Pesquisar este blog

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Mara Abrantes - Que pena (CS 1978)

Brasileira radicada em Portugal grava hits do Peninha e do Roberto Carlos 
Depois de ver o álbum do Peninha no blog, o nosso amigo e colaborador Laércio, a quem agradeço, me enviou este compacto simples de 45 RPM da cantora e atriz Mara Abrantes, brasileira radicada desde o final dos anos 1950 em Portugal. No disco, lançado pela Movieplay, ela interpreta dois sucessos brasileiros, “Que pena” e “Um jeito estúpido de te amar”. Segundo o Wikipédia, Mara Dyrce Abrantes da Silva Santos nasceu no Rio de Janeiro em 31 de maio de 1934, numa família de instrumentistas ligados a diferentes bandas das forças armadas brasileiras, incluindo o seu pai. Aos 16 anos ganhou um concurso na TV Tupi, intitulado "A Hora dos Calouros",  e a partir daí obteve papéis televisivos.

Mara começou a cantar no restaurante "A Cantina do Cesar", do radialista César de Alencar, e se apresentou também no "Estúdio do Teo", onde conheceu Antônio Carlos Jobim em início de carreira. Foi levada para a Rádio Nacional do Rio de Janeiro pelo maestro Napoleão Tavares. Atuou em rádios e teatros cariocas, em especial na década de 1950, quando a Revista do Rádio lhe deu o título de "A escurinha nota dez", em virtude de seus predicados físicos, mas que hoje causaria polêmica. Participou de cinco filmes, incluindo “A dupla do barulho” (1953), de Carlos Manga, e “Chico fumaça” (1958), do Mazzaropi. Em 1954, gravou o primeiro disco pela Mocambo, e a faixa "Um tiquinho mais" foi censurada. Em 1958, foi se apresentar em Portugal por um período de três meses, e se encantou pela receptividade e pelo País, decidindo ficar por lá, onde gravou vários discos, como este single. Confira:

01 – Que pena
(Peninha)
02 – Um jeito estúpido de te amar
(Isolda – Milton Carlos)

COLABORAÇÃO: Laércio


quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Osny Silva - Dois em Um (LPs 1957 e 1969)

Postagem reúne os LPs "Canta, América!" (1957) e "Mais uma noite" (1969)
O nosso amigo e colaborador Aderaldo, a quem agradeço, montou e me enviou os álbuns do Osny Silva, gravados em 1957 (de 10 polegadas, com oito faixas, produzido pela Odeon) e 1969 (de 12 polegadas, com 12 faixas, pelo selo Imperial, da mesma Odeon). Achei interessante reuni-los neste “Dois em um”, que certamente agradará aos fãs do cantor e compositor, especialmente pelo raro álbum de 1969, que traz interessante repertório, com canções conhecidas na voz de outros intérpretes. São os casos de “Israel” (sucesso com Os Incríveis), “Dalila” (Cauby Peixoto), “Na noite que se vai” (Antonio Borba), "Sempre e sempre" (Agnaldo Rayol) e até a curiosa “Vida bacana”, uma nova versão de “La tramontana”, mais popular por meio da releitura feita pelo Sérgio Murilo. Confira:

01 – El dia que me quieras
(Carlos Gardel - Alfredo Le Pera) 
02 – India  
 (José Asuncion Flores – Manuel Ortiz Guerrero) 
03 - Ol’ man river
 (O. Hammerstein II – Jerome Kern) 
04 – Maria bonita
 (Agustin Lara) 
05 – Maria la ô
 (Ernesto Lecuona) 
06 – Alma llanera
 (P. E. Gutierrez) 
07 – Casinha pequenina
 (Tradicional) 
08 – La malagueña 
 (Elpidio Ramirez - Pedro Galindo)
09 – Sempre e sempre  (The World We Knew) (Over And Over)
(B.Kaempfert - C.Sigman - H.Rehbein – Vs: Aurélio Belotti & Janete Soares)
10 - Dalila (Delilah)
(Les Reed - Barry Mason – Vs: Fred Jorge)
11 – Quando saí de Cuba  (Cuando Sali De Cuba)
(L. Aguille – Versão: Tony Santos)
12 – Cada coisa em seu lugar
(Tony Campello - Alf Soares)
13 – Paisagem tropical
(Gaó)
14 – Vida bacana (La Tramontana)
(Daniele Pace - Mario Panzeri – Vs: Fred Jorge)
15 – A última valsa (The Last Waltz)
(Les Reed - Barry Mason - Vs: Ronnie Von)
16 – Novamente livre  (Non C'est Rien) (Free Again)
(Joss Baselli - Armand Canfora - Michel Jourdan – Vs: Myrian Celeste)
17 - Israel (Israel)
(Bruno Zambrini - Ruggero Cini - Franco Migliacci – Vs: Nazareno de Brito)
18 – E você  (To Give)
(Bob Crewe - Bob Gaudio – Vs: Carlos Wallace)
19 – Mais uma noite (Mille E Una Notte)
(Zambrini - Enriquez – Migliacci – Vs: Amilcar Cerri)
20 – Na noite que se vai (L'Amore Se Ne Va)
(A. Morina - P. Melfa - Amedeo T. ''Atmo'' - G. D'Ercole – Vs: Hamilton Di Giorgio)


Faixas: 01 a 08, do LP "Canta, América" (1957)
             09 a 20, do LP "Mais uma noite" (1969)

COLABORAÇÃO: Aderaldo



terça-feira, 28 de novembro de 2017

Os grandes sucessos de Sérgio Murilo (LP 1975)

 Repertório inclui gravações realizadas pelo cantor na gravadora CBS
Sérgio Murilo, um dos pioneiros do rock no Brasil, comparece mais uma vez no blog com este álbum de grandes sucessos. O disco foi lançado pela Entré, selo econômico da CBS/Sony, em 1975, um ano antes da telenovela “Estúpido Cupido”, que trouxe novamente às paradas de sucessos as canções do início dos anos 1960, graças à trilha sonora que incluiu “Broto legal”, gravada pelo cantor, e presente nesta coletânea. O LP também se destaca por canções como “Marcianita”, “Abandonado”, “Olhos cor do céu” e a balanceada “Shimmy, Shimmy, Ko-Ko-Bop”, entre outras. Confira:

01 - Marcianita
(José Imperatore - Marcone - Galvarino Villota Alderete - vs: Fernando Cesar)
02 - Oh! Carol
(Howard Greenfield - Neil Sedaka)
03 - Broto Legal (I'm in love)
(H. Earnhart - vs: Renato Corte Real)
04 - Adão e Eva (Adam and Eve)
(Paul Anka)
05 - Querida (Believe me)
(Bob Conte - Tom Austin - Joe Villa - vs: Renato Corte Real)
06 - Shimmy, Shimmy, Ko-Ko-Bop
(Bob Smith)
07 - Trem do Amor (One way ticket to the blues)
(H. Hunter - J. Keller - vs: Fred Jorge)
08 - Personality
(H. Logan - L. Price)
09 - Abandonado (Only the lonely)
(R. Orbison - J. Melson - vs: Gerson Gonçalves)
10 - The Diary
(Neil Sedaka - Howard Greenfield)
11 - Estúpido Cupido (Stupid cupid)
(Howard Greenfield - Neil Sedaka - vs: Fred Jorge)
12 - Olhos cor do céu (Pretty blue eyes)
(Randazzo - Weinstein - vs: Fred Jorge)


segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Gilson - Encontro Casual (LP RGE 1987)

 Gilson se notabilizou a partir de 1979 com a música "Casinha branca"
“Encontro casual”, álbum do Gilson lançado em 1987 pela gravadora RGE, foi enviado pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço pela colaboração. O artista, nascido na cidade de Macau, no Rio Grande do Norte, em 01 de agosto de 1952, iniciou a carreira na música ainda criança, e se profissionalizou como cantor e compositor a partir de 1978. Com a música “Casinha branca”, composta com Joran - seu principal parceiro – obteve grande sucesso em 1979, e a canção integrou a trilha sonora da telenovela "Marrom Glacê", da Rede Globo de Televisão. Regravada no Brasil e no exterior, a música chegou a vender mais de 500 mil cópias, recebendo os discos de ouro e de platina, e foi título do seu primeiro álbum.

Outras músicas de Gilson também fizeram parte da trilha sonora de novelas, como “Andorinha”, em Cabocla, “A mesma porta” em Pluma e Paetês, “Chuva” em Olhai os Lírios do Campo, e outras. Gilson ainda lançaria, além do primeiro e deste LP, os álbuns “Vitrine” (1980) e “Tempo Bom” (1991). Vários cantores gravaram suas músicas, entre eles Roberto Carlos, Wanderléa, Rosemary, Martinha, Renato e seus Blue Caps, Adriana, Altemar Dutra, Emílio Santiago e outros. Radicado desde 1966 no Rio de Janeiro, é irmão do também cantor Nazareno Vieira, e dedica-se atualmente à função de produtor musical. Confira:

01 - Nossa "história" de amor
(Gilson – Joran)
02 - Encontro casual
(Gilson – Joran)
03 - Nossa rua
(Gilson – Carlos Colla)
04 - Espiã
(Gilson – Joran)
05 - Quando a noite vem
(Gilson – Joran)
06 - Nossas noites
(Gilson – Joran)
07 - Cheio de saudade
(Gilson – Joran)
08 - Toda minha
(Manoel Nenzinho)
09 - Do jeito como veio ao mundo
(Gilson – Joran)
10 - Pau ou pedra
(Gilson – Joran)

COLABORAÇÃO: Aderaldo


domingo, 26 de novembro de 2017

The Jordans - Marionetes de cartão (CS S/D)

 Compacto simples de 45 RPM  foi lançado em Portugal pelo selo Metro Som
Este compacto simples de 45 RPM do grupo The Jordans, produzido em Portugal pelo selo Metro Som, sem o ano do lançamento, foi enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço, para o meu acervo, sem o objetivo de apresentá-lo no blog. As duas canções foram lançadas entre nós em compactos simples separados, do selo Scala, mas ambos com a música “Cristina” no lado B, e já postados no Sanduíche Musical, meu blog anterior. Decidi postá-lo porque deve interessar aos colecionadores, pois trata-se de disco raro, inédito no Brasil. O single nacional com “Marionetes de cartão” – e não “Marionetas”, como grafado em Portugal – é de 1975, e este provavelmente foi lançado por lá nesse mesmo período. Confira:

01 - Marionetes de Cartão (Marionetas de Carton)
(E. Franco - C. Valdez - Momy - vs: Sebastião F. da Silva)
02 - O telegrama (Il telegramma)
(P. Donnaggio - Pallavicini - vs: Siderius)


COLABORAÇÃO: Laércio



sábado, 25 de novembro de 2017

Orquestra Dom Gomes - Sucessos de Roberto Carlos

 Disco traz o playback do álbum gravado pelo Waldick Soriano em 1984
Aqui está um álbum da gravadora Arca sobre o qual não tenho muita referência, pois não conhecia a Orquestra Romântica de Dom Gomes, que executa sucessos românticos do Roberto Carlos. A única certeza é que se trata do playback do LP “Waldick Soriano interpreta Roberto Carlos”, lançado em 1984 pela mesma gravadora. O repertório oferece 12 faixas, sendo duas em formas de pot-pourri e três canções – “Esqueça”, “Não quero ver você triste” e “Aquele beijo que te dei” – da fase do homenageado na Jovem Guarda. As demais faixas também se destacam, como “Proposta”, “A distância”, “Amada amante” e outras. Confira:

01 - Proposta
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos) 
02 - Amada amante
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos) 
03 - Esqueça (Forget Him)
(Mark Anthony - Vs: Roberto Corte Real) 
04 - Pot-pourri:
 Desabafo
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos) 
Seu Corpo
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos) 
Falando Sério
(Maurício Duboc - Carlos Colla) 
05 - Eu Quero Apenas
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos) 
06 - À Distância
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos) 
07 - Café da Manhã
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos) 
08 - Cavalgada
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos) 
09 - Não Quero Ver Você Triste
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos) 
10 - Pot-pourri:
 Como Vai Você
(Antônio Marcos - Mário Marcos) 
Os Seus Botões
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos) 
Outra Vez
(Isolda) 
11 - Escreva Uma Carta Meu Amor
(Pilombeta - Tito Silva) 
12 - Não Se Esqueça de Mim
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos) 



sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Jairo Aguiar e Orquestra - nº 1 (EP 1959)

 Compacto duplo de 45 RPM foi produzido pela Copacabana Discos em 1959
Jairo Aguiar foi um cantor da era do rádio, e aqui comparece com este EP lançado em 1959 pela Copacabana, gentilmente enviado pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço. A postagem inclui duas faixas bônus, “Minha oração”, versão de “My prayer”, música dos anos 1930 com inúmeras regravações, e “Serenata”, clássico de Schubert. O cantor, nascido em 11 de setembro de 1927 em João Pessoa (PB), e falecido em 2 de julho de 2016 em Niterói, no Rio, iniciou a carreira na década de 1950, cantando na Rádio Clube Pernambuco. Em 1954, venceu o "Primeiro Campeonato de Cantores Novos", promovido pela Rádio Nacional e apresentado por César de Alencar, assinando contrato de dois anos com a emissora.

Em 1956,  foi contratado pela gravadora Copacabana, onde lançou 20 discos de 78 RPM, 10 compactos e 12 LPs, somando quase 200 músicas, muitas de sua autoria. Atuou no Teatro de Revista e também em filmes produzidos por Carlos Imperial. Na década de 1960, quando fez sucesso com "Twist do amor", excursionou pela Argentina e o Uruguai. Ao retornar ao Brasil, passou a cantar em cidades do Norte e Nordeste do país. Voltou ao disco em 1990, lançando "Emoção maior", pela Somarj. Em 2001, foi a vez do CD "Jairo Aguiar reconquista sucessos". Durante seus últimos anos de carreira, se apresentava anualmente no Baile Carnaval da Cinelândia, no Rio de Janeiro, cantando marchinhas de carnaval e frevos famosos. Confira:

01 – Caprichos de amor
(Mario Mascarenhas – Jairo Aguiar)
02 – Uma noite no Rio
(Mario Mascarenhas – Jairo Aguiar – Aôr Ribeiro)
03 – Noites cruéis
(Raul Sampaio – Benil Santos)
04 – Enxugue a lágrima
(Jairo Aguiar – Nelinho)

BÔNUS

05 – Minha oração (My Prayer)  (1957)
(Georges Boulanger – Versão: Cauby de Brito)
 06 – Serenata (Ständchen) (1960)
(Franz Schubert  - Adaptação: Aôr Ribeiro)


COLABORAÇÃO: Aderaldo


quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Os Nucleares - Era tudo que eu queria (LP 1969)

 Álbum produzido pela RCA Victor conta com arranjos de Frankie Adriano
Para apresentar este álbum, enviado pelo amigo Geraldo, a quem agradeço, vou reproduzir o texto da contracapa, assinado por Clovis Mello, e que começa com frase de 1930 de Igor Strawinsky: “Animados pela declaração do festejado autor de “A sagração da primavera”, Marcus Marcel Lo Gullo (Pluto) – guitarra solo, Carlos Alberto Freitas Lemos (Mr. Magoo) – basso, Ivanilton Lima (Baiano) – guitarra base e vocal, João Batista Martins (Tinho) – saxofone, Luiz Fernando (Tico) – bateria, e Francisco Gullo (Prof. Pardal) – órgão, ou simplesmente Os Nucleares, reuniram-se e começaram a ensaiar para tocarem a música que acreditam ser a sua verdade de hoje.

Em muito pouco tempo, Os Nucleares já se tornaram ídolos de uma juventude alegre e inteligente, que acredita na força e capacidade de suas ideias, algumas vezes irreverentes, mas cheias de vitalidade e muita, muita vontade de firmar o seu lugar ao sol. Os Nucleares progrediram muito e já são apontados por muitos disc-jockeys, entre os quais Roberto Muniz, seu padrinho musical, como o melhor conjunto aparecido nos últimos tempos. Este álbum que conta com os arranjos de Frankie Adriano, componente da dupla Tony e Frankie, é uma excelente amostra do que os Nucleares podem realizar”. Confira:

01 - Apolo Zero
(Eduardo Araújo - Chil Deberto)
02 - Sai Pra Lá
(Angelo Antonio)
03 - Conta-me (Cuentame)
(J.L. Armenteros - vs: Os Nucleares)
04 - Agora Vá
(Jung Jacks - Tony)
05 - Que Vontade de Gritar ao Mundo
(Jung Jacks - Márcio Alexandre)
06 - Você Finge Me Esnobar
(Betty Perret - Angelo Antonio)
07 - As Noites Que Eram Nossas
(Britinho - Fernando Cesar)
08 - Don't Pity Me
(Andrews)
09 - Era Tudo Que Eu Queria
(Frankye Adriano - Edson Trindade)
10 - Eu Só Quero o Teu Carinho
(Rossni Pinto - Ivanilton)
11 - O Bem Do Amor
(Rildo Hora - Clóvis Mello)
12 - Eu Vou Buscar (Piccolo man)
(Carter - Alquist - Lewis - vs: Clóvis Mello)


COLABORAÇÃO: Geraldo


quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Peninha - Sonhos (LP Polydor - 1977)

 Álbum inclui "Sonhos" e "Que pena", dois grandes sucessos do cantor e compositor
Em atendimento ao pedido do internauta Augusto, apresento o álbum “Sonhos”, do cantor e compositor Peninha, lançado em 1977 pela Polydor (Phonogram). Bem diferente do LP “Sueños”, gravado em espanhol, e já postado aqui, o disco brasileiro tem 11 faixas e apenas três – “Sonhos”, “Que pena” e Pode chegar” - estão no álbum em castelhano. O repertório é essencialmente romântico, com destaque para a música “Novidades”, com levada disco, apropriada para a época dos embalos de sábado à noite. Confira:

01 - Que pena
(Peninha - Livi)
02 - Eu quero um amor do tamanho do mundo
(Peninha)
03 - Pode chegar
(Pyska)
04 - Sonhos
(Peninha)
05 - Novidades
(Peninha - M. Cidras)
06 - Lá vou eu
(Peninha)
07 - Máquinas (Adapt. poema musical "Fábrica de neuroticos", de Neymar de Barros)
(Peninha)
08 - Está faltando alguma coisa
(Peninha - M. Cidras)
09 - Meus amigos, meu violão e a folia
(Marquito - Livi)
10 - Um grito parado no ar
(Peninha)
11 - Parabéns, você merece
(Peninha - Totó)



terça-feira, 21 de novembro de 2017

Lady Zu - Louco Amor (LP 1989)

 Cantora investe no romantismo em seu quarto LP, produzido pela Continental
Este “Louco amor” é o quarto álbum da Lady Zu, e foi enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço por mais esta colaboração. O disco, produzido pela Continental, foi lançado em 1989, após três álbuns na Philips - A noite vai chegar (1978), Hora de união (1979) e Fêmea brasileira (1980). Com composições de Chico Roque, Paulo Sérgio Valle, Robson Jorge, dentre outros, o disco mostra que a cantora resolveu deixar seu passado de "rainha das discotecas" de lado para centrar forças nas músicas românticas, apesar da releitura de “A noite vai chegar”, seu maior sucesso. Os destaques são a nova versão de "Junto a mim", que ganhou repercussão nas rádios, além de "Contrato assinado" (que ganharia versão com Sandra de Sá) e "Foi demais", esta de sua autoria em parceria com Satch. 

Lady Zu (Zuleide Santos da Silva) nasceu no bairro do Canindé, em São Paulo, no dia 7 de maio de 1958. Cantou pela primeira vez no programa infantil “O dois é nosso”, da TV Cultura, aos oito anos de idade. Fez aulas de canto dos 10 aos 13 anos, época em que seguiu se apresentando em programas infantis do rádio e da televisão e em bailes na periferia de São Paulo. Mais tarde, ela trabalharia como bancária, escriturária e até locutora do Mercado Municipal da Lapa. Seu primeiro disco, um compacto simples com a música "A noite vai chegar" tornou-se um hit instantâneo em 1977 nas rádios e nas pistas de dança de todo o país. A cantora, apesar da discografia irregular, continua na ativa, sendo que seu primeiro LP (na foto acima) é considerado atualmente um dos expoentes da soul music brasileira, juntamente com trabalhos de nomes como Jorge Benjor, Tim Maia, Cassiano, Gérson King Combo e outros. Confira:

01 - Contrato Assinado
(Chico Roque - Paulo Sérgio Valle)
02 - Foi Demais
(Lady Zu - Satch)
03 - Louco Amor
(Márcio Monteiro - Luiz Sardanho)
04 - Agora É Pra Valer
(Frankye Arduini - Arnaldo Saccomani)
05 - Nossa Indecisão
(Sérgio Sá)
06 - Vem Que Eu Quero Mais
(Chico Roque - Paulo Sérgio Valle)
07 - Tudo Bem Agora
(Cesar Rossini - Gil Gerson)
08 - Junto A Mim
(Frankye Arduini)
09 - Céu De Luz
(Robson Jorge - Jorjão Barreto)
10 - A Noite Vai Chegar
(Paulinho Camargo)

COLABORAÇÃO: Laércio


segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Vários intérpretes - 14 Maiorais - Volume 18 (LP 1973)

Sucessos de 1973 do cast da gravadora Copacabana estão neste álbum
Depois de receber os volumes 15 e 22 da série 14 Maiorais do nosso amigo e colaborador Aderaldo, eu tentei montar outros que ainda faltavam pra completar a coleção. Infelizmente, só consegui os volumes 4, 8 e 18, que apresento agora, dando por encerrada as postagens possíveis desta série lançada entre 1962 e 1975. Ainda faltam os números 2, 6, 7, 9, 10, 11 e 13, difíceis de encontrar. Este 18º volume, lançado em 1973, traz alguns sucessos da época, como “Naquela mesa” (Elizeth Cardoso e Sérgio Bittencourt), “Vem ficar comigo” (Wanderley Cardoso) e “Ninguém tasca” (Marinho da Muda). A coletânea também se destaca pelas presenças do Alceu Valença & Geraldo Azevedo, Benito di Paula, Martinha, Wanderley Cardoso, Silvana e outros. Confira:

01 - Elizeth Cardoso & Sérgio Bittencourt - Naquela mesa
(Sérgio Bittencourt)
02 - Nelson Ned - Ninguém irá te amar mais do que eu
(Nelson Ned)
03 - Wanderley Cardoso - Vem ficar comigo
(Antonio Carlos - Rossini Pinto)
04 - Alceu Valença & Geraldo Azevedo - Me dá um beijo
(Alceu Valença)
05 - Cláudio Fontana - Minha família e meus amigos que vão pro inferno eu fico contigo
(Cláudio Fontana)
06 - Luiz Vieira - Forró do tio Augusto
(Luiz Vieira)
07 - Marinho da Muda - Ninguém tasca (O gavião)
(Mario Pereira - João Quadrado)
08 - Agnaldo Rayol - Páginas sociais (Pagenas sociales)
(Sandro - Anderle - VS: Nazareno de Brito)
09 - Martinha - Sua
(Martinha)
10 - Benito di Paula - Quem vem lá
(Benito di Paula)
11 - Silvana - Se tem que ser adeus, adeus
(Cézar - Cirus)
12 - Almir Rogério - Mentirosa
(Almir Rogério)
13 - Fred Rovella - Ben
(Walter Scharf - Don Black)
14 - Claudio Fontana - Meu bem (Hey girl)
(Philips - Duncan - vs: Marcelo Duran)



domingo, 19 de novembro de 2017

Vários intérpretes - 14 Maiorais - Volume 22 (LP 1975)

 Volume 22 encerrou a série "14 Maiorais", produzida desde 1962 pela Copacabana
Acredito que este volume 22, lançado em 1975, deve ser o último da bem-sucedida série “14 Maiorais”, coletânea iniciada em 1962 pela Copacabana. Depois deste disco, a gravadora ainda lançou em 1976 o avulso “14 Maiorais Extra”, e deixou o projeto na gaveta. O presente álbum foi  enviado pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço, e reúne os mais recentes lançamentos da empresa. Os principais sucessos do LP são “Tango pra Teresa” (interpretado pela Angela Maria), “Recuerdos de Ypacarai” (Claudio Fontana) e “Pare, olhe e viva” (Benito di Paula). O repertório ainda inclui gravações de artistas como Wanderley Cardoso, Elizeth Cardoso, Marku Ribas, Silvana, Moacyr Franco, Nelson Ned e outros. Confira:

01 - Angela Maria - Tango pra Teresa 
(Jair Amorim – Evaldo Gouveia)
02 - Wanderley Cardoso - Tudo certo
(Wanderley Cardoso)
03 - Claudio Fontana - Recuerdos de Ypacarai
(Z. de Mirkin – Demetrio Ortiz – Versão: Juracy Rago)
04 - Moacyr Franco - Canoas do Tejo
(Frederico de Brito)
05 - Nelson Ned - Que pena, que pena
(Nelson Ned)
06 - Luiz Carlos Clay - Quero ouvir o mundo cantar (Quiero ver a todos cantar)
(Santiago – Versão: Fred Jorge)
07 - Silvana - Viva a Espanha
(Leo Caerts – Leo Rozenstraeten – Versão: Fred Jorge)
08 - Benito di Paula - Pare, olhe e viva
(Benito di Paula)
09 - Marku Ribas - Zamba Ben
(Marku)
10 - Jacy Inspiração - Nega maluca
(Jacy Inspiração – Binha)
11 - Elizeth Cardoso - Antes, durante e depois
(Paulo César Pinheiro – Paulo Valdez)
12 - Bebeto - Aruandê
(José Roberto – Carlos Alberto)
13 - Waleska - Azar
(Sérgio Bittencourt)
14 - Paulo Vinicius - Aniversário de boêmio
(Jorge Marques)

COLABORAÇÃO: Aderaldo


sábado, 18 de novembro de 2017

Vários intérpretes - 14 Maiorais - Volume 8 (LP 1965)

 The Jordans, The Clevers, Wanderley Cardoso e outros estão neste álbum
Mais um bom volume da série “14 Maiorais”, projeto da Copacabana similar ao “As 14 Mais”, da CBS, é este oitavo, lançado em 1965. Entre os grandes sucessos da época destacam-se “A praia” e “O princípio e o fim” (interpretadas pelo Agnaldo Rayol), “Falhaste, coração” (Angela Maria), “Ana Lúcia” (Rinaldo Calheiros) e “Amor criança” (Wanderley Cardoso). O álbum também inclui releituras de “Preciso aprender a ser só” (Jorge Nery) e “Pau de arara” (Moura Junior). Uma das curiosidades é o grupo The Clevers, com “Flamenco”, em nova formação, após a saída dos integrantes originais, que adotaram o nome de “Os Incríveis”. Confira:

01 - Agnaldo Rayol - A praia (La playa)
(Jovem Wetter - vs: Bruno Silva)
02 - Angela Maria - Falhaste, coração (part. esp. Os Guaranis)
(Cuco Sanchez - vs: Luiz Carlos Gouvêa)
03 - Jorge Nery - Preciso aprender a ser só
(Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
04 - The Jordans - Letkiss Jenka
(R. Lehtinen)
05 - Moacyr Franco - Musica das montanhas (The sound of music)
(R. Rodgers - O. Hammerstein - vs: Nazareno de Brito)
06 - Elizeth Cardoso - Canção de amor
(Chocolate - Elano de Paula)
07 - Moura Junior - Pau de arara
(Carlos Lyra - Vinicius de Morais)
08 - Elizeth Cardoso - Rosa de ouro
(Herminio Bello de Carvalho - Elton Medeiros - Paulinho da Viola)
09 - Wanderley Cardoso - Amor Criança
(Genival Melo - Dora Lopes)
10 - Silvana - Nossa canção de amor (Summer love)
(Victor Young - Milton Berle - Bernard Arnold - vs: Salatiel Coelho)
11 - Rinaldo Calheiros - Ana Lúcia
(J. Roberto Kelly - A. Mello Pinto)
12 - The Clevers - Flamenco 
(Los brincos)
13 - Agnaldo Rayol - O princípio e o fim (Ma vie)
(Alain Barriere - vs: Nazareno de Brito)
14 - Angela Maria - Pequena, mas resolve
(A. Moreira)



sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Vários intérpretes - 14 Maiorais - Volume 15 (LP 1971)

 Seleção traz hits do Moacyr Franco, Martinha, Wanderley Cardoso e outros
O 15º volume da série 14 Maiorais, projeto da gravadora Copacabana iniciado em 1962, é recheado de grandes sucessos de 1971. O disco, enviado pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço, se destaca por hits como “História de amor”, versão do tema do filme “Love Story” (interpretada pelo Wanderley Cardoso), “Minha mãe de cor” (Martinha), “Margarida” (Agnaldo Rayol), “16 toneladas” (Noriel Vilela) e “Boêmio demodé”, grande sucesso do Paulo Vinicius, com sua voz muito parecida com a do Nelson Gonçalves. O álbum se destaca por homenagens a dois ídolos do futebol: Mané Garrincha, na "Balada nº 7", gravada pelo Moacyr Franco, e Pelé, na faixa "Esse amigo Pelé", interpretada pela Ângela Maria. Confira:

01 - Moacyr Franco - Balada nº 7 (Mané Garrincha)
(Alberto Luiz)
02 - Wanderley Cardoso - História de amor (Theme From Love Story)
(Francis Lai – Carl Sigman – Versão: Rossini Pinto)
03 - Angela Maria - Esse amigo Pelé
(Ted Moreno – Maria Cleide)
04 - Erika - Anônimo veneziano
 (Stelvio Cipriani)
05 - Almir Rogério - Malvada
(Almir Rogério – Dezinho)
06 - Coral Joab - Pra começo de assunto (la la la la)
(Elizabeth)
07 - Claudio Fontana - Meus ídolos
(Cláudio Fontana)
08 - Nelson Ned - Eu gosto tanto de você
(Nelson Ned)
09 - Paulo Vinicius - Boêmio demodê
(Adelino Moreira)
10 - Martinha - Minha mãe de cor
(Martinha)
11 - Agnaldo Rayol - Margarida (At dawn)
(J. P. Lintz – Adaptação: Fred Jorge)
12 - Jorginho Telles - O cafona
(Marcos Valle – Paulo Sérgio Valle)
13 - Caçulinha & seu conjunto - Menina da ladeira
(João Só)
14 - Noriel Vilela - 16 toneladas (Sixteen Tons)
(Merle Travis – Versão: Roberto Neves)

COLABORAÇÃO: Aderaldo



quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Vários intérpretes - 14 Maiorais - Volume 4 (LP 1964)

 Quarto volume da série 14 Maiorais foi relançado pela gravadora Beverly
Este é o quarto volume da série 14 Maiorais, um projeto da gravadora Copacabana, e que foi relançado posteriormente pelo selo Beverly. Para apresentá-lo, vou reproduzir o texto da contracapa, assinado por Nazareno de Brito, produtor do disco: “Voltamos a entregar ao nosso amável público, a seleção que ele mesmo elegeu, recentemente. Liderando as “Paradas de Sucesso”, a Copacabana encontra-se à vontade para montar um álbum como este, que atende aos mais variados gostos. Há nele desde a música romântica até ao agitamento da chamada música jovem. O apuro que empregamos ao preparar esta série é um incentivo aos colecionadores, que assim podem ter ao seu dispor os big-hits da fonografia nacional”. Confira:

01 - Moacyr Franco - Doce amargura (Ti guarderó nel cuore)
(M. Ciorciolini - R. Ortolani - vs: Nazareno de Brito)
02 - Roberto Silva - Serenata da chuva
(Evaldo Gouveia - Jair Amorim)
03 - Clóvis Candal - Roberta
(Naddeo - Lepore)
04 - Rinaldo Calheiros - O seu adeus (Blue star)
(E. Heyman - V. Young - vs: G. Melo)
05 - Silvana - Pombinha branca (Vola colomba)
(C. Concina - B. Cherubini - vsa: G. Melo)
06 - Dina Gonçalves -  Louco (Ela é seu mundo)
(W. Batista - H. de Almeida)
07 - The Jordans - Blue star
((E. Heyman - V. Young)
08 - Agnaldo Rayol - Acorrentados (Encadenados)
(Carlos A. Briz - vs: J. Miranda - G. Melo)
09 - Moacyr Franco - Tudo de mim
(Evaldo Gouveia - Jair Amorim)
10 - Luiz Vieira - Paz do meu amor (Prelúdio nº 2)
(Luiz Vieira)
11 - Trio Tambatajá - Bolinha de sabão
(A. Azevedo - O. Divo)
12 - Ronnie Cord - Pera madura (Pera Matura)
(P. Donaggio - vs: Fred Jorge)
13 - The Angels - The hully gully
(Smith - G. Smith)
14 - Trio Nordestino -  Chupando gelo
(E. Dêda)



quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Roberto Barreiros - Sempre no meu coração (LP 1967)

 Primeiro álbum do Roberto Barreiros foi produzido pela Chantecler em 1967
Este é o primeiro LP do Roberto Barreiros, e foi enviado pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço pela colaboração. O disco foi lançado em 1967 pela gravadora Chantecler, e traz na contracapa texto de apresentação assinado pelo radialista Fernando Solera, produtor e apresentador da Rádio e TV Bandeirantes, de São Paulo. Sem muita repercussão, o álbum traz a releitura de “Sempre no meu coração”, uma versão de “Always In My Heart”, gravada por vários artistas, como Orlando Slva, Anisio Silva, Francisco Petrônio, Joana, Antonio Marcos e outros. O principal destaque é a romântica “Eu gostava muito de você, sabe?”, um dos grandes sucessos do artista, que também se destacou como humorista. Confira:

01 - Eu duvido
 (Antonio Queiroz) 
02 - Foi culpa do carrinho
 (Wilson Tavares) 
03 - Sempre no meu coração (Always In My Heart)
(Ernesto Lecuona - Versão: Mário Mendes) 
04 - Antigamente
 (Wilson Tavares) 
05 - Minha cantiga de paz
 (José Fontes) 
06 - Devolva o amor que lhe dei
 (Sergio Reis) 
07 - A inveja
 (Daniel Júnior) 
08 - Alegre infeliz
 (Aladim) 
09 - Tudo de bom
 (Daniel Júnior - Dercy G. da Costa) 
10 - E você será minha
 (Daniel Júnior) 
11 - Eu gostava muito de você, sabe?
 (Antonio Queiroz - Roberto Barreiros) 
12 - Não haverá ninguém
 (José Luiz Barreto)  

COLABORAÇÃO: Aderaldo



segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Márcio Greyck - Que seria de mim sem você (LP 1969)

 Terceiro LP , gravado na Polydor, aposta no pop rock e no romantismo
Em atenção ao pedido do internauta Reginaldo vou postar este “Que seria de mim sem você”, terceiro álbum do Marcio Greyck, lançado em 1969 pela gravadora Polydor. Foi o último LP do cantor no selo da Philips, pois no início dos anos 1970 o cantor se transferiu para a CBS, onde obteve seus maiores sucessos. Um dos primeiros foi “O importante é o verdadeiro amor”, seguido de hits como “Impossível acreditar que perdi você” e “Aparências”, já nos anos 1980, adotando o romantismo. Este disco, no entanto, tem apelo mais pop rock, como canções como “Não se faz”, “Se você for me beijar”, “Quero mais que você morra” e “Falei sem querer", sem deixas as românticas de lado. Confira:

01 - Quero mais que você morra
(Márcio Greyck)
02 - Qual é o amor que você tem por mim
(Fernando Adour - Cobel)
03 - Por não ter ninguém antes de você
(Severino Filho - Tomca)
04 - Que seria de mim sem você
(Cury - Carleba)
05 - Falei sem querer
(Fernando Adour - Cobel)
06 - Vou procurar você
(Márcio Greyck - Cobel)
07 - Não se faz
(Márcio Greyck - Cobel)
08 - Pra ver se você gosta de mim
(Márcio Greyck)
09 - Não posso lhe prometer amor (I can´'t guarantee you love)
(Dee - Oitter - vs: C. Wallace)
10 - Se você for me beijar
(Fernando Adour - Cobel)
11 - Primeiro beijo
(Márcio Greyck - C. Wallace - Fernando Adour)
12 - Para lhe entregar o meu amor
(Márcio Greyck - Cobel)



domingo, 12 de novembro de 2017

Vários artistas - O resto é papo furado (LP 1973)

Coletânea da Chantecler destaca músicas do Luiz Américo e Maria Alcina
Uma das estratégias das gravadoras era reunir num disco só seus últimos lançamentos com pelos menos dois objetivos: divulgar a música e o disco do artista, e gerar vendas e lucros. Um exemplo é este “O resto é papo furado”, enviado pelo amigo Geraldo, a quem agradeço pela colaboração. O repertório, com 12 faixas e 10 artistas, destaca dois cantores, Luiz Américo e Maria Alcina, ambos com duas faixas cada. O primeiro pelo hit “Camisa 10”, samba que aborda o clima da torcida em relação à seleção brasileira de futebol na véspera da Copa do Mundo de 1974. A segunda pela revelação da Maria Alcina no VII FIC com “Fio Maravilha” e pela aposta da casa em relação ao seu primeiro LP, de onde foram extraídas “Alô, alô” e “Me dá... me dá”, ambas do repertório da Carmen Miranda. Mas o disco ainda traz coisas boas: Carlinhos Vergueiro, Os Demônios da Garoa, Ary Sanches e outros. Confira:

01 - Luiz Américo - Camisa 10
(Hélio Matheus - Luis Vagner)
02 - Maria Alcina - Alô Alô
(André Filho)
03 - Carlinhos Vergueiro - Poeta Sem Versos
(João Garcia - Carlinhos Vergueiro)
04 - Diva Maria - Quem Você Pensa Que É
(Plinio Ricardo - Ana Paula - Marcelo Duran)
05 - Miguel Felipe - 15º De Longitude Este 20º De Longitude Sul
(Umberto Silva - Marcello Silva)
06 - Gilson De Souza - Carona
(Gilson de Souza)
07 - Edith Veiga - Amor Segredo
(Cézar - Manoel N. Pinto)
08 - Luiz Américo - Ninguém Põe A Mão
(Dora Lopes - Jean Pierre)
09 - Zaira - Acende O Candieiro
(Walter da Imperatriz)
10 - Ary Sanchez - Esta Distância Sem Você
(Marcus - Maxine)
11 - Maria Alcina - Me Dá, Me Dá
(Cicero Nunes - Portello Juno)
12 - Os Demônios Da Garoa - Abre A Gira
(Cacilda de Assis - Claudio Paraiba)


COLABORAÇÃO: Geraldo


sábado, 11 de novembro de 2017

O canto crescente de Emílio Santiago (LP 1979)

 Sexto LP do cantor inclui canções de consagrados compositores da MPB
Quem gosta da boa MPB, com certeza, inclui o saudoso Emílio Santiago (Rio de Janeiro, 6 de dezembro de 1946 — Rio de Janeiro, 20 de março de 2013) entre os intérpretes preferidos. Além de excelente cantor, apontado pelo The New York Times como o “Nat King Cole brasileiro”, Emilio também se destacava pela capacidade de escolher um repertório sofisticado e de extremo bom gosto. Um exemplo é este LP, “O canto crescente de Emílio Santiago”, o sexto da carreira, lançado em 1979 pela Philips, e enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço. No repertório, algumas canções conhecidas, mas que ganham brilho extra quando interpretadas por ele, como “Trocando em miúdos”, “Outra vez”, “As rosas não falam”, “Dores de amores” e outras. O destaque é a participação especial do João Nogueira (12/11/41 – 05/06/2000) na bela “Amigo é pra essas coisas”. Confira:

01 - Bufete E Cascudo
(Wagner Dias)
02 - Trocando Em Miudos
(Chico Buarque - Francis Hime)
03 - Caridade
(Nelson Cavaquinho - Ermínio do Vale)
04 - Outra Vez
(Isolda)
05 - Logo Agora
(Jorge Aragão - Jota Be)
06 - Recado
(Gonzaga Jr.)
07 - Quase Sempre
(Edu Lobo - Cacaso)
08 - Homenagem Ao Malandro
(Chico Buarque)
09 - As Rosas Não Falam
(Cartola)
10 - Rola Bola
(Thomas Roth - Luiz Guedes)
11 - Dores De Amores
(Luiz Melodia)
12 - Amigo É Pra Essa Coisas (part. esp. João Nogueira)
(Silvio da Silva Jr. - Aldir Blanc)


COLABORAÇÃO: Laércio

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Aviso sobre a coletânea da cantora Chiquita

Música do primeiro disco da jovem intérprete foi adicionada na coletânea 

Acabo de receber do amigo Paulo Castelo Branco, a quem agradeço pela colaboração, a faixa “Calypso dos verbos”, do primeiro disco da Chiquita, gravado em 1960, para ser adicionada na coletânea da cantora, postada hoje pela manhã. Assim, pra completar a discografia, fica faltando apenas a faixa “Meu diploma”, de um 78 RPM produzido em 1961. Se você já baixou a pasta, não precisa fazer o download novamente. Basta baixar a música aqui, e adicioná-la na coletânea, lembrando que refiz a contracapa, agora atualizada, que pode ser copiada da postagem anterior. Por conta disso, deletei o primeiro link e passo a oferecer um novo.


Chiquita - Coletânea Twist Outra Vez (2017)


Seleção com sete músicas se destaca pela versão do hit "Let's twist again"
Chiquita é mais uma cantora infanto-juvenil dos primórdios do rock brasileiro. Pra resgatá-la, o nosso amigo Aderaldo montou essa coletânea com sete músicas, gravadas na Odeon entre 1960 e 1962, e agradeço a ele por enviá-la para postagem. Ele destaca que, apesar dos esforços, ainda falta mais uma música – “Meu diploma”, do 78 RPM produzido em 1961 – pra completar a provável discografia da cantora. Li – não me lembro onde e nem quando – que a artista posteriormente mudou o nome, e espero que algum amigo – provavelmente o Paulo Castelo Branco, expert no assunto, e que ofereceu uma faixa desta seleção – possa esclarecer a dúvida e informar qual foi o adotado.

Francisca de Oliveira Paula Assis, seu nome de batismo, nasceu na capital paulista, e começou a carreira aos 11 anos numa festa promovida pelo Colégio São Bento no Santa Paula Country Clube. Os que a ouviram cantar na festa escolar a apresentaram ao Durval de Souza, da TV Record, que a incluiu em seu “Programa Durvalino”. Por coincidência feliz, o programa foi visto pelo compositor Fred Jorge, então divulgador da Odeon, e a levou para a gravadora. Segundo reportagem da época, seu maior sucesso foi “Bobby Bobby Bobby”, também gravada pela Regina Célia (aqui), e tinha habilidade de imitar 22 artistas famosos, como Brenda Lee, Elvis Presley, Inezita Barroso, Isaura Garcia, Maysa e outros, mostrando que também era uma grande intérprete. Confira:

01 – 1960 – Rock das vogais (Rock'n'roll The Vowels
 (Vin Roddie – vs: Juvenal Fernandes)
02 – 1961 - Psiu
 (Ciloca Madeira) 
03 – 1961 – Cartão postal
 (Silvino Neto) 
04 - 1961 - Bobby Bobby Bobby
(Carole King - Charles Weiss - Mel Glazer – vs: Fred Jorge)
05 - 1962 - Twist big bom
(Baby Santiago)
06 – 1962 - Twist outra vez (Let's Twist Again)
(Dave Appell - Kal Mann – vs: Fred Jorge)
07 - 1960 - Calypso dos verbos *
(Mário Gennari Filho – Fred Jorge)

*  Faixa cedida por Paulo Castelo Branco


COLABORAÇÃO: Aderaldo


quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Trilha sonora nacional da novela "O Rebu" (1974)

Álbum com 14 faixas se destaca pelas composições de Raul Seixas e Paulo Coelho
A trilha sonora nacional da novela O Rebu atende ao pedido do internauta Sebastião. A telenovela, produzida pela Rede Globo, foi exibida entre 4 de novembro de 1974 e 11 de abril de 1975, às 22 h, substituindo O Espigão e sendo substituída por Gabriela. Foi a 20ª "novela das dez" da emissora. Escrita por Bráulio Pedroso, foi dirigida por Walter Avancini e Jardel Mello, com supervisão de Daniel Filho, totalizando 112 capítulos. Com essa novela, a emissora iniciou a integração da rede nacional da Rede Globo, já que na época havia atrasos na apresentação dos capítulos das novelas no País, sendo que a extinta Tupi foi a primeira a uniformizar sua programação em rede nacional, a partir de 1 de julho de 1974. A trama contou com a participação de atores como Lima Duarte, Ziembinski, Bete Mendes, Buza Ferraz, Tereza Rachel, Maria Claudia, Ruth de Souza, José Lewgoy, Arlete Sales, Carlos Vereza e outros. A trilha sonora, com boa parte das canções criada por Raul Seixas e Paulo Coelho, foi lançada pela Som Livre, e traz intérpretes como Sonia Santos, Elza Soares, Fábio Stella, Betinho e outros, além do próprio Raul Seixas, presente em três das 14 faixas. Confira:

01 - Raul Seixas - Como Vovó Já Dizia
(Raul Seixas - Paulo Coelho)
02 - Sonia Santos - Porque
(Raul Seixas - Paulo Coelho)
03 - Alcione - Planos de Papel
(Raul Seixas)
04 - Orquestra Som Livre - Katherine
(Paulo Coelho)
05 - Betinho - Murungando
(Raul Seixas)
06 - Orquestra Som Livre - O Rebu
(Raul Seixas - Paulo Coelho)
07 - Elza Soares - Salve a Mocidade
(Luiz Reis)
08 - Raul Seixas - Um Som Para Laio
(Raul Seixas)
09 - Fábio Stella - Se o Rádio Não Toca
(Raul Seixas - Paulo Coelho)
10 - Raul Seixas - Água Viva
(Raul Seixas - Paulo Coelho)
11 - Orquestra Som Livre - Tema Dançante
(Roberto Menescal)
12 - Trama - Vida a Prestação
(Raul Seixas - Paulo Coelho)
13 - Orquestra Som Livre - Senha
(Paulo Coelho)
14 - João Roberto Kelly - Trambique
(João Roberto Kelly - Adilson Manhães)



quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Leila Silva - O mais puro amor (CD 2001)

 
Compilação do selo Revivendo inclui os grandes sucessos da cantora
Leila Silva, cantora de muito sucesso na primeira metade dos anos 1960, comparece no blog com este “O mais puro amor”, CD do selo Revivendo que reúne seus grandes sucessos. A possibilidade de postá-lo se deve ao amigo Aderaldo, a quem agradeço pela colaboração. O repertório inclui 21 canções, como “Juca do Brás”, “Perdão para dois”, “Não sabemos”, “Flor amorosa”, "Tango triste", “O amor mais puro” e até “Apesar de você”, de Chico Buarque, lançada em 1970 e censurada no ano seguinte pelo regime militar. Tomei a liberdade de incluir, como bônus, a música “Não diga a ninguém”, de José Messias, uma das minhas preferidas do seu repertório, e inexplicavelmente ausente da seleção.

Inezila Nonato da Silva, seu nome de batismo, nasceu em Manaus, no Amazonas, em 7 de junho de 1935. A família se transferiu para São Paulo após a aposentadoria do pai. A jovem, então com 15 anos, logo revelou seus dotes artísticos, e estudou piano e violão. Começou a cantar na Rádio Atlântica de Santos e atuou na Rádio Clube e Rádio Cacique, também no litoral paulista, onde morava. Ganhou vários prêmios na cidade. Em 1959, subiu da baixada santista para a capital paulista para investir na carreira, e logo obteve contrato no selo Califórnia, onde gravou se primeiro disco, um 78 RPM, com os sambas-canções “Mentira” e “Resignação”, sem nenhuma repercussão.

Na sequência, foi contratada pela Chantecler, e lançou de imediato o EP com “Tango triste”, “Irmã da saudade”, Sarjeta” e “Mar negro”, com muito sucesso. Meses depois, ainda em 1960, lançou seu primeiro LP, “Perdão para dois” (na foto acima), com êxito instantâneo. Foi contratada pela Rádio Record e ganhou prêmios cobiçados, como Roquette Pinto e Chico Viola. Na Chantecler, ainda gravaria mais dois álbuns, “Quando canta Leila Silva” e “Novamente ela”, além de vários compactos, com destaque para “Juca do Brás” (na foto acima), um dos grandes sucessos de 1964. Sua carreira discográfica inclui discos pela RGE, RCA Victor, Beverly e Continental, totalizando 27 compactos e 15 LPs até 1978 que a credenciaram a se apresentar em países como Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile e Portugal. Hoje, segundo consta, mora em Santos e faz apresentações esporádicas.

01 - Não sabemos
(Rubens Caruso)
02 - Sarjeta
(J. Luna - Clodoaldo Brito)
03 - Perdão para dois
(Palmeira - Alfredo Corleto)
04 - Dizem
(Atauldo Alves)
05 - Flor amorosa
(Catulo - Calado)
06 - Juca do Brás
(Haroldo José - Romeu Tonelo)
07 - Brasil, canto contigo
(Dom - Ravel)
08 - Rotina
(Raul Sampaio - Benil Santos)
09 - Que será de ti
(D. Ortiz - M. Thereza Marquez - Hélio Ansaldo)
10 - Justiça de Deus
(Normindo Alves - Ruth Amaral Dias)
11 - O amor mais puro
(Palmeira)
12 - Desespero
(U. Silva - L. Mergulhão - P. Aguiar) 
13 - Chiclete com banana
(Gordurinha - Almira Castilho)
14 - Meu prelúdio
(Waldir Azevedo - Mirian Barbosa)
15 - Volta amor (Hold Me)
(Les Reed - J. Rae - Sebastião F. Silva)
16 - Asfalto falsificado
(Cyro Aguiar)
17 - Murmurando
(Fon-Fon - Mário Rossi)
18 - O que é que eu faço
(Rbamar - Dolores Duran)
19 - Nó-de-porco
(Haroldo José - Romeu Tonelo)
20 - Irmã da saudade
(João Pacífico - Portinho)
21 - Apesar de você
(Chico Buarque de Hollanda)
22 - Bônus - Não diga a ninguém (Já fiz a sua trouxa)
(José Messias)

COLABORAÇÃO: Aderaldo