Pesquisar este blog

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Au Bonheur Des Dames - Twist (1973)

LP de estreia do grupo de rock francês, lançado em 1973,  é a bossa-novista "L'Île du bonheur"

Sabe aquele disco importado que a gente vê em oferta e não resiste a tentação de comprá-lo por causa da capa e do repertório com referências ao rock e ao twist nos títulos? Foi o caso deste "Twist", do grupo "Au Bonheur des Dames",  sobre o qual não tinha a mínima referência, mas achei legal também pelo fato de ser de 1973, o mesmo ano do primeiro LP dos Secos & Molhados, que me surpreendeu na época pela irreverência. Soube, depois, que se trata do álbum de estreia do grupo de rock francês liderado por Ramon Pipin, um dos compositores do grupo.

A música "Oh! Les filles", que fecha o álbum, foi uma das mais vendidas na França naquele ano. O nome da banda é provavelmente inspirado no título do romance clássico" Au Bonheur des Dames ", de Emile Zola. Tudo indica que o grupo se manteve na ativa até 1987, e fez revivals em 1977 e 2006. Gostei do disco e destaco a faixa "L'Île du Bonheur", com forte levada bossa-novista. No mais, é muito rockabilly, gostoso de ouvir, só que feito dez anos antes do que produziria entre nós bandas como o João Penca e seus Miquinhos Amestrados. Confira:

01 - Mâche de la gomme
..... (Ramon Pipin)
02 - Rock'n'roll
..... (Ricky Brantalou)
03 - Ego-dames
..... (Ramon Pipin)
04 - Yakety-yak
..... (Leiber Stoller - Eddick Ritchell)
05 - Twist a St-Tropez
..... (G.Lafitte - M.Solal - A.Salvet - L.Morisse)
06 - L'Île du Bonheur
..... (Ramon Pipin - Costric 1er)
07 - Détonateur rock
..... (Ramon Pipin)
08 - Des mégalos pour mes galas
..... (Ramon Pipin - Jimmy Freud)
09 - Ramsès
..... (Ramon Pipin)
10 - Oh ! Les filles
..... (Marty Robbins - Adpt.Française Eddy Vartan)


quarta-feira, 30 de maio de 2012

Sylvinho Blau Blau - Topete (Primeiro disco solo)

Primeiro solo do Sylvinho Blau Blau em 1988 tem a participação especial de Lulu Santos

Entrei ontem no blog SanduícheMusical e fiquei surpreso ao ver o LP de 1991 do Sylvinho Blau Blau, postado há seis meses, como o mais popular da lista. Logo imaginei que algo aconteceu com o ex-vocalista da banda Absyntho, pois a postagem não tinha despertado a atenção do público até o momento. Fiz uma pequisa na rede e constatei que o repentino interesse pelo cantor se deve ao fato de ele ser um dos participantes da quinta edição do programa "A fazenda", reality show da TV Record, iniciado ontem, 29. 

Por conta da demanda, achei que seria legal postar este primeiro disco solo do Sylvinho, lançado em 1988, logo após o fim do grupo Absyntho. Ele ainda nem tinha incorporado o "Blau Blau" no sobrenome artístico. A música "Medo feroz" foi a faixa de trabalho do álbum "Topete" e obteve relativa repercussão. O disco é bem produzido e se destaca pela participação especial do Lulu Santos na música que dá título ao disco, composta pelo próprio em parceria com Bernardo Vilhena. Entre os compositores também se encontram o Lobão, Vinicius Cantuária, Ed Wilson e Evandro Mesquita, entre outros. 

Sylvinho começou sua carreira na banda Absyntho. Ficou famoso com a música "Meu Ursinho blau-blau" e participou de uma série de programas de televisão e rádio. Outras canções, como "Só a lua", "Palavra mágica" e "Lobo", também estouraram nas paradas de sucesso. Apesar do início promissor, a carreira solo não emplacou, e Sylvinho montou uma agência de publicidade. Depois, segundo o Wikipedia, enfrentou problemas com drogas, e entrou em 1998 para a Igreja Pentecostal Nova Vida.

Em 1999, voltou à ativa gravando o CD "Animal Faminto", época em que também decidiu posar nu na revista Íntima e Pessoal. A igreja não se opôs quando decidiu posar nu. Criado em Copacabana, Sylvinho tem dois filhos, frutos de seu enlace com Ana Paula Pereira, uma jornalista e ex-Rainha do Carnaval Carioca, Maria Luiza e Antonio Luiz. O cantor está na ativa, e quem sabe agora, com a visibilidade em "A fazenda", ele não consegue engrenar a carreira novamente? Fica a torcida. Confira:

01 - Medo feroz
..... (Elias Abossamra - Cacá Moraes)
02 - Topete - part. especial Lulu Santos
..... (Lulu Santos - Bernardo Vilhena)
03 - Ibope
..... (Sylvinho - Cacá)
04 - Um dia desses
..... (Ed Wilson - Cury)
05 - Eu sou mais eu
..... (Arnaldo Brandão)
06 - Cilada
..... (Michael Sullivan - Paulo Massadas)
07 - Amar é preciso
..... (Sylvinho - Salu Esperança)
08 - Coração de plástico
..... (Vinicius Cantuária - Evandro Mesquita)
09 - Madrugada
..... (Sylvinho - Salu Esperança)
10 - Garota programada
..... (Paulinho Lima - Fred Maciel)
11 - Aconteceu
..... (Lobão - Bernardo Vilhena)

FICHA TÉCNICA

Direção artística - Miguel Plopschi
Produção executiva - Michael Sullivan
Gravação - Flávio Sena 
Mixagem - Franklin Garrido
Supervisão gráfica - Tadeu Valério e Stella Nascimento
Fotos: Cláudia Jaguaribe
Produção fonográfica - Luciana Fontenelle
Roupas e acessórios - Yes Brazil e Gregório Faganello
Capa & arte - Jo Oliveira - Tadeu Valério


terça-feira, 29 de maio de 2012

The Illers - Discothèque a Go-Go (1966)

Grupo The Illers executa os grandes sucessos internacionais de 1966 na "onda" do a go-go

Você sabe o que é o a go-go? Na contracapa deste álbum da banda italiana The Illers, lançado no Brasil em 1966 pela Chantecler, encontramos uma resposta: "um sociólogo diria que é 'um subterfúgio dos jovens para exprimir um dos maiores problemas de nossa era, o conflito de gerações. Mas podemos afirmar de que não é nada tão grave e nem causa de estudo profundo do comportamento desta juventude irriquieta, porém sadia de nossos dias. O a go-go é mais do que um simples ritmo. É uma forma de estravazamento de toda essa ansiedade de viver intensamente que toma conta dos jovens de hoje".

Quer mais informações sobre o que é o a go-go? Pois o texto prossegue: "Na 'onda do a go-go', o jovem se esquece de seus problemas, e seu único interesse é viver cada minuto. E qual a fórmula para se alcançar tal fenômeno? É simples: música... Música bem dosada de melodia, de uma sonoridade repousante que os impele a dançar. E mesmo para a dança, o a go-go não traça limites rigorosos, pois na onda do a go-go estão enquadrados diversos tipos de danças, desde o shake, o monkei, o slow, o iê-iê-iê, passando pelo tradicional fox-trot e atingindo até a folclórica dança grega do sirtaki".

Neste contexto, o texto informa que a banda The Illers traz neste disco todo um panorama dentro das regras básicas do a go-go. O resultado é música boa para se ouvir e dançar, seja qual for a sua idade ou preferência. "Sucessos mundiais aqui estão reunidos em orquestrações suaves, bem humoradas e, o que é mais importante, cheias de ritmo gostoso, quente, convidativo à dança. E, cá pra nós, uma apostazinha: ponha o disco na vitrola e, logo aos primeiros compassos de qualquer uma das faixas, o seu pezinho estará acompanhando The Illers, como se fosse um instrumento extra do conjunto". Então tá. O único problema é que o disco nada informa sobre a banda. Confira:

01 - Un grosso scandalo (Shame and scandal in the family)
..... (Brown - Donaldson - Beretta)
02 - La playa
..... (Van Wetter)
03 - Mister Tamburino
..... (Bob Dylan - Mogol)
04 - Cast your fate to the wind
..... (Guaraldi - Weber)
05 - Alleluja
..... (Plante)
06 - Zorba's dance
..... (Teodorakis)
07 - La la la la la
..... (Clarence Paul)
08 - I ragazzi del sirtaki
..... (Lunero)
09 - Il mio relax
..... (Lunero)
10 - Blowin' in the wind
..... (Bob Dylan)
11 - La finta tonta (Surfin'senorita)
..... (Moss - Alpert - Beretta)
12 - Il silenzio
..... (Tradiz.-elab. Lunero)

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Silvio Brito e Os Apaches - Muito prazer, Jesus Cristo

Silvio Brito, antes de investir na carreira solo, era vocalista da banda mineira Os Apaches


Eis um EP gospel do cantor Silvio Brito, gravado na época em que atuava no grupo Os Apaches e morava na cidade mineira de Varginha. O disco, das Edições Paulinas, não traz o ano do lançamento, mas já revela as raízes roqueira e religiosa do artista, que faria sucesso na esteira do Raul Seixas a partir de 1974 com a música “Tá todo mundo louco”.  Os destaques do compacto duplo são a faixa de abertura “Estou de volta”, com forte levada soul music, e a mensagem do Padre Zezinho na contracapa do disco: “Achei que um jovem que domina 10 instrumentos, compõe, e procura viver o que anda cantando devia receber um púlpito. Trouxe-o para vocês”, apadrinha o religioso.

Silvio Brito nasceu em Três Pontas, cidade vizinha de Varginha, para onde sua família mudou quando tinha seis anos. Foi lá que começou a cantar no programa "Petizada Alegre", da Sociedade Rádio Clube de Varginha, o mesmo do saudoso cantor e locutor Gilberto Lima. Silvio, de acordo com seu site, gravou o primeiro disco com a música  “Jambalaya”, sucesso de Brenda Lee, quando tinha 10 anos. Participou de dezenas de programas nas TVs e emissoras de rádio do Rio e de São Paulo, e em 1962 foi contratado pela TV Nacional de Brasília para apresentar um programa infantil.

 Aos 12 anos, Silvio compôs sua primeira música. Já tocava trombone, saxofone na banda do colégio e logo em seguida começou a tocar violão e piano nas festas escolares. Formou sua primeira banda - Os Apaches (na foto ao lado) com 15 anos de idade, gravando sucessos da época, inclusive na gravadora Paladium. Após oito anos nos Apaches, veio para São Paulo e iniciou sua carreira artística solo, compondo e fazendo arranjos para músicas religiosas na gravadora Edições Paulinas e, em seguida, na Continental. No final de 1974 se tornou sucesso como cantor e compositor, apresentando em 1975 um programa de TV na Tupi, ao lado do cantor e ator Fábio Jr.

Outros sucessos foram “Pare o Mundo que eu quero descer” e “Espelho Mágico”, cujo refrão perguntava se “Havia alguém no mundo mais louco do que eu?”. Sucessos que inclusive embalavam o Programa Silvio Santos nas memoráveis tardes de domingo, com o programa "Qual é a Música?" , da extinta TVS (TV Studios), atual SBT (Sistema Brasileiro de Televisão), onde diversos cantores também estiveram à época como Ronnie Von, Dudu França, Marcelo, Gretchen e outros. Silvio Brito também dedica-se à música religiosa, produzindo, compondo e arranjando diversos discos do Padre Zezinho, de quem é amigo pessoal de longa data, como confirma este disco:

01 – Estou de volta
..... (Silvio Brito)
02 – Mensagem
..... (Silvio Brito)
03 – Muito prazer, Jesus Cristo
..... (Padre Zezinho – Silvio Brito)
04 - ... E Cristo vive
..... (Silvio Brito)

FICHA TÉCNICA

Arranjos: Silvio Brito – Tibiriçá
Conjunto: Os Apaches
Direção geral: C. Nogueira


domingo, 27 de maio de 2012

Vários artistas - Som Brasil - Especial Jovem Guarda

Wanderléa, Jerry Adriani e Golden Boys foram os convidados especiais do programa
Quem curte a Jovem Guarda deve ter assistido na última sexta-feira, dia 25, a apresentação do programa Som Brasil, exibido pela Rede Globo, que homenageou o movimento musical liderado por Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa. Esta postagem, com 13 faixas, traz o áudio da atração global, apresentada pela atriz Camila Pitanga. A filosofia do programa é escalar artistas emergentes da MPB para reviver cantores, compositores e movimentos musicais, como foi o Jovem Guarda. Entre os novatos convidados estão o multi-instrumentista Marcelo Jeneci, acompanhado de Laura Lavieri, e o trio de rock alternativo Stop Play Moon. Os outros dois, mais conhecidos do público, foram a Banda Calypso e o grupo Restart, principais alvos das críticas ao programa. Para muitos, a emissora errou feio na escolha dos intérpretes, e deveria escalar nomes consagrados para homenagear à altura o movimento que, além de sacudir a juventude nos anos 1960, também introduziu a guitarra elétrica na MPB.

O ponto alto foi a participação especial da Wanderléa, Jerry Adriani e Golden Boys no programa. A Ternurinha marcou presença ao lado da banda Calypso para cantar "Pare o Casamento" e "Prova de Fogo". Jerry Adriani se juntou ao Restart para entoar "Doce doce amor", e os Golden Boys afinaram o coro do Marcelo Jeneci com o hit "Alguém na multidão". Além das parcerias, cada artista apresentou outras duas canções, com exceção do Calypso, privilegiado com três: um pot-pourri com sucessos do Roberto Carlos ("Parei na contramão", "Eu sou terrível" e "É proibido fumar"), "Festa de arromba"  (Erasmo Carlos) e "Devolva-me" (Leno & Lilian). Restart defende os rocks “O Bom” (Eduardo Araújo) e “Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones” (Os Incríveis). Marcelo Jeneci, ao lado de Laura Lavieri, veio de "Esqueça" (Roberto Carlos) e "Gatinha Manhosa" (Erasmo Carlos), enquanto o trio de rock alternativo Stop Play Moon - que poderia cantar em dueto com Os Vips ou a Martinha - recordou “A volta”,  “Eu daria a minha vida” e “Rua Augusta” (Ronnie Cord) com interessante e boa releitura. Confira:

01 - Banda Calypso - Parei na contramão - Eu sou terrível - É proibido fumar
..... (Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
02 - Restart - O bom
..... (Carlos Imperial)
03 - Marcelo Jeneci e Laura Lavieri - Esqueça (Forget Him)
.....(Mark Anthony - vs: Roberto Corte Leal)
04 - Stop Play Moon - Rua Augusta
..... (Hervê Cordovil)
05 - Banda Calypso - Festa de arromba
..... (Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
06 - Restart - Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones
..... (C'era un ragazzo che come me amava I Beatles e I Rolling Stones)
..... (Lusini - Migliacci - vs: Brancato Junior)
07 - Marcelo Janeci - Gatinha manhosa
..... (Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
08 - Stop Play Moon - Eu daria a minha vida
..... (Martinha)
09 - Banda Calypso - Devolva-me
..... (Renato Barros - Lilian Knapp)
10 - Restart & Jerry Adriani - Doce doce amor
..... (Raulzito)
11 - Marcelo Jeneci & Golden Boys - Alguém na multidão
..... (Rossini Pinto)
12 - Stop Play Moon - A volta
..... (Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
13 - Banda Calypso & Wanderléa - Pare o casamento (Stop the wedding) e Prova de fogo
..... (A.Resnick - K. Young - vs: Luiz Keller) - (Erasmo Carlos)

sábado, 26 de maio de 2012

Tekila´s New Sound - Em tempo de festa (1971)

Tekila´s substituiu Os Incríveis durante dois meses no programa Festival da Juventude

15 de outubro de 1961. Um grupo de alunos do curso da antiga Estrada de Ferro Sorocabana se apresenta na sede da Sociedade 25 de julho, ali na rua Santa Rosália, em Sorocaba, no interior de São Paulo. Era o evento comemorativo do Dia do Professor. Um deles, o José Ribeiro, após saber que alguns alunos tocavam instrumentos musicais, foi quem os reuniu para se apresentar na festa. Entre eles estavam o Tarcizio Carlos, que tocava acordeon, Reginaldo Ferrari (sax) e Dirceu Rosa (piston), entre outros. Desse pequeno evento surgiu a primeira semente do conjunto Tekila Ritmos. Dez anos depois, com nova nomenclatura, o grupo estava lançando este LP, produzido pelo selo Popular, para comemorar os dois dígitos de atividades.

O saldo dos 10 primeiros anos é invejável: animou 1.346 bailes em 93 cidades, segundo informa a contracapa do disco. A foto da capa é de Nelson Casagrande Jr, e foi tirada em área do Zoológico Municipal "Quinzinho de Barros", em Sorocaba, de acordo com o amigo Peter no Comentários. As imagens originais do álbum estão na pasta com o áudio, mas achei melhor ilustrar o post com a capa e contracapa que montei para o blog. O repertório contempla instrumentais e vocais de hits da época, como "Chuva suor e cerveja", "Mamy blue",  "Get me some help" (conhecida pela versão "Vem me ajudar", dos Fevers), "Festa de Santo Reis" (que aqui virou "Festa de Santo Rei") e outras do início dos anos 1970. Os arranjos são de João B. Alves e Roque Pereira. O interessante é que a contracapa do álbum traz a reprodução do cartão de visita da banda, que tinha escritório no número 605 da rua Assis Machado, em Sorocaba, e era empresariado por Tomaz Cortes Montes, um dos integrantes do grupo.

Procurei informações sobre a banda e encontrei no portal do Jornal Cruzeiro do Sul, relativa a edição impressa em 20/10/2011, o relato do próprio Tomaz sobre a banda, lembrando que a mesma estava completando 50 anos. É dele a informação inicial sobre a festa do Dia do Professor em 1961. Tomaz conta que, além dele no vocal e dos três alunos já citados, foram incorporados os músicos Augusto Arruda (Nico) na guitarra, Manoel Moreno (Mané) na bateria, e José Carlos Mota (Mota) contrabaixo. Eles formaram o conjunto Tekila Ritmos, que depois passou por outras mudanças. Foi Tekilas de Sorocaba, Tekila’s New Sound e New Band Tekilas. "Esse conjunto esteve em atividade até 1981. Foram 20 anos fazendo bailes, shows, carnavais e feiras que chegaram a quase 3 mil apresentações. O conjunto Tekilas visitou 160 cidades entre São Paulo, Paraná e Minas Gerais. Gravou dois LPS e dois compactos com cantores de Sorocaba", enumera.

Tomaz lembra que em 1963 o grupo se apresentou na TV Paulista, canal 5, e na TV Excelsior, canal 9. Em 1964 assinou contrato com a TV Excelsior, canal 9, por dois meses para substituir The Clevers (Os Incríveis), no programa Festival da Juventude e ainda apareceu na TVs Tupi e Record. "Em todos esses anos de música curtimos muito as nossas viagens, as cidades que visitamos e as amizades que ficaram. Hoje, ao completar 50 anos do nome Tekilas, agradecemos a todos que conosco conviveram entre dançarinos, músicos e amigos. É muito bom e legal, apesar de todo esse tempo, ser reconhecido e saudado em alguns lugares com "O Tekilas". Parece que foi ontem!", encerra. É bem provável que alguns amigos, principalmente aqueles de Sorocaba que moraram na região entre 1960 e 1980, estejam entre os que se lembram da banda ou dançaram num dos saudosos bailinhos animados pelo Tekilas. Confira:

01 - Festa de Santo Reis
..... (Márcio Leonardo)
02 - O primeiro amor
..... (Antonio Carlos - Jocafi)
03 - Cristo nu
..... (Maurício T. de Campos - Paulo de Morais)
04 - Se quiser valer
..... (Antonio Carlos - Jocafi)
05 - Chuva, suor e cerveja
..... (Caetano Veloso)
06 - Boogaloo down Broadway
..... (James Last - English - Weiss)
07 - How can I believe
..... (Eivets Rednow)
08 - Festa da cerveja
..... (D.P.)
09 - Jussara
..... (José Paulo Toledo)
10 - Mamy blue
..... (Hubert Giraud)
11 - Dá logo a decisão
..... (Guio de Morais - Haroldo Barbosa)
12 - Vem me ajudar (Get me some help)
..... (N.Byl - D. Vangarde)


sexta-feira, 25 de maio de 2012

Vários intérpretes - Chega de saudade (1997)

Álbum duplo de Bossa Nova foi produzido exclusivamente para a Organização Propeg

Pensei muito sobre qual seria a primeira postagem neste novo endereço. Achei que deveria começar com algo nacional e especial. Optei por este "Chega de saudade", CD duplo exclusivo, não lançado comercialmente, produzido originalmente em 1997 pela Polygram para a Organização Propeg, da área de comunicação. A empresa distribuiu o disco num kit, acompanhado do livro "Chega de saudade", do Ruy Castro, sobre a Bossa Nova, para seleto grupo de amigos e clientes. São 28 canções selecionadas a dedo que sintetizam a essência e o melhor do movimento, um dos mais influentes da história da MPB, conhecido em todo o mundo. 

Por isso mesmo, entre as faixas reunidas em dois CDs estão presentes nomes como Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Nara Leão, Sylvia Telles, Baden Powell, Lúcio Alves, Dick Farney, Os Cariocas e tantos outros. O repertório traz, logo na abertura do primeiro CD, o excelente "Eu quero um samba", interpretado pelo grupo Os Namorados, cujo vocal se assemelha muito com o de Os Demônios da Garôa. A lista prossegue com pérolas compostas por Billy Blanco, Johnny Alf, Ronaldo Bôscoli, Roberto Menescal, Zé Keti, Edu Lobo e outros, além de Tom Jobim, Vinicius de Moraes e Aloysio de Oliveira. Entre os intérpretes, além dos já citados,encontramos Elis Regina, Maysa, Cyro Monteiro, Tamba Trio, Os Gatos, Emilio Santiago e Leila Pinheiro. Um álbum só de craques com clássicos da Bossa Nova que não pode faltar em sua coleção. Sintonize:

CD 1

01 - Os Namorados - Eu quero um samba
..... (Janet de Almeira - Haroldo Barbosa)
02 - Dick Farney - Ninguém na rua
..... (Billy Blanco)
03 - Sylvia Telles - Ilusão à toa
..... (Johnny Alf)
04 - Lúcio Alves - Cheiro de saudade
..... (Luiz Antonio - Djalma Ferreira)
05 - Maysa - Fim de noite
..... (Chico Feitosa - Ronaldo Bôscoli)
06 - Tom Jobim - Chega de saudade
..... (Tom Jobim - Vinicius de Moraes)
07 - Astrud Gilberto e Tom Jobim - Só tinha de ser com você
..... (Tom Jobim - Aloysio de Oliveira)
08 - Tamba Trio - O barquinho
..... (Roberto Menescal - Ronaldo Bôscoli)
09 - Vinicius de Moraes - Pela luz dos olhos teus
..... (Vinicius de Moraes)
10 - Roberto Menescal - Surf board
..... (Tom Jobim)
11 - Carlos Lyra - Canção que morre no ar
..... (Carlos Lyra - Ronaldo Bôscoli)
12 - Os Cariocas - Vivo sonhando
..... (Tom Jobim)
13 - Cyro Monteiro - Deixa
..... (Baden Powell - Vinicius de Moraes)
14 - Baden Powell - Garota de Ipanema
..... (Tom Jobim - Vinicius de Moraes)

CD 2

01 - Elis Regina e Tom Jobim - Corcovado
..... (Tom Jobim)
02 - Os Gatos - E nada mais
..... (Durval Ferreira - Lula Freire)
03 - Dick Farney & Orquestra Gaya - Fotografia
..... (Tom Jobim)
04 - Nara Leão - Diz que fui por aí
..... (Zé Keti - H. Rocha)
05 - Lucio Alves - Nós e o mar
..... (Roberto Menescal - Ronaldo Bôscoli)
06 - Sylvia Telles - Rio
..... (Roberto Menescal - Ronaldo Bôscoli)
07 - Os Cariocas - Samba de verão
..... (Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
08 - Vinicius de Moraes & Quarteto em Cy - Minha namorada
..... (Carlos Lyra - Vinicius de Moraes)
09 - Edu Lobo - Upa, neguinho
..... (Edu Lobo - Guarnieri)
10 - Nara Leão - Sabe você
..... (Carlos Lyra - Vinicius de Moraes)
11 - Elis Regina e Tom Jobim - Chovendo na roseira
..... (Tom Jobim)
12 - Emilio Santiago - Tristeza de nós dois
..... (Durval Ferreira - Maurício Einborn - Bebeto)
13 - Leila Pinheiro - Como uma Onda (Zen Surfismo)
..... (Lulu Santos - Nelson Motta)
14 - Tom Jobim - Águas de março
..... (Tom Jobim)