovio)



quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Leno - Coletânea Especial (2017)

Coletânea com 26 músicas inclui sucessos e faixas desconhecidas do público
 
Seleção traz "La povertá", versão do sucesso "A pobreza", lançada na Itália
Aqui está mais uma coletânea especial pra ninguém botar defeito. Trata-se de mais uma compilação, desta vez do cantor e compositor Leno, com repertório selecionado pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço por enviar preciosa colaboração. A seleção é suficiente pra mostrar o talento do artista, conhecido por cantar em dupla com Lilian, e que também é digno de reconhecimento e maior espaço na mídia. Apesar do sucesso como cantor romântico, Leno deveria figurar na galeria dos grandes roqueiros nacionais, a exemplo do seu parceiro Raul Seixas, de quem gravou as primeiras composições. Basta ouvir faixas como “É tudo rock ‘n’ roll”, “Johnny McCartney”, “Não há lei em Grillo City”,  e “Rock, baby, rock”, entre outras, pra entender que não exagero em minhas colocações. O repertório também inclui releituras de “Luar do sertão”, “Corina, Corina”, “O ritmo da chuva”, “Rua Augusta” e “Parei na contramão”. O destaque é “La Povertá”, versão em italiano de “A pobreza”, seu maior sucesso, também gravada em espanhol, postada aqui. Confira:

01 – Aquela canção
02 – É tudo rock ‘n’ roll
03 – A festa dos seus 15 anos
04 – Corina Corina (Corina, Corina)
05 – Guarde seu amor (Luglio)
06 – Febre  (Eu Tenho Febre) (Fever)
07 – Lady baby
08 – Não há lei em Grillo City
09 – Chegou, sorriu, gostei (com Wanderléa)
 (You Came, You Saw, You Conquered)
10 – Johnny McCartney
11 – Eu não existo sem você
12 – Rua Augusta – Parei na contramão
13 – La Povertá (A pobreza)
14 – Não se esqueça desse bobo
15 – Luar do sertão
16 – Objeto voador
17 – Papel picado (com Golden Boys)
18 – Meu sentimental amigo
(My Sentimental Friend)
19 – Tudo que pedi a Deus
20 – Um drink ou dois
21 – Ritmo da chuva (Rhythm Of The Rain)
22 – Sha-la-la (com Raulzito Seixas)
23 – Rock, baby, rock
24 – Se sou feliz porque estou chorando?
25 – Nem sempre sou igual 
26 – Ruby tuesday


COLABORAÇÃO/SELEÇÃO DO REPERTÓRIO: Aderaldo



terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Chico Buarque - Fado Tropical (EP 1973)

Repertório é do musical "Calabar: o elogio da traição", proibido pela censura
 
Este “Fado Tropical”, EP de 45 RPM, lançado em Portugal entre 1973 e 1974, é mais uma valiosa colaboração o amigo Laércio, a quem renovo meu agradecimento. O disco, fabricado pela Telectra, é muito raro, e interessa apenas aos fãs e colecionadores da obra do Chico Buarque, já que as canções são do álbum “Chico Canta”, lançado no Brasil em 1973 pela Philips. Originalmente, chamava-se “Chico canta Calabar”, porém o nome foi vetado pela censura, assim como o musical “Calabar: o elogio da traição”, de Ruy Guerra e Chico Buarque. A peça, com o repertório do disco, teve apenas cinco apresentações em 1973, e foi proibida pela ditadura militar. A principal razão seria a de que o musical evocaria traição. Sete anos após a censura, o texto de “Calabar” foi finalmente liberado e anistiado. A peça estreou pela primeira vez em 1980 e muitas montagens se seguiram a partir daí. Confira:

01 - Fado Tropical
(Chico Buarque - Ruy Guerra)
02 - Cobra de Vidro
(Chico Buarque - Ruy Guerra)
03 - Não Existe Pecado ao Sul Do Equador
(Chico Buarque - Ruy Guerra)
Boi Voador Não Pode
(Chico Buarque - Ruy Guerra)
04 - Vence Na Vida Quem Diz Sim
(Chico Buarque - Ruy Guerra)


COLABORAÇÃO: Laércio


segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Agostinho dos Santos - Música nossa (LP 1968)

 Agostinho dos Santos interpreta canções de festivais de música brasileira
Se você aprecia música de boa qualidade não pode deixar de ouvir este álbum do Agostinho dos Santos, lançado em 1968 pela Codil – Comercial de Discos. O LP se destaca por reunir músicas de festivais de MPB da época. Algumas canções, como “Travessia”, “Eu e a brisa” e “Carolina” , se transformaram em clássicos da nossa música, enquanto outras, igualmente boas, caíram no esquecimento, como “Caminhada”,  “Combatente” e “Maria, minha fé”, por exemplo. Além dessas pérolas, o disco também tem a participação especial da Beth Carvalho, em início de carreira, nas faixas “Ponteio” e “Sim pelo não”. O repertório, como pode ver, é de primeira qualidade, e traz a vantagem de ser interpretado pelo saudoso Agostinho dos Santos, um dos maiores cantores do Brasil, injustamente esquecido pela mídia. Confira:

01 - Festival da Canção 
(Erlon Chaves - Ronaldo Bôscoli) 
02 - Travessia 
(Milton Nascimento - Fernando Brant) 
03 - Ponteio (com Beth Carvalho)
(Edu Lobo - Capinan) 
04 - Oferenda 
(Luis Eça - Lenita Eça) 
05 - O Cantador 
(Dori Caymmi - Nelson Motta) 
06 - Combatente 
(Walter Santos - Tereza Souza) 
07 - Eu e a Brisa 
(Johnny Alf) 
08 - Maria, Minha Fé
(Milton Nascimento) 
09 - Carolina 
(Chico Buarque) 
10 - Bom Dia 
(Gilberto Gil - Nana Caymmi) 
11 - Caminhada 
(Antônio Adolfo - Tibério Gaspar) 
12 - Sim Pelo Não (com Beth Carvalho)
(Alcyvando Luz - Carlos Coquejo) 
13 - Margarida 
(Guttemberg Guarabyra) 



domingo, 22 de janeiro de 2017

Sonny Delane - Coletânea Especial (EP 2017)

Sonny Delanne atuou no período da Jovem Guarda e gravou na Mocambo
O nosso amigo Aderaldo conseguiu reunir, e me enviou gravações obscuras da Sonny Delane, cantora que atuou no período da Jovem Guarda e era contratada da gravadora Mocambo, marca da gravadora pernambucana Rozenblit. Agradeço a ele pela colaboração. Além da faixa “Nossas botas foram feitas para andar”, versão da música “These boots are made for walkin'”, sucesso da Nancy Sinatra, já postada aqui, a coletânea ainda oferece a canção do primeiro compacto simples da cantora, “Sem beijo não dá pé”, versão feita em 1966 pelo então Reginaldo Rodrigues, que na sequência adotou o nome artístico de Reginaldo Rossi. A seleção reúne seis faixas, suficientes para um EP, incluindo duas carnavalescas baixadas na rede, gravadas em 1966 e 1967. Infelizmente, não tenho referências sobre Sonny Cavalcanti da Silva, seu nome de batismo, e não sei se tem outras músicas gravadas. Confira:

01 - 1966 - Sem beijo não dá pé (Vola Vola Da Me)*
(Testa – Buffoli – Versão: Reginaldo Rodrigues)
02 - 1966 - Não sei (Satan’s Doll)*
(Johnny Smith – Versão: Fernando Borges – José Cunha)
03 - 1966 - Nossas botas foram feitas para andar*
(These Boots Are Made For Walkin')
(Lee Hazlewood – Eileen – Versão: Aluizio Morais)
04 - 1966 - Vem meu amor (Felicia)*
(John Pisani – Versão: Ivanildo Silva – Fernando Borges)
05 - 1966 – Adivinha quem é**
(Alcides Leão)
06 - 1967 - Papai não quer***
(Maurício Lima - Ivanildo Silva)


*   Com acompanhamento do grupo The Silver Jets
**  Do LP "Frevos canções - Frevos de bloco - Vol. 2"
*** Do LP "Carnaval de Pernambuco - Frevos canções - Frevos de bloco"


COLABORAÇÃO: Aderaldo


sábado, 21 de janeiro de 2017

Trilha sonora nacional da novela O pulo do gato (1978)

Telenovela escrita por Bráulio Pedroso foi exibida pela Globo em 140 capítulos
 Em atenção ao pedido do internauta Raimundo, o nosso amigo Laércio me enviou – e agradeço pela colaboração – a trilha sonora nacional da novela “O Pulo do Gato”, produzida pela Rede Globo e exibida de 16 de janeiro a 28 de julho de 1978, em 140 capítulos, segundo a Wikipedia. Foi escrita por Bráulio Pedroso, dirigida por Jardel Mello e supervisionada por Walter Avancini. Contou com Jorge Dória, Sandra Bréa, Milton Gonçalves, Kadu Moliterno, Mário Gomes e João Carlos Barroso nos papéis principais. A trilha, lançada pela Som Livre, é de primeira, e traz canções interpretadas por Guilherme Lamounier, Rita Lee, Zezé Motta, Tim Maia, Simone, Os Fevers, Martinho da Vila e outros. Confira:

01 - Guilherme Lamounier - Requebra Que Eu Curto
(Guilherme Lamounier)
02 - Zezé Motta - Babá Alapalá
(Gilberto Gil)
03 - Simone - Face a Face
(Sueli Costa - Cacaso)
04 - Quinteto Ternura - Linda Manhã
(Lincoln Olivetti - Ronaldo)
05 - Tim Maia - Feito Para Dançar
(Paulo Ricardo)
06 - Rita Lee - Eu e Meu Gato
(Rita Lee)
07 - Don Beto - Amor Informal
(Beto - Reina)
08 - Fafá de Belém - Sedução
(Milton Nascimento - Fernando Brant)
09 - Martinho da Vila - Cordas e Correntes
(Martinho da Vila)
10 - The Fevers - Tem Uma Mulher na Vida Dele
(Zé Rodrix - Miguel Marcelo)
11 - Moraes Moreira - Yougue de Ouvido
(Morais - Armandinho)
12 - César Costa Filho - Seu Preço
(Cesar Costa Filho)
13 - Denise Emmer - Pedra de Ouro
(Denise Emmer)

COLABORAÇÃO: Laércio





sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Luizinho e seus Dinamites - Choque que queima (1963)

 Álbum originalmente lançado em 1963 foi reeditado pela Bruno Discos
Este álbum do Luizinho e seus Dinamites, originalmente lançado em 1963, não é novidade na rede, e está disponível em vários blogs. Todas as postagens – incluindo esta – têm um ponto em comum: são da mesma fonte, um vinil relançado pela Bruno Discos em ano não identificado, e que eu não tenho em coleção. Decidi postá-lo como maneira de despertar a atenção para um pedido meu: gostaria de ter o conteúdo de outra fonte, o CD remasterizado da série “The Classic Collection”, inédito na rede. Agradeço desde já se alguém tiver o CD, puder ripá-lo em 320 kbps, e me enviar com a arte gráfica completa. Gosto muito do disco – fartamente comentado na rede - e quero tê-lo em acervo com a melhor qualidade possível. Enquanto isso, curto com o que tenho em mãos. Confira:

01 - Dinamite
(Samwell - Euclides)
2. Choque que Queima
(Samwell - Euclides)
3. Driving guitars (Ventures twist)
(Wilson - Sogle - Edwards)
4. Eu Vou à Lua
(Samwell - Euclides)
5. As Estações
(Schrieder - Gold - Luizinho)
6. Apache
(Jerry Lordan)
7. A Raposa e o Corvo (The snake and the bookworm)
(Dosc Pomus - Mort Shuman - Luizinho)
8. Carango Twist (Down the line)
(R.Orbison - M.Marc - Lajean - Euclides)
9. Bongo Blues 
(Paramor)
10. Uma Voz na Solidão (A voice in the wilderness)
(Paramor - Lewis - Euclides)
11. Lâmpada do Amor (Lamp of love)
(Tepper - Bennett - Luizinho)
12. Guitar Twist
(Glasser - Allsup)



quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Golden Boys - História em quadrinhos (LP 1969)

LP de 1969 é da fase de transição do grupo entre a Jovem Guarda e a MPB
Este álbum do grupo Golden Boys, lançado em 1969 pela EMI-Odeon, atende ao pedido do internauta Heros, e foi enviado pelo nosso amigo Aderaldo, a quem agradeço pela colaboração. O LP –  como faz questão de informar -  foi baixado no saudoso Orkut, sem a arte gráfica do disco, sendo que as imagens agora disponibilizadas são de anúncio no Mercado Livre. Trata-se do sexto álbum do quarteto vocal, e foi gravado no período em que o grupo transitava entre a Jovem Guarda e a MPB, marcado por acompanhar Beth Carvalho em “Andança”, no III FIC. Os resquícios das jovens tardes de domingo estão presentes no LP por meio das versões de “I Will” (Eu esperarei), dos Beatles, e “Baciami Josephine” (Beija-me Josefine), mas a porção MPB é maior, visível em canções de autores como Baden Powell, Vinicius de Moraes, Marcos Valle, Guarabyra, Chico Anysio, Tibério Gaspar e outros. Confira:

01 - Berimbau
(Baden Powell - Vinicius de Moraes)
02 – Eu esperarei (I Will)
(Lennon – McCartney – Versão: Geraldo Figueiredo)
03 – Mentira carioca
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
04 – Até que um dia encontrei você 
(Ronaldo Corrêa)
05 – Só se ama uma vez
(Geraldo Figueiredo)
06 – Agora quem não quer sou eu – Part. Especial: Som 3
(Sérgio Reis - Liebert)
07 – É preciso amar muito mais
(Renato Corrêa – Guttemberg Guarabyra)
08 – Não posso mais esconder 
(Renato Corrêa)
09 – O janota – Part. Especial: Quinteto Villa Lobos
(Hugo Belardi - Arnoldo Medeiros)
10 – Às seis da manhã 
(Ian Guest - Tibério Gaspar)
11 – História em quadrinhos – Part. Especial: Som 3
(Chico Anísio - Arnaud Rodrigues)
12 – Beija-me Josefine (Baciami Josephine)
(Laura Zanin - Arturo Casadel – Versão: Roberto Corrêa)


COLABORAÇÃO: Aderaldo



quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Olivia Newton-John & John Travolta - The remix EP

 EP foi lançado durante as comemorações de vinte anos do filme Grease
Em 1998, quando o filme “Grease”  –  lançado no Brasil como “Nos Tempos da Brilhantina” – completou 20 anos, a data foi comemorada com o lançamento deste EP, gentilmente enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço pela colaboração. Não por acaso, o longa orçado em US$ 6 milhões teve arrecadação mundial de US$ 394 milhões, sendo até hoje o filme musical de maior arrecadação de bilheteria nos Estados Unidos, segundo a Wikipedia. Teve uma continuação em 1982, "Grease 2", com Michelle Pfeiffer no papel principal, mas não obteve o mesmo sucesso. O filme de 1978 foi dirigido por Randal Kleiser e teve participações de John Travolta e Olivia Newton-John nos papeis principais. A trilha sonora também foi sucesso absoluto. Este EP comemorativo, com cinco faixas, traz duas originais da trilha e três  remixes. Confira:

01 - You're The One That I Want (Martian Mix)
(John Farrar)
02 - Summer Nights (Martian Mix)
(J. Jacobs - W. Casey)
03 - Grease Megamix (1991 PWL Version)
(B. Gibb)
04 - You're The One That I Want (Original Version)
(John Farrar)
05 - Summer Nights (Original Version)
(J. Jacobs - W. Casey)


COLABORAÇÃO: Laércio




terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Trilha nacional da novela Minha doce namorada (1971)

 Cláudio Marzo e Regina Duarte foram destaque da novela da Rede Globo
Mais uma trilha sonora nacional de novela pra ninguém reclamar. O repertório de “Minha Doce Namorada “, produzida e exibida pela Rede Globo no horário das 19h, entre 19 de abril de 1971 e 21 de janeiro de 1972, com 242 capítulos, trouxe intérpretes como Maria Creusa, Nonato Buzar, Betinho, Jacks Wu e Luiz Carlos Sá.  O que chama a atenção, além desses cantores, é a presença de quatro atores na trilha: Marília Pêra, Marília Barbosa, Eduardo Conde e Ilka Soares. A telenovela foi escrita por Vicente Sesso e dirigida por Régis Cardoso e Fernando Torres. Produzida em preto-e-branco, substituindo "A Próxima Atração" e sendo substituída por "O Primeiro Amor", foi a 9ª "novela das sete" exibida pela emissora, segundo dados da Wikipedia. Teve Regina Duarte, Cláudio Marzo, Célia Biar, Sadi Cabral, Maria Cláudia, Mário Lago e Vanda Lacerda nos papéis principais. Confira a trilha:

01 - O Som Livre - O que houve 
(Guttemberg Guarabyra - Zé Rodrix) 
02 - Nonato Buzar - Dez pras seis 
(Nonato Buzar - Paulo Sérgio Valle)
03 - Maria Creusa - Você abusou 
(Antonio Carlos - Jocafi)
04 - Jacks Wu - Vésper 
(Aldir Blanc - César Costa Filho)
05 - Ilka Soares - Relax 
(Lyrio Panicali)
06 - Ângela Valle e Paulo Sérgio Valle - Tudo muito azul 
(Roberto Menescal - Torquato Neto)
07 - Eduardo Conde - Minha doce namorada 
(Dori Caymmi - Nelson Motta) 
08 - Luiz Carlos Sá - Instantâneo 
(Luiz Carlos Sá)
09 - Orquestrada - Minha doce namorada 
(Dori Caymmi - Nelson Motta)
10 - Marília Pêra - Sex Appeal 
(Fred Falcão - Arnoldo Medeiros)
11 - Jorge Nery - Casa Branca 
(Nonato Buzar - Nelson Motta)
12 - Betinho - Garota de Aquarius 
(Marcos Valle - Paulo Sergio Valle) 
13 - Violão - Vésper 
(César Costa Filho - Aldir Blanc - Violão)
14 - Marília Barbosa - Tia Miquita 
(Arthur Verocai - Paulinho Tapajós)



segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Renato e seus Blue Caps - Coletânea especial (2017)

 Seleção inclui hits e faixas menos executadas dos anos 1960, 1970 e 1980
Você, fã do Renato e seus Blue Caps, vai gostar dessa coletânea especial montada pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço por enviá-la. A seleção, com 27 faixas, reúne sucessos como “Menina feia”, “Canto pra fingir”, “Se tu soubesses”, “Lar doce lar”, “Será mentira ou será verdade” e outras que passeiam pelos anos 1960, 1970 e 1980. Os destaques ficam por conta das faixas menos executadas, e nem por isso ruins, como a lambada “Com você no coração”, a nostálgica “Memórias” e a romântica “Eu não aceito o seu adeus”. A seleção ainda traz a versão em português de “Mr. Tambourine man” - música composta pelo recente ganhador do prêmio Nobel, Bob Dylan,  e um dos grandes sucessos do grupo norte-americano The Byrds – com a participação especial do Zé Ramalho, que também a gravou como “Mr. do Pandeiro”, recentemente postada no blog. Confira:

01 - Memórias
02 - Sou louco por você
03 - Escreva
04 - Palavra de rapaz
05 - Não demore mais (It’s Good To See You)
06 - Menina feia
07 - Canto pra fingir
 (My Whole World In Falling Down)
08 - Garota malvada (I Call Your Name)
09 - Guarde o seu amor pra mim 
(Save The Last Dance For Me)
10 - Okay (Okay)
11 - Como há dez anos atras
12 - Com você no coração
13 - Escreva logo (Please Mr. Postman)
14 - Saudades de Maria Helena
15 - Se você soubesse
16 - Que saudade de você
17 - Se tu soubesses
18 - Lar doce lar
19 - Eu não aceito o seu adeus
20 - Meu amigo do peito
21 - Quando a cidade dorme
22 - O brinquedo se quebrou
23 - Será mentira ou será verdade 
(Será Mentira O Será Verdad?)
24 - Mr. Tambourine man 
(Mr. Tambourine Man) – Part. Especial: Zé Ramalho
25 - Tem que ser você (With A Girl Like You)
26 - Izabela
27 - Obrigado pela atenção


COLABORAÇÃO/SELEÇÃO DO REPERTÓRIO: Aderaldo






domingo, 15 de janeiro de 2017

Dolores Duran & Moacyr Silva e seu conjunto (1960)

Compacto duplo lançado em Portugal pela Copacabana traz clássicos da MPB
Aqui está um compacto duplo, de 45 RPM, lançado em Portugal pela Copacabana, pra ninguém botar defeito. O disco, enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço, é compartilhado com dois ícones da MPB: Dolores Duran e Moacyr Silva. No lado A, a cantora e compositora carioca Adiléa da Silva Rosa, conhecida como Dolores Duran (1930 - 1959), interpreta dois grandes sucessos da carreira - “A noite do meu bem” e “A banca do distinto”. No B, o saxofonista e produtor musical (1930 - 2002) executa um pot-pourri com três clássicos da MPB: “A felicidade”, “Samba de Orfeu” e “O nosso amor”. O músico também gravou com o pseudônimo Bob Fleming, ideia do produtor Nilo Sérgio. O EP, produzido pela Copacabana, não informa o ano do lançamento, mas tudo indica que é de 1960. Confira:

01 - Dolores Duran - A noite do meu bem
     (Dolores Duran)
02 - Dolores Duran - A banca do distinto
     (Billy Blanco)
03 - Moacyr Silva - Medley:
     A felicidade
     (Tom Jobim - Vinicius de Moraes)
     Samba de Orfeu
     (Luiz Bonfá)
     O nosso amor
     (Antonio Maria)

COLABORAÇÃO: Laércio




sábado, 14 de janeiro de 2017

Trilha da novela Assim na terra como no céu (LP 1970)

 LP lançado pela Philips inclui uma das primeiras gravações do Tim Maia
A trilha sonora da novela “Assim na Terra Como no Céu”, lançada pela Philips, foi ripada de CD genérico adquirido no Mercado Livre. Me interessei pelo disco devido a música que dá título a trama, interpretada pelo Tim Maia, pois não a conhecia. Foi em 1970, ano em que foi exibida pela Rede Globo, entre 20 de julho e 23 de março de 1971, que o cantor fez sucesso com a música “Primavera”. Era de se prever que a canção, tema da novela, fosse incluída em seu álbum de estreia, lançado pela Polydor/Philips, mas não foi isso o que aconteceu. Talvez foi lançada apenas nesta trilha, inédita em CD. No repertório, canções interpretadas por Claudette Soares, Maria Creusa, Umas & Outras, Denise Emmer (na época com o prenome Denize) e outras. A trama, com 212 capítulos, foi escrita por  Dias Gomes e dirigida por Walter Campos. No elenco, atores como Francisco Cuoco, Dina Sfat, Renata Sorrah, Nívea Maria, Mário Lago, Jardel Filho, Paulo José, Ary Fontoura, Arlete Salles e outros. Confira:

01 - José Roberto - Mon Ami (Abertura)
(José Roberto)
02 - Tim Maia - Assim Na Terra Como No Céu
(R.Menescal - N.Buzar - P. Tapajós)
03 - Claudette Soares - Quem Viu Helo
(Antonio Adolfo - Tibério Gaspar)
04 - Umas & Outras - Tema De Suzi
(R. Menescal - P. Tapajós)
05 - Maria Creusa - Tomara (Tema de Joana)
(Vinicius de Moraes)
06 - Claudette Soares & Ivan Lins - Amiga (Tema de Vitor e Helô)
(R. Menescal - P. Tapajós)
07 - A Tribo - Sei Lá (Tema de Maria Lúcia)
(Nelson Angelo)
08 - Umas & Outras - Quarentão Simpático (Tema de Renatão)
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
09 - Orquestra CBD - Tema De Zorra
(Waltel Blanco)
10 - Denize Emmer - Tema Verde (Tema de Nívea)
(Guilherme - Denize Dias Gomes)
11 - Milton Santana - Que Sonhos São Os Meus (Tema de Jurema)
(Eustáquio Sena)
12 - Umas & Outras - Trem Noturno (Tema de Samuca)
(Paulo Machado - Márcio Borges)
13 - Roberto Menescal - Assim Na Terra Como No Céu (Tema do padre Vitor)
(R.Menescal - N.Buzar - P. Tapajós)



sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Teddy Milton - Coletânea Especial (2017)

 Teddy Milton, cantor da Jovem Guarda, gravou apenas cinco compactos
Alguém se lembra do Teddy Milton? O cantor obteve relativa repercussão em 1965 com a música “A casa do sol nascente”, uma versão de “The House Of The Rising Sun”, da banda britânica The Animals, hit que se destacou pelo arranjo dramático do Alan Price, autor da música e organista do grupo, e os vocais uivados de Eric Burdon, numa combinação perfeita. Com sua bonita e potente voz, o brasileiro apresentou uma releitura limpa da canção, boa de ouvir, e foi o primeiro a gravá-la, disputando espaço com a original na programação das rádios. A canção estava fazendo sucesso, mas a Odeon preferiu investir e trabalhar pesado na divulgação da regravação feita por outro iniciante, Agnaldo Timóteo, contratado da mesma gravadora, e ofuscou Teddy Milton, nome artístico dado pelo Tony Campello.

Milton da Cunha, seu nome de batismo, nasceu em 4 de fevereiro de 1945 na cidade de Jundiaí, em São Paulo, onde faleceu em 25 de janeiro de 2005, prestes a completar 60 anos, por complicações decorrentes de um AVC. Deixou dois filhos - Katia Regina e Christian Cesar - que, assim como o pai, são cantores. Pra lembrar o artista, que merecia e tinha talento pra fazer sucesso,  o nosso amigo e colaborador Aderaldo montou, e agradeço por enviá-la,  esta coletânea com as 10 gravações conhecidas do cantor, extraídas de cinco compactos simples, lançados pela Odeon, Copacabana e Epic/CBS. O destaque é a faixa bônus, “A casa do sol nascente”,  ripada de vídeo (aqui) do canal TV Japi Música e Amigos, no YouTube, em homenagem ao intérprete, que tem nesse registro a voz adicionada com a do casal de filhos e a do neto Marcelo.  Ficou muito bom. Confira:

01. 1964 – Meu broto (My Bonnie)
(Tradicional – Adaptação: Fred Jorge))
02. 1964 – Primeira estrela (First Star)
(Doc  Pomus  - Mort Shuman – Versão: Fred Jorge)
03. 1965 - A casa do sol nascente (The House Of The Rising Sun)
(Alan Price – Versão: Fred Jorge)
04. 1965 - O rebelde (The Rebel)
(Richard Markowitz – Andrew Fenady - Versão: Fred Jorge)
 05. 1965 – Se ela voltar 
(Hamilton di Giorgio)
06. 1965 – Você me compreende (I Love You Because)
(L. Payne – Versão: Fred Jorge)
07. 1966 - A ópera
(Hamilton Di Giorgio - Afonso Soares)
08. 1966 – Anjo do amor (Angel  D’Amore)
(Aviles - Strom – Poll – Versão: Hamilton Di Giorgio)
09. 1972 - Chora
(Teddy Milton – Fred Jorge)
10. 1972 – Glória, glória, Aleluia
(Adaptação: Fred Jorge)
11. 2013 - A casa do sol nascente (The House Of The Rising Sun)* 
(Com Teddy Milton e família: Katia Regina (filha), Marcelo (neto) e Christian Cesar (filho)
(Alan Price – Versão: Fred Jorge)

* Extraída de vídeo da TV Japi Música e Amigos, no YouTube 


COLABORAÇÃO: Aderaldo



quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Wanda de Sah - Favorites from Brazil (EP 1966)

Wanda Sá, como a conhecemos, interpreta Bossa Nova em EP francês de 1966
 
O que me chama a atenção neste raro compacto duplo de 45 RPM - gentilmente enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço pela colaboração - é a grafia dada ao nome da cantora no mercado francês, onde o disco "Favorites from Brazil" foi lançado em 1966 pela Capitol, selo da EMI-Odeon. Wanda de Sah, ou Wanda Sá como a conhecemos, interpreta composições de mestres da Bossa Nova, como Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Baden Powell, Carlos Lyra e Geraldo Vandré. No repertório, clássicos do movimento, como “Só danço samba” e “Água de beber", interpretados com a leveza e a classe de sua bonita voz. Não por acaso, a cantora e violonista é considerada a mais representativa intérprete da Bossa Nova no exterior.

Wanda Maria Ferreira de Sá, seu nome de batismo, nasceu em São Paulo em 1 de julho de 1944, mas logo se transferiu com os pais para o Rio de Janeiro. Estudava balé e, aos onze anos, começou a tocar violão. Foi aluna de Roberto Menescal. Em 1962 já era professora de violão da escola de música mantida por Menescal e Carlos Lyra, em Copacabana. Iniciou a carreira artística em 1962. Em 1969, casou-se com o cantor e compositor Edu Lobo, e passou a residir nos Estados Unidos, interrompendo a carreira até a separação do casal, em 1982. Wanda e Edu tiveram três filhos: Mariana, Bernardo e Isabel. Voltou ao Brasil decidida a prestar vestibular para o curso de Sociologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e retomou a carreira artística. Em 1985, tornou-se evangélica, mas manteve sua carreira de cantora de música popular, lançando vários discos. O mais recente CD, “Cá entre nós” (na foto acima), foi lançado no ano passado. Ouvi-la é sempre um prazer. Confira:

01 - Água de beber
(Gimbel - Tom Jobim - Vinicius de Moraes)
02 - Tem dó
(Baden Powell - Vinicius de Moraes)
03 - Aruanda
(Carlos Lyra - Geraldo Vandré)
04 - Só danço samba (Jazz 'n' samba)
(Tom Jobim - Vinicius de Moraes)


COLABORAÇÃO: Laércio



quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Trilha nacional da novela Uma rosa com amor (1972)

 Com 221 capítulos, novela foi produzida em preto e branco pela Rede Globo
Esta postagem atende a mais um pedido do internauta Raimundo. A trilha nacional da novela “Uma Rosa com Amor” traz músicas interpretadas por Antonio Carlos e Jocafi, Maria Alcina, Márcio Lott, Kris e Cristina, Moacyr Franco, Tom e Dito e outras. A curiosidade é a música “Buona Sera Serafina”, de Fred Falcão e Arnoldo Medeiros, na interpretação do saudoso ator Felipe Carone (25/07/1920 – 27/03/1995), que também participou da trama escrita por Vicente Sesso. A telenovela foi produzida e exibida pela Rede Globo entre 23 de outubro de 1972 e 29 de junho de 1973, às 19 horas, com direção de Walter Campos. Produzida em preto e branco, a atração teve 221 capítulos, com elenco formado por artistas como Marília Pêra, Paulo Goulart, Grande Otelo, Tônia Carrero, Marcos Paulo, Ary Fontoura, José Augusto Branco, Wanda Lacerda, Leonardo Villar, Jacyra Silva, Lélia Abramo, Yoná Magalhães e outros. Confira:

01 - Antônio Carlos e Jocafi - Minhas Razões
(Antônio Carlos e Jocafi)
02 - Luis Roberto - Do Amor Fazer Novas Lendas
(César Costa Filho - Walter Queiroz)
03 - Milito, Osmar E Quarteto Number One - Vou Disparar
(César Costa Filho - Walter Queiroz)
04 - Paulinho Soares - Elisabeth
(Paulinho Soares)
05 - Coral Som Livre - Marionete
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
06 - Felipe Carone - Buona Sera Serafina
(Fred Falcão - Arnoldo Medeiros)
07 -  Kris e Cristina - Uma Rosa Com Amor 
(Antonio Carlos - Jocafi - I. Tavares)
08 - Paulinho Soares - Bate-Boca
(Paulinho Soares)
09 - Djalma Dias - Burguês Fino Trato
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle - João Donato)
10 - Maria Alcina - Xuxu Beleza
(Roberto Moura - Antonio Jaime - Renato Murcia)
11 - Moacyr Franco - A Rosa
(Lourival Faissal)
12 - Tom e Dito - Amor Não é Coisa Pra Negócio
(Tom - Dito)
13 - Marilton - Bom de Bico
(Fred Falcão - Arnoldo Medeiros)
14 - Márcio Lott - Meu silêncio
(Fred Falcão - Arnoldo Medeiros)



terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Zé Ramalho - Coletânea Especial (2017)

 Coletânea com vinte faixas incluem sucessos, curiosidades e releituras
Esta coletânea do Zé Ramalho, montada pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço, é pra ouvir da primeira até a última faixa, pois reúne sucessos e curiosidades do cantor e compositor paraíbano. Entre os hits, os destaques são “Admirável gado novo” e “Mistério da meia-noite”, sendo que as curiosidades ficam para os duetos, como “Guerra de facão” (com Falcão) e “Eu vou pra lua” (com Cascabulho). No total, são 20 faixas, que ainda incluem releituras do Raul Seixas (“Ouro de tolo” e “S.O.S”) e Geraldo Vandré (“Pra não dizer que falei das flores”).

José Ramalho Neto nasceu em 3 de outubro de 1949 na cidade de Brejo do Cruz. na Paraíba. É primo da cantora Elba Ramalho. Após passar a maior parte da sua infância em Campina Grande, sua família se mudou para a capital João Pessoa. Lá, fez parte do conjunto “Os 4 Loucos” (na foto ao lado, em 1968, com Roberto Carlos), e participou de apresentações de ídolos da Jovem Guarda, sendo influenciado por Renato Barros, Leno e Lílian, Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Golden Boys, Beatles, Rolling Stones, Pink Floyd e Bob Dylan. Em 1974, tocou na trilha sonora do filme “Nordeste: Cordel, Repente e Canção”, de Tânia Quaresma, e passou a misturar as suas influências: de Rock "n" Roll a forró.

Um ano depois, gravou seu primeiro álbum, Paêbirú, com Lula Côrtes, na gravadora Rozenblit. Hoje em dia, as cópias desse disco (na foto ao lado), são disputadas por colecionadores e valem muito por serem raras. Em 1976, mudou-se para o Rio de Janeiro, e em 1977 gravou seu primeiro álbum solo, Zé Ramalho, na Epic/CBS (Sony). que o projetou em todo o País. O álbum trouxe sucessos como “Avohai” (lançado pela Vanusa), “Vila do Sossego”, “Chão de giz” e outros. Em 1979, veio o segundo álbum, “A Peleja do Diabo com o Dono do Céu”, que o consolidou como cantor e compositor, graças aos hits “Admirável gado novo”, “Frevo mulher” (música lançada pela Amelinha) e “Garoto de aluguel”. A partir daí, não parou mais, e sua produtiva carreira pode ser acompanhada no site (aqui) do artista. Confira a seleção:

01 – Leva eu sodade
02 – Cidadão 
03 – Ele disse
04 – Mesmo que seja eu
05 – A terceira lâmina
06 – Não vendo, nem troco (Part. Esp. Dominguinhos)
07 – Garoto de aluguel (Taxi Boy)
08 – O meu País
09 – O vento vai responder (Blowin’ In The Wind)
10 – Paraíba (Part. Esp. Flávio José)
11 – Mistério da meia-noite
12 – Ouro de tolo
13 – Entre a serpente e a estrela (Amarillo By Money)
14 – Guerra de facão (Part. Esp. Falcão)
15 – Mr. do Pandeiro (Mr.Tambourine Man)
16 – Temporal 
17 – S.O.S
18 – Eu vou pra lua (Part. Esp. Cascabulho)
19 – Admirável gado novo
20 – Pra não dizer que não falei das flores


COLABORAÇÃO/SELEÇÃO DO REPERTÓRIO: Aderaldo


segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Antonio Carlos e Jocafi - Teimosa (LP 1973)

 Álbum produzido em 1973 pela RCA Victor traz 12 composições da dupla
Mais um excelente álbum da dupla Antonio Carlos & Jocafi, revelada nos bons tempos de festivais de música brasileira. Em 1973, quando gozava de enorme prestígio popular, graças a sucessos como “Desacato”, “Mudei de ideia”, “Encabulada”, “Shazan” e outras, a dupla lançou este álbum pela RCA Victor. O disco, 100% autoral, traz pelo menos dois hits – “Teimosa” e “Fraqueza” – mas também oferece outras delícias de ouvir, como “Dona da casa”, “Glorioso Santo Antonio” e “Sanfona veia”, uma homenagem a Luiz Gonzaga, o rei do baião, entre outras. Confira:

01 - Teimosa
(Antônio Carlos - Jocafi)
02 - Glorioso Santo Antônio
(Antônio Carlos - Jocafi)
03 - Dona da casa
(Antônio Carlos - Jocafi)
04 - Gamelera (As moças)
(Antônio Carlos - Jocafi)
05 - Sanfona véia
(Antônio Carlos - Jocafi)
06 - Deixe que é dengo dela
(Antônio Carlos - Jocafi - Ildázio Tavares)
07 - Fraqueza
(Antônio Carlos - Jocafi - Zé do Maranhão)
08 - Te quiero
(Antônio Carlos - Jocafi)
09 - Tereza Guerreira
(Antônio Carlos - Jocafi)
10 - Por Nossa Senhora
(Antônio Carlos - Jocafi)
11 - Um abraço no Lucien extensivo ao Edu Lobo
(Antônio Carlos - Jocafi)
12 - Xamego de Iná
(Antônio Carlos - Jocafi)