Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 31 de março de 2015

Harmony Cats - Dancin'Days Medley (CS 1978)

 Quinteto vocal feminino fez muito sucesso com medleys de hits da Era Disco
Um single pra reviver os embalos de sábado à noite é este do Harmony Cats, lançado em 1978 pela RGE, com temas das novelas “Pecado Rasgado” e “Dancin’Days”, da Rede Globo. As Harmony Cats foi grupo vocal feminino de música disco, formado na cidade de São Paulo em 1976. Nasceu espontaneamente nos Estúdios Reunidos, onde fazia backing vocals para vários artistas. Hélio Costa Manso, produtor e diretor artístico da RGE, foi quem teve a ideia. Montou uma série de pout-pourris ou medleys baseados em temas de filmes e clássicos do Rock'n'Roll. Foi um sucesso tão grande que as cinco garotas - Cidinha (Maria Aparecida de Souza), Rita (Rita Kfhoury), Juanita (Maria Helena Violin), integrante do famoso Duo 'Juanita e Richard', Maria Amélia (Maria Amelia Costa Manso) e Vivian (Vivian Costa Manso) - viram seu disco ser lançado na Europa e no Japão.

O quinteto iniciou a carreira com o nome de "Bandits of Love", e no mesmo ano de 1976 mudou para Harmony Cats. Passou então a fazer muito sucesso, seguindo o estilo do grupo As Frenéticas, tendo como repertório básico a disco music, com arranjo bem eletrônico, utilizando os recursos mais modernos da época. Em 1980, o grupo virou um trio com Vivian, Maria Amélia e Sílvia Marinho. O conjunto fez sucesso na TV apresentando-se no programa "Qual é a Música", de Silvio Santos, no início dos anos 80, e suas músicas passam a ser recheadas de letras pré-adolescentes com batidinhas pop/românticas ao fundo. Em 1985, Maria Amélia saiu do grupo. Em seu lugar entrou Rosecleide. Já era um indício do fim do grupo, que veio a se concretizar pouco tempo depois, mas será lembrado por gravar medleys de hits da Era Disco. Confira:

01 – Hey baby
(Marcão)
02 – Dancing’Days Medley:
Night fever
Stayin alive
You should be dancin’
Nights on Broadway
Jive talkin’
Lonely days lonely nights
If I can’t have you
Every night fever
(B.R.M. Gibb)


segunda-feira, 30 de março de 2015

Os galãs e as estrelas cantam e dançam na TV

 LP de 1977 reúne sucessos do momento interpretados por covers não identificados
“Os galãs cantam e dançam aos domingos” foi o nome de um quadro de muito sucesso, exibido nos anos 1970, dentro do Programa Silvio Santos, que contava com nomes de sucesso como Jerry Adriani, Wanderley Cardoso e Paulo Sérgio, entre outros. Ao final da atração, que tinha a direção de Luciano Callegari, os "galãs", acompanhados por suas respectivas fãs sorteadas, dividiam os vocais e interpretavam canções dos mais diversos estilos e épocas. Em 1977, a atração serviu de inspiração para a produção e lançamento deste “Os galãs e as estrelas cantam e dançam na TV” pela Polyfar, selo econômico da Polydor/Philips.  Trata-se de um disco caça-níquel, bem produzido e com os hits do momento, interpretados por covers não identificados, e que provavelmente deve ter vendido muito. Confira:

01 - Tranquei a vida
(Ronnie Von – Tony Osanah)
02 - A vida é só pra cantar (Viva América)
(C. François – Subway – Gysbi – T.Greef – Ed Gomes – Tião da Vila P)
03 - Os seus botões
(Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
04 - If you leave me now
(P.Cetera)
05 - Sorte tem quem acredita nela
(Mário Marcos – Max – Cilliano)
06 - Xangô, o vencedor
(Ruy Maurity – José Jorge)
07 - Se te agarro com outro te mato (Si te agarro com otro te mato)
(Cacho Castaña – vs: Jean Pierre)
08 - Fim de tarde
(Mauro Motta – Robson  Jorge)
09 - Tudo está no seu lugar
(Benito de Paula)
10 – Canada
(Paton)
11 - Por favor amor (My life)
(R.Lee – M.Sullivan – Mark – vs: Fábio Marcel)
12 - Don't go breaking my heart
(A.Orson – C.Blanche)
13 - Menina dos cabelos longos
(Agepê – Canário)
14 - Carimbó português
(Roberto Leal  - Maria Lucia)



domingo, 29 de março de 2015

Tim Maia - Autógrafos de Sucesso (LP 1974)

Primeira coletânea de grandes sucessos do Tim Maia foi lançada pela Polyfar
Em 1970, quando gravou o primeiro LP na Polydor/Philips, Tim Maia não poderia imaginar que em apenas quatro anos teria repertório suficiente pra encher um álbum de grandes sucessos, cantados da primeira até a última faixa pelos fãs. Afinal, não é qualquer artista que em prazo tão curto contabiliza tantos hits, e este disco confirma sua popularidade. A série “Autógrafos de Sucesso”, uma coletânea com hits dos principais artistas do cast, foi lançada em 1974 pelo selo econômico Polyfar, com discos vendidos a preços populares. A seleção, evidentemente, reúne os primeiros êxitos musicais do nosso rei do soul, e muitos são hoje clássicos, como “Azul da cor do mar”, “Primavera” e “Você”, sem contar “Não quero dinheiro”, “A festa do Santo Reis”, “Canário do Reino”, “Chocolate” e outras do disco.

Sebastião Rodrigues Maia, nome de batismo, nasceu no Rio de Janeiro em 28 de setembro de 1942, e desde a infância teve contato com pessoas que viriam a ser grandes cantores, como Jorge Ben Jor e Erasmo Carlos. Em 1957, fundou o grupo The Sputniks, com Roberto Carlos entre os integrantes. Em 1959, emigrou para os Estados Unidos, onde teve seus primeiros contatos com o soul, vindo a ser preso e deportado. De volta ao Brasil, na efervescência da Jovem Guarda, consegue gravar dois compactos simples, o primeiro na CBS, por indicação do Roberto, e o segundo na RGE, por intermédio do Erasmo. Em 1969, sua música “Não vou ficar” é gravada por Roberto, e na sequência assina contrato com a Polydor/Philips. Finalmente, o seu terceiro compacto, com as músicas “Primavera” e “Jurema”, faz sucesso, e o resto vira história, com inúmeros hits até a morte em 15 de março de 1998, em Niterói (RJ), como atesta este LP. Confira:

01 - Azul Da Cor Do Mar
(Tim Maia)
02 - Não Quero Dinheiro (Só Quero Amar)
(Tim Maia)
03 - O Que Me Importa
(Cury)
04 - Coroné Antonio Bento
(Luiz Wanderley - João do Valle)
05 - A Festa Do Santo Reis
(Márcio Leonardo)
06 - Pelo Amor De Deus
(Tim Maia)
07 - Primavera (Vai Chuva)
(Cassiano - Silvio Rochael)
08 - Idade
(Tim Maia)
09 - Risos
(Fábio - Paulo Imperial)
10 - Você
(Tim Maia)
11 - Canário Do Reino
(Carvalho - Zapatta)
12 - Chocolate
(Tim Maia)



sábado, 28 de março de 2015

Vários intérpretes - Young lovers (LP 1972)

The Fevers, Trio Esperança e Golden Boys estão entre os destaques do LP
Uma boa dica pra curtir neste sábado é a coletânea “Young Lovers”, produzida pela EMI-Odeon em 1972, e gentilmente cedida pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço por mais essa colaboração. A julgar pelo título, em inglês, pressupõe-se repertório 100% internacional. Não é o que acontece nesse disco que traz pelo menos um destaque: The Fevers, que comparecem com identidade própria e dois pseudônimos, Age of Venus e Vacations, em cinco das 12 faixas, ocupadas pelo Paulo Diniz, Trio Esperança, Golden Boys, The Cats, Allegori e Don Sebastian. Confira:


01 - Age of Venus - Eve
(Capaldi) 
02 - Paulo Diniz - Iate Branco
(Paulo Diniz - Odibar)
03 - The Fevers - Gato e Sapato (Crying)
(J. Bouwens - Vs: Rossini Pinto)
04 – The Cats - Let's Dance
(Veerman)
05 – Vacations - Maybe The Rain Will Fall
(Peter - B. B. New)
06 - Trio Esperança - Não Volto Mais (Rock And Roll Lullaby)
(Barry Mann - Cynthia Weil - Vs: Wando) 
07 - Vacations - Come On Up, Let's Get Together
(R. Dawe) 
08 – Allegori - Baby Don't You Cry
(Peter - July - Michael) 
09 - Golden Boys - Perambulando
(Antônio Carlos - Jocafi) 
10 - Don Sebastian - For Deborah
(Roger Webb) 
11 – Allegori - Standing On My Head
(Clive Scott) 
12 - Age of Venus - Can You Dig It?
(Peter - July - Michael) 

Colaboração: Aderaldo


sexta-feira, 27 de março de 2015

Patrício Bisso - Louca pelo saxofone (LP 1987)

 Álbum da RGE reúne as canções do espetáculo musical "Louca pelo Saxofone" 
Este álbum, “Louca pelo saxofone”, do Patrício Bisso e Os Bokomokos, foi originalmente postado no SanduícheMusical, meu blog anterior, e atende ao pedido de renovação do link feito pela Noemia. A repostagem é feita aqui porque ripei o disco novamente, em 320 kbps. Deve interessar a quem ainda não conhece o disco, e especialmente a quem pretende substituir o áudio de 128 kbps pelo atual. Além disso, renovei a parte gráfica, agora em melhor resolução. O LP, lançado pela RGE em 1987, é resultado do espetáculo musical "Louca pelo saxofone".

No disco, o destaque é a participação especial, em faixas separadas, das três primeiras gerações do rock brasileiro, representadas por Tony Campello, Wanderléa e Rita Lee, e também da atriz, cantora e apresentadora Lolita Rodrigues, ícone da TV brasileira. Ela toca castanhola e dá o tom de abertura do disco na divertida “Picasso”. O álbum foi produzido sem intervalo entre as faixas, que são separadas por vinhetas. Por isso, a pasta tem dois arquivos distintos: um com as músicas e vinhetas editadas e separadas, e outro com os lados 1 e 2 na íntegra, sem intervalo.

Patrício Bisso é jornalista e escreveu uma coluna no Jornal Folha de S. Paulo. Também é ator, figurinista e cenógrafo de cinema e teatro. Nascido na Argentina, mudou-se para São Paulo na década de 1980, onde fez carreira interpretando personagens cômicos, muitas vezes travestido. O seu personagem mais famoso, uma espécie de Marta Suplicy às avessas, é Olga del Volga, uma sexóloga que dava conselhos hilários, e até apareceu na telenovela “Um sonho a mais”, da Rede Globo (na foto acima), e num filme próprio. O seu principal trabalho como figurinista foi no filme “O Beijo da Mulher-Aranha”, indicado ao Oscar, de Hector Babenco, onde também trabalhou como ator. Hoje, segundo consta, estaria morando na Argentina. Confira o disco:

01 - Picasso  (Rock Flamenco)  – part. esp. Lolita Rodrigues
(Patrício Bisso)
02 - Praia do Amor (Twist Americano)
(Christian – Usher – vs: Patrício Bisso)
03 - Mata Hari (Baião Oriental)
(Melingo – Tellas – vs: Patrício Bisso)
04 -  Hot Voodoo (Fox Africano)
(Colow – Rainger – vs: Patrício Bisso)
05 - Cine Città (Twist Italiano)
(Patrício Bisso)
06 - Pare, repare, espere e desespere (Iê-iê-iê de Protesto) – Part. esp. Wanderléa
(Patrício Bisso)
07 -  Bela Festa (Pop)
(Wiener – Bluck – Gold – vs: Patrício Bisso)
08 - Sou Moderna (Twist Futurista)
(Patrício Bisso)
09 - Hippie (Rock) – Part. esp. Rita Lee
(Patrício Bisso)
10 - Ela Não Tem Namorado  (Twist triste) – Part. esp. Tony Campello
(Gladys Marie Caballero – vs: Fred Jorge)
11 - Louca Pelo Saxofone (Twist Dodecafônico)
(Patrício Bisso)




quinta-feira, 26 de março de 2015

Letícia Monsó - Nascer por você (CD 2005)

 CD produzido por Eduardo Lages traz 4 músicas do repertório do Roberto Carlos
Uma agradável surpresa foi conhecer e ouvir “Nascer por você”, segundo CD da Letícia Monsó, lançado em 2005, com produção e direção do Eduardo Lages, popularmente conhecido como “o maestro do Roberto Carlos”. Não por acaso, o álbum inclui quatro músicas do repertório do rei – “Aceito seu coração”, “Negro gato”, “Você não serve pra mim” e “Quase fui lhe procurar” - todas com roupagem especial. Letícia também interpreta “Poema”, de Cazuza e Frejat; “A ilha”, de Djavan; “Chuva de verão”, de José Augusto; “Água e luz”, sucesso na voz da Amelinha e “Gente humilde”, de Chico Buarque, Vinícius de Moraes e Garoto. A compositora e cantora assina “Mãe Maria do Senhor” e a faixa título do álbum “Nascer por você”. O resultado é um disco clean, leve, gostoso de ouvir, com arranjos na medida certa pra bonita voz da intérprete.

O site da artista está fora do ar e busquei informações a seu respeito no Google. Constatei que Letícia manteve sua veia artística adormecida por mais de 19 anos, até que em 1999 atuou em quatro apresentações na ex-casa de espetáculos Palace, em São Paulo. Foi o bastante pra ”acordar” novamente, largar tudo que estava fazendo e se dedicar à carreira artística. Daí até o seu primeiro CD, “Clara Mente”, totalmente arranjado por Lincoln Olivetti, foram mais de oito meses de trabalho. O disco, distribuído pela Paradoxx, chegou às lojas em 2001, com quatro autorais e seis regravações.

Enquanto divulgava seu primeiro disco, foi convidada pela Sony Music para integrar  um projeto especial da banda japonesa “T-Square”. Das quatro faixas que emplacou no álbum, uma em especial: o tema da Fórmula 1 do Japão. “A música já existia há mais de 15 anos, porém eles queriam uma letra. E até hoje ela é tocada por lá com minha interpretação em português”, orgulha-se. Neste mesmo período, apresentou por oito meses o programa “Sounds of Brazil”, que era transmitido em toda a costa do estado da Flórida, Estados Unidos. Na sequência, Letícia escreveu, produziu e protagonizou o espetáculo “Fever”, que estreou em agosto de 2003, no teatro Procópio Ferreira, em São Paulo, com cerca de 60 mil espectadores em cinco meses em cartaz. No começo de 2004, encerrou a temporada e voltou seu foco para a carreira de cantora, gravando este CD. Confira:

01 - Aceito Seu Coração
(Pururuca)
02 - Nascer Por Você
(Letícia Monsó)
03 - Negro Gato
(Getúlio Côrtes)
04 - A Ilha
(Djavan)
05 - Água e Luz
(Tavito – Ricardo Magno)
06 - Você Não Serve Pra Mim
(Renato Barros)
07 - Cenário
(Paulo Sérgio Valle – Eduardo Lages)
08 - Quase Fui Lhe Procurar
(Getúlio Côrtes)
09 - Poema
(Cazuza – Roberto Frejat)
10 - Chuva de Verão
(Antonio José)
11 - Gente Humilde
(Vinicius de Moraes – Chico Buarque – Garoto)
12 - Mãe Maria do Senhor
(Letícia Monsó – Lucas Robles)

FICHA TÉCNICA

Produzido e dirigido por: Eduardo Lages
Produção artística: Izabelle Stein
Arregimentação e Assistente de produção: Genilson Barbosa
Técnico de gravação e mixagem: Sérgio Ricardo
Assistente do estúdio: Renato César Paes de Oliveira e Michel da Silva Lourenço
Gravado e mixado no Blue Estúdio
Exceto faixa 12, gravada no LRCA Estúdio.
Masterização: Ricardo Garcia (RJ)
Projeto gráfico: G8 Design
Revisão de texto: Anderson Segatto
Fotos: Manoel Guimarães
Cabelo/maquiagem: Fabiano Santos



quarta-feira, 25 de março de 2015

Cristiano Gouveia - Amor e outros brinquedos

 Repertório é resultado de experiência em composição de canções para o teatro
Amor e universo feminino são temas principais do EP "Amor e outros brinquedos", lançado em 2013 por Cristiano Gouveia. Trata-se de sua estreia em disco, e o legal é que pode ser baixado gratuitamente no site Jardim da MPB, onde vários outros títulos são disponibilizados. Segundo press release enviado por sua assessoria de imprensa, as quatro músicas do EP são resultado de muita pesquisa e composição de trilhas sonoras e canções para peças teatrais.

Para este ano, o artista prepara  o álbum “Dando Corda”, nome provável devido ao uso e abuso dos arranjos com instrumentos de corda, em especial o violão, no novo disco. “Estou estudando muito violão para este projeto”, explica Gouveia, que carrega consigo as influências da bossa nova, e de nomes como Manuel de Barros, Raul Seixas, Milton Nascimento e Chico Buarque.

Ainda em 2015, Cristiano lançará um Livro-CD para crianças, em parceria com a ilustradora portuguesa Sónia Borges, intitulado “Vermelho de dar dó”. O livro, que será lançado pela Editora Bolacha Maria, também é fruto da formação cultural deste artista nascido em Santo André (SP). Com mais de 13 anos dedicados à arte, Cristiano é narrador de histórias profissional, ator, músico autodidata, multi-instrumentista, compositor e diretor musical. Desde a adolescência, se interessa pela poesia e pela escrita, e agora deixa seu registro na música. Confira:

01 - Calmaria e Fúria
(Cristiano Gouveia – Tatiana Rocha)
02 - Toma um beijo
(Cristiano Gouveia – Larissa Minghin)
03 - Sobre o meu amor
(Cristiano Gouveia – Larissa Minghin)
04 - Simples assim
(Cristiano)

FICHA TÉCNICA

Arranjos e produção musical – Dan Maia
Bateria – Alexandre Maldonado
Projeto gráfico e ilustrações – Murilo Thaveira
Foto – Aila Rodrigues
Assessoria de Imprensa - A+ assessoria


Carlinhos Borba Gato - Caminhos iguais (LP 1982)

 Carlinhos Borba Gato é um dos poucos representantes da música country no País
Se você curte country music, provavelmente vai gostar deste álbum do Carlinhos Borba Gato, um dos poucos representantes do gênero no País. O disco, que leva o nome do artista, é uma produção de 1982 da RGE, e se destaca por faixas como “Garota do chifre furado”, “Pegue o seu sorriso” e até versão do clássico “Mary Lou”, do próprio Carlinhos Borba Gato, que assina todas as faixas do disco. Além de cantor e compositor, o artista é produtor e iniciou sua carreira no final da década de 70. Seu repertório consiste basicamente em uma matriz country com fortes tendências de dixie e folk-rock. Durante a carreira, apresentou-se sob os pseudônimos Charlie B e Silver Cetera, totalizando mais de 15 álbuns lançados. Ganhou o prêmio TIM de melhor produção por "Noite Ilustrada interpreta Lupicínio Rodrigues" em 2004, ano em que lançou o CD "Acústico Country", pela gravadora Atração. Confira o LP:

01 - Oh! Jesus (Vem iluminar)
(Carlinhos Borba Gato)
02 - De um lado pro outro
(Carlinhos Borba Gato)
03 - Sempre na ilusão
(Carlinhos Borba Gato)
04 - Eu tenho a paz (You made it right)
(John Dillon – Elizabeth Anderson – vs: Carlinhos Borba Gato)
05 - Mary Lou (Hello Mary Lou)
(G.Pitney – vs: Carlinhos Borba Gato)
06 - Caminhos iguais
(Carlinhos Borba Gato)
07 - Garota do chifre furado
(Carlinhos Borba Gato)
08 – Imagens
(Maria Amélia - Carlinhos Borba Gato)
09 - Somente agora
(Carlinhos Borba Gato)
10 - Onde mora o amor
(Nenê - Carlinhos Borba Gato)
11 - Não apague a luz
(Carlinhos Borba Gato)
12 - Pegue o seu sorriso
(Carlinhos Borba Gato)


terça-feira, 24 de março de 2015

Carlos Gonzaga - Antologia Eu canto assim (2015)

 Coletânea inclui desde primeiros sucessos até regravação de "Diana" em 2009
Carlos Gonzaga é mais um cantor manjado no blog, com sinopse da carreira e músicas postadas em LPs e coletâneas. Desta vez, trago uma seleção especial, com repertório escolhido pelo Aderaldo, nosso sempre presente amigo e colaborador, a quem agradeço. A verdade é que ele atendeu ao pedido de um amigo e me enviou o link com 28 músicas gravadas ao longo da carreira iniciada nos anos 1950, sendo considerado um dos pioneiros do rock brasileiro.  Vale destacar que a ilustração acima, usada na contracapa e assinada pelo meu xará Xico, faz parte da galeria exposta pelo artista no site da Lúcia Zanetti, especializado em Jovem Guarda. A coletânea inclui desde os primeiros sucessos, como “Oh, Carol”, em 1959, até a regravação em 2009 de “Diana”, seu maior hit, acompanhado pelo The Clevers em nova formação. Confira:

01 - O problema do amor
02 - Eu amo tanto tanto (Ti Voglio Tanto Bene)
03 - Oh! Carol
04 - Guantanamera
05 - Juramento de playboy
06 - Quem é
07 - Bat Masterson
08 - Não posso te esquecer (I Can’t Stop Lovin’ You)
09 - Canário (Yellow Bird)
10 - Rosas vermelhas para uma dama triste (Red Roses For A Blue Lady)
11 - Foi teu beijo (Something Has Changed Me)
12 - Sereno
13 - São Francisco (San Francisco) (Be Sure To Wear Flowers In Your Hair)
14 - Regresso
15 - Vale do Rio Vermelho (Red River Valley)
16 - Minha promessa de amor (My Pledge Of Love)
17 - Maria Helena
18 - Um livro chamado Inês
19 - Tchin, tchin (Cheat, Cheat)
20 - Só eu e você (There's A Kind Of Hush)
21 - Ponderosa
22 - Só você (Only You)
23 - O telefonema
24 - Rapaz solitário (Lonely Boy)
25 - Para nós dois (Yester-Me, Yester-You, Yesterday)
26 - Não pode ser o final (Something)
27 - Eu canto assim (Under Your Spell Again)
28 - Diana (com The Clevers)

Colaboração: Aderaldo


segunda-feira, 23 de março de 2015

Nahim - Próxima Atração (LP 1988)

Álbum inclui "Festa maluca", música proibida para execução em rádio e TV
Com vocês... a “Próxima Atração”, disco que o Nahim gravou em 1988 na RGE, mas o que chama a atenção é a advertência impressa no rótulo do disco sobre a música "Festa maluca". Estranhamente, já que vivíamos no regime democrático que perdura até hoje, ou por estratégia de marketing para aumentar as vendas, a canção é proibida para execução em rádio e TV, mas liberada em recinto fechado. No repertório, duas regravações: "Na sombra de uma árvore" , sucesso do Hyldon, e “O menino da gaita”, do repertório do Sérgio Reis. O principal destaque é “Rock maquiado”, bem ao gosto de Chuck Berry, composta pelo Nahim em parceria com D.Wolff, além da faixa que dá título ao álbum, uma baladinha romântica como “O amor não morreu”, outra faixa do disco.

Nahim Jorge Elias Júnior nasceu em 11 de agosto de 1952 em Miguelópolis, no interior de São Paulo, e começou a tocar com 10 anos, quando formou seu primeiro grupo, o “New Edition”, na escola. No fim dos anos 70, auge da era “disco”, ele era um dos sócios da Discoteca Aquarius e começou a cantar em inglês em sua casa noturna. Lá, foi descoberto pelo produtor Mister Sam – o mesmo da Gretchen – e o lançou com o pseudônimo de Baby Face. Após gravar dois compactos em inglês, contratado pela Copacabana, Nahim bateu o pé: só continuaria gravando se fosse em português e usando o próprio nome.

Foi assim que, em 1981, fez sucesso com “Cala Essa Boca”, versão para “Shuddup Your Face”, de Joe Dolce. A partir daí não parou emplacar hits. No total, gravou sete LPs e 14 compactos. Figura carimbada em programas de TV, ele também foi o campeão do popular quadro “Qual é a Música?”, do Programa Silvio Santos. Participou assiduamente de todos os programas na década de 80, e foi o primeiro artista a tocar ao vivo no Faustão, o que gerou o famoso bordão "quem sabe faz ao vivo", segundo informa o site do cantor. No ano passado, participou do programa “Aprendiz”, da TV Record, onde teria gerado polêmica, mas esse é assunto a procurar em outra editoria, pois o que vale aqui é o disco. Confira:

01 - Próxima atração
(Luis Guedes – Thomas Roth – Costa Netto)
02 - Bambo mambo
(Nahim – D.Wolff)
03 - Na sombra de uma árvore
(Hyldon)
04 - Maria Rita
(Nahim – Galvão)
05 - Cama azul
(Nahim – Chrystian)
06 - Rock maquiado
(Nahim – D.Wolff)
07 - Festa maluca
(Nahim – D.Wolff)
08 - O amor não morreu
(Nahim – D.Wolff)
09 - Rambo II
(Nahim – D.Wolff)
10 - Conto de fadas
(Nahim – D.Wolff)
11 – Estradas
(Luiz Guedes – Paulo Flecha)
12 - O menino da gaita (El Chico de La Armonica)
(Fernando Arbex – vs: Sérgio Reis)



domingo, 22 de março de 2015

Mancini e Os Dez de Ouro - Baile jovem (LP 1967)

 Baile Jovem, do Mancini e Os Dez de Ouro, teve segundo volume em 1968
Em 27 de agosto de 2014, apresentei o segundo volume do álbum “Baile Jovem” (aqui), executado por Mancini e Os Dez de Ouro, um post original do Toque Musical. Acabo de ver o primeiro volume postado no blog Parallel Realities Music, e vou reposta-lo pra ter os dois disponíveis no blog, mantendo o link original.  O disco, do selo Mocambo/Rozenblit, tem 11 faixas, incluindo hits internacionais, e foi lançado em 1967. Na época, o grupo era formado por Zezinho Mancini (Sax baritono, vibrafone), Wanderley Mancini (Guitarra, crooner) , Antônio Bonutti (Órgão), Altair (Trombone), Artur (Sax tenor) , Zezito (Piston) , Agostinho (Contrabaixo), Tiquinho (Bateria, Crooner), Do Menor (Crooner), Hércules e Jaime (Ritmo). Se você gostou do segundo, provavelmente não vai perder o primeiro. Confira:

01 – Sunny
(Bobby Hebb) 
02 - Noites de Moscou 
(Vassily Solovyov - Sedoy) 
03 - Ciao Amore Ciao 
(Luigi Tenco) 
04 - The Shadow Of Your Smile 
(Johnny Mandel - Paul Francis Webster) 
05 - The More I See You 
(Harry Warren - Mack Gordon) 
06 - Na Ginga do Samba 
(Carioca) 
07 - Music To Watch Girls By 
(Sid Ramin) 
08 - Coração de Papel 
(Sérgio Reis) 
09 - Black Is Black 
(Tony Hayes - Steve Wadey - Michelle Grainger) 
10 - Tiro no Escuro 
(Henry Mancini) 
11 - Amor Demais 
(Agostinho de Mello)


Vários artistas - Rock de autor (LP 1991)

 LP independente, com mil exemplares, reúne representantes do rock dos anos 80
Ripei este "Rock de Autor", LP independente produzido em 1991 pelo selo Manifesto, e descubro que o mesmo não é novidade na rede. Vou postá-lo mesmo assim, e pra isso vou reproduzir uma crítica sobre o disco, assinada por C.R., e publicada na edição 79 da revista Bizz, de fevereiro de 1992, o que não significa que seja a minha opinião: “Uma compilação com apenas mil cópias que reúne nomes que vão dos Titãs Arnaldo Antunes e Paulo Miklos a “alternativos” velhos de guerra como Akira S e R.H.Jackson. Em comum, o fato de serem todos órgãos do underground paulistano dos anos 80."

"Um panorama fiel da produção subterrânea? Não, este disco é mais um amontoado de brincadeiras de estúdio sem compromisso, com um resultado irregular como uma montanha russa em obras. O disco prova como o conceito de “alternativo” perdeu completamente o sentido. Neste disco há espaço tanto para a bizarria de “O Gato de Schrödinger” de R.H.Jackson como para a caretice MPBóide de Cid Campos mais papai Augusto – laje de concreto sem alça – em “O Verme e a Estrela”. E ai? Qual qualifica mais ou menos para tocar no Sesc Pompeia? Nessa coleção constata-se mais uma vez que o efeito no ouvinte de qualquer coisa “autoral” , idiossincrática (fanzines, cinema, pintura) é quase sempre o mesmo: muito mais prazer a quem faz do que a quem ouve”. Confira você mesmo:

01 - P. Antunes - We bop
02 - Aguilar - As gangs
03 - Paulo Miklos - Esse é o lugar
04 - Minho K - Drunk rock
05 - Cid Campos - O verme e a estrela
06 - Akira S. & Charlie C. – Tokei
07 - Miranda & Neneco & J.Joe & M.Andrade - Xote inglês
08 - R.H.Jackson - O Gato de Schrödinger
09 - Dequinha & Zaba – Preposições
10 - Arnaldo Antunes - E só
11 - Maria Andrade - O gato vermelho
12 - M. Barella & G.Lenti - Borgo san drediano
13 - Nasi - Arabia maldita (1h e 12 min)




sábado, 21 de março de 2015

Happy week-end with The Angels (LP 1964)

 Terceiro álbum do The Angels foi gravado em 1964 pela Copacabana Discos
 LP ainda conserva o encarte duplo com as principais novidades do catálogo
O que as músicas “Erva venenosa”,  “Michael”  e “Ai de mim”, entre outras dos Golden Boys, assim como “Ternura”, com Wanderléa, ou mesmo as canções dos álbuns “Roberto Carlos canta para a juventude”, “É proibido fumar” e “Jovem Guarda” têm em comum? Acertou quem respondeu que se tratam de clássicos da Jovem Guarda, mas o bingo é pra quem informou que todas têm acompanhamento dos músicos do The Youngsters, nome adotado pela banda após ingressar no cast da CBS (Sony). Na gravadora anterior, a Copacabana, sob a pele de The Angels, deixou três LPs gravados. O último, de 1964, é este “Happy week-end with The Angels”, um prato cheio pra quem curte surf music. O disco é mais uma colaboração do Geraldo, a quem agradeço por mais essa joia rara.

Pioneiro do rock brasileiro, o grupo foi formado no Rio de Janeiro pelos irmãos Carlos Eduardo Becker (voz e guitarra base) e Sérgio Becker (sax tenor), Carlos Roberto dos Santos Barreto (guitarra solo), Jonas Caetano Damasceno (baixo) e Romir Pereira de Andrade (bateria). Iniciou a carreira em 1961, tocando em bares, boates e shows na zona sul carioca. Em 1962, passou a atuar no programa de televisão "Encontro com os Anjos", no canal 9, dedicado ao público jovem. Com o sucesso alcançado, passou a acompanhar a cantora Célia Villela. Assistido pelo compositor e produtor Nazareno de Brito, foi levado à Copacabana Discos, com a qual assinou contrato de dois anos. O primeiro disco foi um EP em 1962 e um LP em 1963. Em 1964, foram dois LPs gravados, e após cumprir o contrato, assinou com a CBS, trocando o nome The Angels por The Youngsters.

Nessa fase pioneira do rock, a dificuldade era encontrar músicos com conhecimento em arranjos de rock, pois não existia professor de guitarra, baixo elétrico, teclado, e afins, daí a importância desses músicos. “O GB (Carlos Roberto) era nosso guitarrista solo, e partiu para o espaço muito cedo, com 35 anos. Tinha um talento enorme. Quando já estávamos gravando na Copacabana os 3 LPs sob o nome “The Angels”, ele fez solos maravilhosos, e sem recursos que temos hoje. Reproduziu o som de uma guitarra havaiana com um vidro vazio de remédio fazendo “slides” nas cordas da guitarra”, lembra Romir Pereira de Andrade em depoimento ao site da Lucia Zanetti, datado de julho de 2014. A respeito deste terceiro álbum, ele disse que é composto por temas de surf. “Nesse LP, ele (Carlos Roberto) e o Joninhas (Jonas Caetano) compuseram uma música,  “Makaha Beach”, que é puro clima de surf e Havaí, e sinto até hoje que seria curtida pelos surfistas!”, acredita. Se é assim, confira:

01 - Sweetheart Sugar-Pie Huckleberry Puddin' Ya Ya
(Jimmie Williams - Jimmy Steward Jr.)
02 - Money
(Bradford - Gordy)
03 - No Vacancy
(Neil Sedaka - Howard Greenfield)
04 - Liza
(Jimmie Rodgers)
05 - Goofy Foot
(C.Roberto - Jonas)
06 - Let Me Cry
(Johnny Nash)
07 - Crunchin'
(Carlos Becker)
08 - 36-24-36
(B.Welch - H. Marvin - Jet Harrison - Tony Mehean)
09 - What Kind Of Love Is This
(Hohnny Nash)
10 - The Itch
((Pearl Woods - Freddy Johnson - Leroy Kirkland) 
11 - Windy And Warm
(John D. Loudermilk)
12 - Makaha Beach
(C.Roberto - Jonas)

Colaboração: Geraldo


sexta-feira, 20 de março de 2015

Jovem Guarda Instrumental - Volume II (2015)

 Coletânea envolve 30 gravações obscuras realizadas entre 1965 e 1969
Nada como ouvir a seleção Jovem Guarda Instrumental após curtir a Romântica, disponibilizada ontem. O repertório, com 30 gravações realizadas entre 1965 e 1969, privilegia o lado obscuro, garageiro, e até bandas famosas sob pseudônimo, como Supersonics (Fevers) e The Star Boys (Jordans), por exemplo, mantendo o mesmo critério de seleção adotado pra montar o primeiro volume (aqui). As faixas foram retiradas de discos postados no SintoniaMusikal e Sanduíche Musical, o que inclui as colaborações, além de álbuns que baixei na rede e em blogs parceiros, como Toque Musical e La Playa Music. O meu agradecimento a todos. Confira:

01 - Os Aaalucinantes - Ticket to ride - 1966
02 - Os Terríveis - Faça  alguma coisa pelo nosso amor - 1967
03 - The Rock Fingers - Wonderful land - 1968
04 - Turma da Brasa - Sleep walking - 1966
05 - The Black Boys - Gandy dancer - 1967
06 - Luiz Loy - Judy in disguise - 1968
07 - Chiquinho e seu conjunto - A garota do Roberto - 1967
08 - The Rebels - A hard day's night - 1965
09 - The Supersonics - Não há luar nem céu bonito - 1969
10 - The Star Boys - Quero que vá tudo pro inferno - 1966
11 - Embalo R - Prova de fogo - 1967
12 - Corisco e Os Brasaloucos - Só vou gostar de quem gosta de mim - 1967
13 - Os Tigres - Coração de papel - 1967
14 - Os Espaciais - Volta ao mundo - 1967
15 - The Five - Aonde você for eu não irei - 1967
16 - Os Apaches - Lider Landromatic - 1968
17 - The Robins - Eu não presto mas eu te amo - 1967
18 - The Jones - O pica pau - 1966
19 - The Red Snakes - Imenso amor - 1966
20 - The Dallans - O gênio - 1967
21 - Brazilian Boys - Da-me um beijo amor - 1966
22 - Beagá Band's - A little bit me, a little bit you - 1968
23 - Mancini e Os Dez de Ouro - Pra nunca mais chorar - 1968
24 - Gato - Namoradinha de um amigo meu - 1967
25 - Os Agitadores - Studio 17 - 1968
26 - Os Impossíveis - Se você pensa - 1969
27 - Sidney Jones e sua orquestra - O caderninho - 1968
28 - Os Titans - Georgy girl - 1968
29 - Os Tremendões - Fio de esperança - 1967
30 - The Marginals - Down town - 1967



quinta-feira, 19 de março de 2015

Vários artistas - Jovem Guarda Romântica (CD s/d)

 CD sem o ano da produção reúne 24 sucessos românticos da Jovem Guarda
Este CD, Jovem Guarda Romântica, é mais uma colaboração do amigo Aderaldo, a quem agradeço por enviá-lo como curiosidade, pois desconfiamos que se trata de produção “genérica”, apesar do trabalho gráfico superior em relação ao de gravadoras multinacionais. Fabricado pela Master Gravações e Edições Musicais, o disco é uma coletânea com 24 músicas em repertório que peca pelo excesso e pela ausência. Se, por um lado, oferece três faixas da dupla Leno & Lilian, além de outras duas do Leno em carreira solo, por outro ignora nomes importantes, como Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Jerry Adriani, Wanderley Cardoso, Os Vips, Fevers e outros, privilegiando menores como Marcos José, Gilberto Reis e Pedro Paulo. A lista dos artistas presentes também chama a atenção pelos erros de grafia:  Wanderléia (o correto é Wanderléa), Marcos Piter (Marcus Pitter), Vanuza (Vanusa), Gilverto Reis (Gilberto Reis), Márcio Greick (Márcio Greyck) e Dory Edson (Dori Edson). Confira:

01 – Os Incríveis - Pra onde é que eu vou
02 – Pedro Paulo – Capa de revista
03 - Renato e seus Blues Caps - Menina feia
04 - Leno - A pobreza
05 - Cláudio Roberto - Parabéns, parabéns querida
06 - Waldirene - Meu benzinho
07 – Giane – Olhos tristes (com part. esp. Barros de Alencar)
08 - Wanderléa - Eu já nem sei
09 – Leno & Lilian – Devolva-me
10 – Marcos José – Como poderei te esquecer
11 - Paulo Henrique - Uma lágrima
12 - Leno & Lilian - Coisinha estúpida
13 - Marcus Pitter - Meu caminho (There's no more corn on the brasos)
14 - Leno - A festa dos seus 15 anos
15 – Vanusa – Pra nunca mais chorar
16 – Gilberto Reis – Não tenho culpa de gostar de você
17 - Márcio Greyck - Infinito
18 - Renato e seus Blue Caps - Eu não aceito o teu adeus
19 - Dori Edson - Perto dos olhos, longe do coração
20 - Wilson Miranda - Alguém é bobo de alguém
21 - Paulo Sérgio - Benzinho
22 - Nilton Cesar - Outra vez
23 - Martinha - Eu te amo mesmo assim
24 - Leno & Lilian - Eu não sabia que você existia

Colaboração: Aderaldo


quarta-feira, 18 de março de 2015

Roberto Miranda - Transfiguração (LP 1991)

Roberto Miranda inclui "Maluco beleza" e "Rosa de Hiroshima" no repertório
Você provavelmente conhece a cantora e compositora Roberta Miranda - ainda rodeada por sinfonia de pardais, cantando para a majestade, o sabiá -, mas dificilmente ouviu Roberto Miranda e seu LP “Transfiguração”. Eu, mesmo sem conhecê-lo, me interessei pelo disco devido a regravação de duas músicas que gosto muito: “Rosa de Hiroshima”, poesia de Vinicius de Moraes, musicada por Gerson Conrad, dos Secos & Molhados, e “Maluco beleza”, título pelo qual é conhecido Raul Seixas, o intérprete da música feita em parceria com Paulo Coelho. O álbum, do selo JWC Discos, não informa o ano da produção, e inclui outras oito músicas, nas quais Roberto Miranda revela ser bom intérprete.

Segundo o internauta José Adriano, “Transfiguração” foi lançado em 1991, e muita gente o acusou de tentativa de pegar carona no sucesso da cantora Roberta Miranda. “O Logo do nome dele é o mesmo usado pela Cantora que nesta época estava no auge”, aponta. Fora isso, as informações sobre Roberto Miranda na rede são mínimas. Segundo consta, ele é paulistano, e completou 25 anos de carreira em 2014, apresentando-se no Teatro Guarany, em Santos, litoral de São Paulo. Considerado um ‘show man’, o cantor costuma apresentar clássicos da MPB nos shows. Reportagem sobre exibição em Santos informa que o artista já ganhou o ‘Prêmio Sharp 1992’; ‘Robalo de Ouro Internacional’; e ‘Troféu Braz Cubas’, além do título de ‘Cidadão Santista’ (homenagem da Câmara). Confira:

01 - Rosa de Hiroshima
(Gerson Conrad – Vinicius de Moraes)
02 – Análise
(Neuber)
03 – Transfiguração
(Derly Rocha)
04 - Quero mais amar
(Marquinho PQD – Lourenço – Jorge Carioca)
05 - Grito de guerra
(Moreira Junior)
06 - Lençóis e fantasias
(Gabu)
07 - Maluco beleza
(Raul Seixas – Paulo Coelho)
08 - Esse amor é loucura
(Marcus Paiva – Franco)
09 - Tem que remexer
(Moreira Junior)
10 - Olodum maré
(Neuber)


terça-feira, 17 de março de 2015

Silvinha - Caminho sobre nuvens (LP 1969)

LP tem versões de músicas gravadas por Rita Pavone, Sylvie Vartan e Mary Hopkins
Este “Caminho sobre nuvens” é o segundo LP da Silvinha/Sylvinha Araújo, e atende ao pedido do Rubens José. Na verdade, eu não tenho o LP, e comprei faz tempo o CD pirata no ML, mas felizmente o áudio está ótimo e as ilustrações estão razoavelmente boas. O disco foi lançado em 1969 pela EMI-Odeon, onde a cantora iniciou carreira em 1967, e se destaca por dois sucessos: “Adeus”, versão de “Goodbye”, hit da Mary Hopkins - mas também gravadas por aqui pela Joelma e Nalva Aguiar - e  “Não Resisti”, versão de “Irresistiblement”, do repertório da Sylvie Vartan. Merece atenção a bonita interpretação de “Este nosso amor”, versão de “Questo nostro amore”, na qual Silvinha, com sua bonita voz, não fica nada a dever diante da original gravada pela Rita Pavone. Confira:

 01 - Palavras de Amor (Parole d'amore)
(Casa – Baldazzi – vs: Paulo Sidney)
 02 - Adeus (Goodbye)
(Lennon – McCartney – vs: Fred Jorge)
 03 - Estes Meus Olhos (These eyes)
(Bachman Cummings – vs: Pedro Lopes)
 04 - Aquele Olhar
(Santos Dumont)
 05 - Chá-lá-lá
(Arthur Neto)
 06 - O Último Abraço
(Carlos Acre)
 07 - Caminho Sobre Nuvens (Cammino sulle nuvole)
(Panzeri – Pace – Colomnello – vs: Hyldon Souza)
 08 - Este nosso amor (Questo nostro amore)
(Wertmuller – Enriquez – vs: Miguel)
 09 - Hoje Mais Que Ontem (More today than yesterday)
(Upton – vs: Pedro Lopes)
 10 - Não Resisti (Irresistiblement)
(Aber – Renard – vs: Rossini Pinto)
 11 - Espere Por Mim (I'm a whole new thing)
(Goldstein – Regan – vs: Pedrinho)
 12 - Mas Não Deixe de Ir
(Cury)



segunda-feira, 16 de março de 2015

Vários intérpretes - 16 Sucessos (LP 1981)

LP reúne músicas da Diana, Roedil Caetano, Meire Rose e Sidney Silva
Desconfio que este LP, “16 Sucessos”, reúne músicas de quatro compactos duplos, produzidos pela Continental, de quatro artistas da linha popular: Diana, Roedil Caetano, Sidney Silva e Meire Rose. A curiosidade do disco, lançado em 1981, fica por conta da Meire Rose, que regravou “Coração de papel”, sucesso do Sérgio Reis, e “As flores do jardim da nossa casa”, hit do Roberto Carlos, cujo arranjo me lembra a versão da Adriana, também gravada na Continental. Confira:

01 - Diana - Romance bem simples
(Odair José)
02 - Roedil Caetano - Menina triste
(Marcos Roberto - Japa - Ira Chris)
03 - Meire Rose - Coração de papel
(Sérgio Reis)
04 - Sidney Silva - Um homem normal
(Deo Di Marcos - L.Barbosa)
05 - Roedil Caetano - Você se foi
(Edson Oli)
06 - Diana - Se você voltasse agora
(Odair José - Gilson - Joran)
07 - Sidney Silva - Liberdade
(Gatto Evandro)
08 - Meire Rose - As flores do jardim da nossa casa
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
09 - Meire Rose - Sofro tanto (Sospechando)
(R.Lotes - J.A.Lopez - A.Patrono - Renato)
10 - Sidney Silva - Morrendo de saudade
(S.Silva - L.Barbosa)
11 - Roedil Caetano - Você vive
(Luiz Léo)
12 - Diana - Amava todas as mulheres
(Diana)
13 - Sidney Silva - Lembranças de você
(Marcos Roberto - Japa)
14 - Meire Rose - Graças dou a vida (Gracias a la vida)
(Violeta Parra - R.Maria)
15 - Roedil Caetano - Caso perdido
(R.Caetano - Jamil)
16 - Diana - Vou fugir de casa
(Gilson - Joran)


domingo, 8 de março de 2015

Hebe Camargo - A paz do meu amor (LP 1994)

 Coletânea produzida pela Philips reúne gravações realizadas entre 1963 e 1965
Hoje, Dia Internacional da Mulher, também seria festa do 86º aniversário da saudosa Hebe Camargo, tida como a “rainha da televisão brasileira”.  Ela nasceu na cidade de Taubaté, no interior de São Paulo, no dia 8 de março de 1929, e morreu em 29 de setembro de 2012, após sofrer parada cardíaca em sua casa, no Morumbi, em São Paulo. Hebe lutava contra um câncer no peritônio, membrana que envolve os órgãos do aparelho digestivo. Em homenagem póstuma, segue o LP que a Philips lançou em 1994, uma coletânea com 14 músicas, gravadas entre 1963 e 1965. Segundo texto na contracapa, os fonogramas originais foram digitalmente remasterizados na Alemanha e refletem, no apuro técnico, toda a contemporaneidade da apresentadora que, ao longo de todos esses anos, espelha a postura de mulher de seu tempo e, por vezes, a consciência do povo brasileiro.  Confira:

01 - Samba em Prelúdio
(Vinicius de Moraes - Baden Powell)
02 - A Paz do Meu Amor
(Luiz Vieira)
03 - Volte
(Venâncio - Carlos Magno)
04 - Encontro a Tarde
(Vinicius de Moraes - Gaya)
05 - Ainda Bem
(Fernando César)
06 - Prelúdio Pra Ninar Gente Grande
(Luiz Vieira)
07 - Quem Foi
(Ribamar - Durando)
08 - Esquecendo Você
(Antonio Carlos Jobim)
09 - Queria
(Carlos Paraná)
10 - Chuva
(Hervê Cordovil - Armando Rosas)
11 - Meu Samba Virou Você
(Lúcio Alves)
12 - Rotina do Amor
(José Domingos da Silva)
13 - Tem Que Ser Azul
(Messias)
14 - Andorinha Preta
(Breno Ferreira)


sábado, 7 de março de 2015

Elliot canta os sucessos da Jovem Guarda (CD s/d)

 Elliot interpreta 38 músicas da Jovem Guarda no CD sem o ano da produção
 Cantor substituiu Dino, da dupla com Deny, durante festejos dos 40 anos da JG
Quem gosta das músicas da Jovem Guarda vai curtir este CD do Elliot. Ele interpreta, em ritmo de pout-pourri, vários sucessos do movimento musical que sacudiu a juventude nos anos 1960. Com exceção da inédita “O calhambeque da história”, que abre o disco, e “Wisky a go go”, sucesso do grupo Roupa Nova que encerra o álbum, o CD contempla 38 canções do período. Vale observar que a segunda faixa, “Ninguém poderá julgar-me”, é emendada com a terceira, razão pela qual o CD deve ser gravado sem intervalo entre as músicas. Este raro disco, que não informa o ano da produção, é mais uma colaboração do amigo Aderaldo, a quem agradeço. 

Pra quem não sabe, o cantor Elliot – que já tem disco postado (aqui) no blog – foi o terceiro “Dino”, da dupla Deny & Dino, substituindo Décio Scarpelli e Gilberto Gonçalves Pereira, falecidos em 1994 e 1996, respectivamente. Elio de Souza Reis, seu nome de batismo, nasceu em 2 de outubro de 1951 em Presidente Prudente, no interior de São Paulo. Fez várias apresentações em dupla, inclusive nas comemorações dos 40 anos da Jovem Guarda, mas gravou com Deny apenas uma música, “Asa delta”, incluída no CD "Rockomodo". Em 2012, a parceria chegou ao fim, e cada um segue carreira solo. Confira:

01 - O calhambeque da história
02 - Ninguém poderá julgar-me
03 - O vagabundo
Vem quente que eu estou fervendo
04 - No dia em que parti
Eu não presto mas eu te amo
Coração de papel
Lágrimas nos olhos
05 - Última canção
Benzinho
06 - Se eu pudesse conversar com Deus
Menina de trança
Meu grito
07 - Meu bem
Querida
Quero lhe dizer cantando
Perto dos olhos, longe do coração
08 - Menina feia
A pobreza
Pobre menina
09 - O ritmo da chuva
Devolva-me
Eu não sabia que você existia
Emoção
A volta
Coruja
Alguém na multidão
10 - O pão
Mon amour, meu bem, ma femme
Deixa de banca
11 - As curvas da Estrada de Santos
Lobo mau
Eu sou terrível
Negro gato
Quero que vá tudo pro inferno
O bom
Parei na contramão
Parei, olhei
Rua Augusta
Whisky a go go

Colaboração: Aderaldo