Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

The Star Boys - Festa de arromba (LP 1966)

LP do The Star Boys (The Jordans sob pseudônimo) foi lançado pelo selo Atila
O mercado fonográfico nos reserva algumas surpresas, mesmo para quem tem quilômetros de passos andados em sebos e lojas de discos, como eu.  Um exemplo é este desconhecido álbum do grupo The Star Boys, lançado em 1966 pelo selo curitibano Atila Musical, que o nosso amigo Aderaldo, da Comunidade MC&JG, generosamente enviou para postagem. Agradeço a ele, mais uma vez, pela valiosa colaboração, pois o disco, além de raro, também desvenda um mistério que o próprio Aderaldo esclarece: o grupo é, na verdade, o The Jordans sob pseudônimo. O fã mais atento vai notar que os mesmos fonogramas estão em discos da banda, originalmente produzidos pela Copacabana. Acredito que se trata de fato isolado, pois a maioria dos grupos da Jovem Guarda que gravou com outras denominações adotou novo repertório, e não o mesmo da discografia principal. Mesmo assim, o disco é bom, e vale a pena ser ouvido:

01 – Quero que vá tudo pro inferno
(R. Carlos - E. Carlos)
02 - Plus je t'entends (A tua voz) 
(H. Barriere)
03 - Somehow it got to be tomorrow (Today) (Ternura)
(E. Levitt - K. Karen)
04 - Help!
(Lennon - McCartney)
05. All my loving (Feche Os Olhos)
(Lennon - McCartney)
06 - Shame and scandal in the family (Escândalo Em Família)
(Donald - Brown)
07. Festa de arromba
(R. Carlos - E. Carlos)
08 - The house of the rising sun (Casa Do Sol Nascente)
(Alan Price)
09 - A volta 
(R. Carlos - E. Carlos)
10 - A pescaria
(R. Carlos - E. Carlos)
11 - Woolly bully 
(Domingo Samudio)
12 - A hard day’s night 
(McCartney - Lennon) 


COLABORAÇÃO: Aderaldo, da Comunidade MC & JG


Mancini e Os Dez de Ouro - Baile Jovem 2 (1968)

Mancini e os seus Dez de Ouro foi um grupo de baile atuante no Nordeste 
Este é mais um excelente álbum instrumental postado pelo Augusto, do Toque Musical, no último dia 3. Gostei do que ouvi e tomei a liberdade de editar o áudio pra curti-lo da forma como prefiro, sem intervalo entre as faixas. O resultado final é muito bom, e decidi repostá-lo, deixando à critério do internauta a possibilidade de baixar o material original diretamente da fonte, na página do Toque Musical (aqui).  Quanto ao disco e o grupo Mancini e Os Dez de Ouro, vou deixar as explicações nas palavras do Augusto:

“Entre os oito discos que ganhei, escolhi este aqui: Mancini e Os Dez de Ouro. Gostei da capa e também do repertório. E por se tratar de um disco da produção Rozenblit, fiquei ainda mais curioso e interessado em mostrá-lo aqui para vocês. Numa pesquisa rápida descobri que Mancini e os seus Dez de Ouro foi um grupo de baile muito atuante no Nordeste na década de 60. Gravaram apenas dois lps, todos os dois pela Rozenblit. As informações sobre eles são escassas. O que tenho é apenas este texto que achei num post do Youtube e aqui eu o reproduzo:  "Mancini e os dez de ouro foi formada por Zezinho Mancini na década de 1960 com músicos da Alta Mogiana. Ele e o irmão Vanderley, de Pedregulho, Maestro Bonutti, de São Joaquim da Barra e o quarteto da Usina Junqueira: Altayr Ribeiro, Artur Ribeiro, Dó Menor e Zezito Lucas (the best of trumpet)”.

“Pelo que pude observar, no primeiro disco, de 67, há na contracapa um longo texto, o qual não tive como ler, mas suponho que seja uma apresentação mais detalhada do conjunto. Vou ver se consigo também esse primeiro volume e numa próxima oportunidade e publico aqui para vocês, ok? Com relação ao conteúdo musical e a performance do grupo podemos dizer que eles cumprem bem o papel de um conjunto de baile instrumental dos anos 60. Os músicos são bem competentes e os arranjos de qualidade. O repertório também é legal e sortido, com músicas nacionais e internacionais, sucessos da época”. Confira:

01 - The last dance
(H. Ithier - L. Reed)
02 - Aranjuez mon amour
(J. Rodrigo - Vidre)
03 - Tributo a Martin Luther King
(Wilson Simonal - R. Bôscoli)
04 - Pra nunca mais chorar
(Carlos Imperial - Eduardo Araújo)
05 - Uno como e noi
(Bertero - Marini - Martucci)
06 - L'Ultima cosa
(Beretta - Balsamo)
07 - Carolina
(Chico Buarque)
08 - Roda viva
(Chico Buarque)
09 - The world we knew
(Kaempfert - Sigman - Rehbein)
10 - When summer is gone
(S.Curtiss)
11 - Israel
(Migliacci - Zambrini - Cini)
12 - Suck un up
(Kul Lee)



terça-feira, 26 de agosto de 2014

Sandra Pêra - O tempo passou (LP 1983)

 Sandra Pêra deixou o grupo As Frenéticas e partiu pra carreira solo com este LP
Postagem inclui, como bônus, faixas do compacto simples lançado em 1984
Sandra Pêra foi uma das tais Frenéticas, grupo vocal feminino de grande sucesso a partir da segunda metade dos anos 1970. Em 1983, já desligada do grupo, a cantora partiu pra carreira solo e lançou este álbum, produzido pela WEA. No disco, Sandra revela não só a similaridade da voz com a da irmã Marília Pêra, que tem participação especial na faixa “Blue azul”, como também aflora seu lado autoral, assinando todo o repertório em parceria com Guilherme Lamounier, Ruban, Joyce e Rosinha Passos. O post inclui, como bônus, o compacto simples lançado em 1984.

Filha dos artistas Manoel Pêra e Dinorah Marzullo, que se casaram em Porto Alegre, num palco de teatro, Sandra também atua como diretora e atriz. Mãe de Amora Pêra, filha do saudoso Gonzaguinha, Sandra iniciou a carreira em 1975 na casa noturna carioca "Dancin Days", quando Nélson Motta formou um grupo de garçonetes-cantoras, que posteriormente passaria a chamar-se As Frenéticas. Na sua discografia, além do LP e single acima, consta "A Felicidade Bate à Sua Porta" (1976), "Frenéticas" (1977), "Caia na Gandaia" (1978), "Soltas na Vida" (1979) e "Babando Lamartine" (1980). Na TV, segundo consta, participou de "Desejos de Mulher" (2002), "Porto dos Milagres" (2001), "Mandacaru" (1997) e "O Campeão" (1996). Mais recentemente, participou da novela Chiquititas, do SBT. Confira o disco:

01 - Se pode criar
(Guilherme Lamounier - Sandra Pêra)
02 - Amor de hoje
(Rosinha Passos - Sandra Pêra)
03 - O tempo passou
(Joyce - Sandra Pêra)
04 - Eu te arraso
(Guilherme Lamounier - Sandra Pêra)
05 - Pensando, voando
(Guilherme Lamounier - Sandra Pêra)
06 - Saca na gente
(Guilherme Lamounier - Sandra Pêra)
07 - Nada é eterno
(Guilherme Lamounier - Sandra Pêra)
08 - Barriga vazia
(Ruban - Sandra Pêra)
09 - Bem na minha testa
(Guilherme Lamounier - Sandra Pêra)
10 - Blue azul - part. esp. Marília Pêra
(Guilherme Lamounier - Sandra Pêra)
11 - BÔNUS - A matéria do amor
(Ruban - Sandra Pêra)
12 - BÔNUS - Vem pro colo
(Guilherme Lamounier - Sandra Pêra)


segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Kyu Sakamoto - Sayonara, sayonara (CS 1968)

"Sayonara, sayonara" foi a representante do Japão no III FIC no Rio de Janeiro
Duas músicas japonesas fizeram sucesso no Brasil nos anos 1960. A primeira, e mais famosa, é “Ue wo Muite Arukou”, lançada em 1961, e que ficou mundialmente conhecida como “Sukiyaki”. A fama entre nós se deve principalmente pela versão em português, intitulada “Olhando para o céu”, na gravação do Trio Esperança. A segunda é “Sayonara, sayonara”, lançada em 1968 no III Festival Internacional da Canção (FIC), no Rio de Janeiro. Mais uma vez, o sucesso no Brasil aconteceu devido à versão em português, feita e gravada pelos Os Incríveis. A cantora e apresentadora Rosa Miyake também a gravou, em português e japonês. O que nem todos sabem é que as duas canções foram lançadas pelo mesmo intérprete, o Kyu Sakamoto. Ele nasceu Hisashi Oshima em 10 de novembro de 1941, na cidade de Kawasaki (Kanagawa), e faleceu no mais trágico acidente de avião no Japão. Em 12 de agosto de 1985, o voo 123, da JAL, saiu de Haneda (Tóquio) em direção a Osaka, e se chocou numa montanha, matando mais de 500 pessoas. Confira o post:

01 – Sayonara, sayonara
(Mike Maki – Hachidai Nakamura)
02 - Hitoribocchi no futari
(R. El – H. Nakamura)



domingo, 24 de agosto de 2014

Vários artistas - Os dois lados do sucesso (2014)

 
CD duplo inclui gravações internacionais e respectivas versões em português

O blog Túnel do Tempo, do amigo Djair Nogueira, produziu em sua fase embrionária uma série de CD intitulada “Os dois lados do sucesso”, na qual incluía gravações internacionais (preferencialmente originais) e suas respectivas versões em português. Foi uma coletânea muito boa, de muito fôlego, com cerca de 80 volumes, se não me falha a memória, todos com hits do período da Jovem Guarda, que completou sexta-feira, dia 22, 49 anos desde a exibição do primeiro programa, comandado por Roberto Carlos, na TV Record de São Paulo. Para lembrar a data, que serve como pontapé inicial para os festejos dos 50 anos do movimento musical que revolucionou os anos 1960 no Brasil, tomei a liberdade de copiar a ideia do Túnel do Tempo, e montei um CD duplo com 50 gravações do período. A pasta está dividida em duas partes, e deve ser aberta após o download completo dos dois arquivos. Confira, e compare o desempenho dos nossos artistas diante dos internacionais:

CD 01 - INTERNACIONAL

01 - The Mamas and Papas - California Dreamin'
02 - The Hollies - Bus Stop
03 - The Rolling Stones - Get Off Of My Cloud
04 - Tina Turner - River Deep, Mountain High
05 - The Animals - Baby let me take you home
06 - Brigite Bardot - Harley Davidson
07 - Procol Harum - A Whiter Shade Of Pale
08 - Lulu - To Sir With Love
09 - The Seekers - Georgy  girl
10 - Sandie Shaw - Puppet on a string
11 - The Shadows - Theme For Young Lovers
12 - Curtis Brothers - Good morning starshine
13 - Johnny Rivers - Secret agency man
14 - The Cascades - Rhythm of the rain
15 - Ian Whitcomb & Bluesville - You turn me on 
16 - Dennis Yost and Classics IV - Traces
17 - The Monkees - I'm A Believer
18 - Sylvie Vartan - Irresistiblement
19 - The Beatles - Girl
20 - Elvis Presley - I Gotta Know
21 - Thilo's Combo - Les Cornichons
22 - The New Vaudeville Band - Winchester cathedral
23 - Nancy Sinatra e Frank Sinatra - Somethin' stupid
24 - The Mc.Coys - Hang on sloopy
25 - Gianni Morandi - C'Era un ragazzo che come me amava I Beatles e I Rolling Stones

CD 02 – NACIONAL

01 - Renato e seus Blue Caps - Não te esquecerei (California Dreamin')
02 - Golden Boys - Pensando Nela (Bus Stop)
03 - The Bubbles -  Por Que Sou Tão Feio (Get Off My Cloud)
04 - Wanderléa - Gostaria de Saber (River Deep-Mountain High)
05 - Jerry Adriani - Deixe-me Levá-la Pra Casa (Baby Let Me Take You Home)
06 - Aladdin Band - Harley Davidson
07 - Lafayette - A White Shade of Pale
08 - Celly Campello - Mais uma vez (To sir with love)
09 - Trio Esperança - A Feiticeirinha (Georgy  girl)
10 - Ed Carlos - Estou feliz (Puppet on a string)
11 - The Jet Black's  - Theme for young lovers (Tema para jovens enamorados)
12 - Os Caçulas - Estrela que cai (Good morning starshine)
13 - Trio Melodia - O Agente Secreto (Secret Agent Man)
14 - Demétrius - O Ritmo da Chuva (Rhythm of the rain)
15 - Erasmo Carlos - Você me acende (Your turn me on)
16 - Waldirene - Traços de Amor (Traces)
17 - Tony Campello - Não acredito (I'm a beliver)
18 - Silvinha - Não resisti (Irresistiblement)
19 - Ronnie Von - Meu bem (Girl)
20 - Roberto Carlos - Professor de Amor (I Gotta Know)
21 - Eduardo Araújo - Deixa de Banca (Les Cornichons)
22 - Deny e Dino - A catedral (Winchester cathedral)
23 - George Freedman - Coisinha estúpida (Something stupid)
24 - Leno e Lilian - Pobre Menina (Hang on sloopy)
25 - Os Incríveis - Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones
(C'Era un ragazzo che come me amava I Beatles e I Rolling Stones)


sábado, 23 de agosto de 2014

Bandas de forró - Especial para Juke Box (EP 1994)

Bandas executam até hits do Raul Seixas e Antonio Marcos em ritmo de forró
Houve um tempo em que a Juke Box, aquela máquina que reproduz música por meio da inserção de moedas, era febre em bares e restaurantes. Não sei como era a relação comercial entre as gravadoras e as fabricantes, distribuidoras e locadoras de Juke Box. O fato é que algumas gravadoras produziam lote especial de discos para esse segmento. O meio foi importante porque também servia como fonte de divulgação dos lançamentos, daí a importância de se manter uma máquina no estabelecimento com catálogo atualizado. Este compacto duplo, por exemplo, foi produzido em 1994 pela RCA Victor especialmente para Juke Box, e provavelmente nem teve capa. O curioso do disco está no repertório, conhecido do grande público, mas executado por bandas de forró. As músicas estão distribuídas em pout-pourri, com sucessos do Raul Seixas e Antonio Marcos, além de hits do universo brega e da Jovem Guarda. Confira:

01 - Banda Show Nordestinos do Ritmo – Pout-pourri:
Eu não sou cachorro não
(Waldick Soriano)
O grande amor da minha vida
(Márcio Rene – Antonio Pires)
No toca-fita do meu carro
(Bartô Galeno – Carlos André)
Feiticeira
(Carlos Alexandre – Osvaldo Garcia)
02 - Banda Bicho de Pé - Tributo ao Antonio Marcos
Tenho amor melhor que o seu
(Roberto Carlos)
Menina de trança
(Antonio Marcos)
Como vai você
(Antonio Marcos – Mario Marcos)
03 - Banda Os Piratas do Forró - Tributo ao Raul Seixas
Maluco beleza
(Raul Seixas – Claudio Roberto)
O trem das 7
(Raul Seixas)
Medo da chuva
(Raul Seixas – Paulo Coelho)
04 - Banda Peru de Ouro – Pout-pourri:
Diana
(Paul Anka – vs: Fred Jorge)
Banho de lua (Tintarella di luna)
(F.Migliacci – B. de Fillippi – vs: Fred Jorge)
Estupido cupido (Stupid cupid)
(Howard Greenfield – Neil Sedaka – vs: Fred Jorge)
Oh, Carol 
(Howard Greenfield – Neil Sedaka – vs: Fred Jorge)



quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Rita Lee - Lá vou eu (EP 1976)

 EP gravado com Tutti-Frutti traz três músicas não incluídas em LP da cantora
Em 1976, depois do enorme sucesso no ano anterior com o LP "Fruto Proibido", o quarto da carreira solo, Rita Lee lançou este compacto duplo pela Som Livre. O disco não só resgata “Ovelha negra”, principal sucesso do álbum de 1975, como também apresenta três faixas inéditas, não incluídas no LP “Entradas e Bandeiras”, lançado na sequência pela Som Livre. Por isso, este EP é muito procurado pelos fãs da rainha do rock, e meu exemplar até que ainda está bem conservado. Confira:

01 - Lá vou eu
(Rita Lee - Luiz Sérgio Carlini)
02 - Caçador de aventuras
(Rita Lee)
03 - Status
(Rita Lee - Luiz Sérgio Carlini - Lee Marcucci)
04 - Ovelha negra
(Rita Lee)


terça-feira, 19 de agosto de 2014

Agnaldo Rayol - Você é um pouco de mim (1967)

 Álbum lançado em 1967 pela Copacabana inclui grandes sucessos do cantor
Lançado em 1967 pela Copacabana, este “Você é um pouco de mim” deve figurar entre os álbuns de maior aceitação comercial da discografia do Agnaldo Rayol. Na época, o cantor era um dos mais populares do Brasil, apresentava programa na TV Record, líder de audiência, e ostentava o título de “Rei da Voz”, mérito só concedido ao antecessor Francisco Alves.  O disco veio recheado de hits: “Queria”, “Sempre e sempre”, “Livre”, “Carolina” e até “Anda que te anda”, resultado da inusitada parceria entre Ary Toledo e Mário Lago, apresentada no III Festival da Música Popular Brasileira da TV Record. Confira:

01 - Queria
(Renato Correa - Reynaldo Rayol)
02 - Sempre e sempre (The world we knew) ( Over and over)
(Kaempfert - Rehbein - Sigman - vs: Aurelio Bellotti - Janete Soares)
03 - Anda que te anda
(Ary Toledo - Mário Lago)
04 - Amor em clima de paz
(Luiz Vieira - Fernando José)
05 - Minha verdade
(Agnaldo Rayol)
06 - Você é um pouco de mim (I've got you under my skin)
(Cole Porter - vs: Nazareno de Brito)
07 - Carolina
(Chico Buarque)
08 - Volta amanhã
(Fernando Cesar - Mário Brito)
09 - Boa noite saudade
(Renato Correa - Donaldson Gonçalves)
10 - O sol
(Fernando Cesar)
11 - Coisas que são nossas
(Juvenal Fernandes - Michel Butnariu)
12 - Busca nas alturas (Climb every mountain)
(Richard Rodgers - O. Hammerstein Il - vs: Nazareno de Brito)
13 - Livre  (Born free)
(Don Black - John Barry - vs: N. Bourget)


sábado, 16 de agosto de 2014

Orquestra Tropicana - O som do sucesso (LP 1978)

Sucessos nacionais e internacionais de 1978 compõem o repertório da Orquestra
Desconfio que a Tropicana é mais uma orquestra de estúdio, constituída por músicos e cantores contratados, daí a falta de informação na ficha técnica sobre os artistas envolvidos. O fato é que a indústria fonográfica lançou discos de inúmeras orquestras similares. Todas tinham em comum o repertório, formado por hits populares, nacionais e internacionais. A fórmula deu certo porque esses títulos vendiam muito bem. É o caso deste álbum, lançado em 1978 pelo selo Polyfar (Polydor/Philips), que procura agradar a todos os ouvidos, como se pode constatar pelo repertório. A lista vai desde o brega romântico da música “Que pena”, do Peninha, passa pela “Romaria”, do Renato Teixeira, e desemboca até na pista de dança com “How deep is your love”, dos Bee Gees. Confira:

01 – Loneliness
(Weyer – Lukoeski)
02 – Zodiacs
(G. Moroder – P. Bellotte)
03 – Easy
(Lionel Richie)
04 – Romaria
(Renato Teixeira)
05 - Handy man
(J.Jones – O. Blackwell)
06 - Que pena
(Peninha – Livi)
07 - A noite vai chegar
(Paulinho Camargo)
08 - Nobody does it better
(C.B.Sager – M.Hamlisch)
09 - How deep is your love
(B.R. & M. Gibb)
10 – Emotion
(V. Sanson – P. Dahlstrom)
11 - Every man must have a dream
(R. Craig – B. Kinsley)
12 - The first cut is the deepest
(Cat Stevens)



Betinha - Bê-a-bá (CS 1964)

 Compacto simples da Betinha foi lançado em 1964 pela gravadora Chantecler
Em agradecimento ao amigo Aderaldo, que gentilmente cedeu o EP do Robson Gill, postado logo abaixo, comentei que não o conhecia. No entanto, disse a ele que conhecia apenas a música “Bê-a-bá”, interpretada por uma cantora que provavelmente seria a Betinha. Em resposta, ele não só confirmou que é a Betinha, como também me enviou o link com o compacto da cantora, lançado em 1964 pela Chantecler. A curiosidade fica por conta do lado B, "Que sorte", uma versão de “Que suerte”, gravada também pela Meire Pavão. Infelizmente não tenho informação bibliográfica e discográfica da Betinha. Confira o single:

01 – Bê-a-bá
(Tânio Jairo)
02 – Que sorte! (Que suerte)
(Palito Ortega - Chico Novarro – vs: Paulo Queiróz)

COLABORAÇÃO: Aderaldo, da Comunidade MC&JG

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Robson Gill - Algo Errado (EP 1963)

 Robson Gill gravou o primeiro disco em 1963, aos 16 anos, na gravadora SOM
Robson Gill. Alguém conhece? Eu não conhecia até receber este Compacto Duplo em mais uma valiosa colaboração do nosso amigo Aderaldo, da Comunidade MC&JG, a quem renovo meu sincero agradecimento. O cantor, que também assina como Robson Gil e ainda gravou como Wilson Roberto, é oriundo dos primórdios do rock brasileiro no início dos anos 1960, e nasceu em 12 de março de 1947 na cidade de Ourinhos, no interior de São Paulo. Começou sua carreira cantando  em circos ao lado da mãe Samara Rizzi.

Ainda adolescente, inspirava-se nos grandes ídolos da época, em destaque para Elvis Presley, Demetrius e Cauby Peixoto. Assim, aos 16 anos, gravou este EP pela gravadora SOM, rendendo-se ao twist, hully gully e rock balada. Logo a seguir assina contrato com a Copacabana, onde grava um compacto simples com as músicas “Playboy de bicicleta” e “Diva”. Participa em São Paulo do programa de maior audiência “Reino da Juventude”, apresentado por Antonio Aguillar, ao lado dos também iniciantes Jerry Adriani, Marcos Roberto, Os Vips, Wanderley Cardoso, Sérgio Reis, Prini Lorez, Orlando Alvarado, Deny e Dino e outros.

Parte para o Rio de Janeiro, e apresenta-se nos principais programas, como “Hoje é Dia de Rock”, de Jair de Taumaturgo, “A grande chance”, de Cesar de Alencar, “A E I O URCA”, da TV Tupi, e outros. Retornando a São Paulo, lança o seu primeiro LP pela gravadora Chantecler, intitulado “Mensagem do coração”, destacando-se a “Musiquinha pra você”. Apresentado por Jean Marcel, ao diretor artístico da CBS, Jairo Pires, que gostando e acreditando no seu talento, o contrata para o cast da mesma.

Produzido por Fernando Adour, surge então Wilson Roberto (Ex-Robson Gil), gravando as músicas  “Minhas dúvidas” e “Ainda te aceito como antes”, segundo dados fornecidos pelo Aderaldo. Não tenho outras referências sobre o artista, salvo o fato de que já postei no Sanduíche Musical, blog que antecede o SintoniaMusikal, um compacto com marcha carnavalesca do Wilson Roberto (aqui), mas não posso afirmar que se trata do mesmo artista. Confira o EP:

01 – Algo errado “Twist”
 (Castro Perret)
02 – Hás de voltar “Rock-Balada”
 (Alfredo Jacob - Robson Gill)
03 – Be-a-bá “Hully-Gully”
 (Tanio Jairo)
04 – Cabeleira “Twist”
 (Robson Gill - Casanova Jr.)


COLABORAÇÃO: Aderaldo, da Comunidade MC&JG


Waldirene - Garota do Roberto (CS 1967)

Post inclui as gravações de 1967 e as regravações de 2009 das músicas do disco 
Outro single que vale postar pela curiosidade é este de estreia da Waldirene. O compacto simples, produzido em 1967 pela RCA Victor, traz o primeiro e grande sucesso da carreira, "Garota do Roberto", uma referência a “É papo firme”, sucesso do Roberto Carlos na época. Eduardo Araújo e Carlos Imperial, autores da música, chegaram a oferecê-la pra Silvinha e Vanusa, mas o consenso era de que seria melhor na voz da uma novata, daí a gravação pela Waldirene, descoberta num colégio de São Paulo pelo radialista Ademar Dutra.

O destaque do disco é o lado B, geralmente ocupado por uma canção menor, porque a face A era sempre o foco da divulgação. No caso, a referência é “Só vou gostar de quem gosta de mim”, que muitos ainda sabem cantar devido ao sucesso na voz do Roberto Carlos. O que nem todos sabem é que Waldirene foi a primeira a gravá-la, e seu registro não teve muita repercussão porque divulgou apenas a “Garota do Roberto”, grande hit em 1967. Em 2009, quando retornou ao disco e assumiu o nome de batismo (Waldireni), substituindo o “e” final pelo “i”, a cantora regravou as duas músicas do primeiro disco. As originais e regravações, feitas num intervalo de 42 anos, estão no post. Confira:

01 – Garota do Roberto
(Carlos Imperial – Eduardo Araújo)
02 – Só vou gostar de quem gosta de mim
(Rossini Pinto)

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Wanderley Cardoso - Preste atenção (EP 1964)

 Primeiro EP do Wanderley Cardoso foi lançado em 1964 pela Copacabana
Este é um daqueles discos que vale pela curiosidade. Trata-se de primeiro EP do Wanderley Cardoso, lançado em 1964 pela Copacabana, contendo quatro canções extraídas de compactos simples: Rosanna/Deu a louca no mundo e Preste atenção/A angústia de tua ausência. O destaque foi a música “Preste atenção”, uma versão de “Fais attention”, também gravada com sucesso pela cantora Giane. O êxito obtido com as primeiras gravações o credenciou a gravar o LP “O jovem romântico” em 1965. A sua estreia no disco, porém, ocorreu em 1959, quando gravou “Canção do jornaleiro” para o LP “Brincando de escola com Mário Zan”, da RCA Victor. O jovem cantor só passou a investir na carreira a partir de 1964 com este disco que completa 50 anos desde o seu lançamento. Confira:

01 - Deu a louca no mundo (It’s a mad, mad, mad, mad world)
(E. Gold – M. David – vs: Nazareno de Brito)
02 – Rosanna
(Tommy Zang – vs: Genival Melo e Amaury Mazorca)
03 - Preste atenção (Fais attention)
(Jean Loup Chauby – Bob Du Cap – vs: Paulo Queiroz)
04 - A angústia de tua ausência (The gifth of love)
(Sammy Fain – Paul Francis Webster – vs:  Genival Melo)


domingo, 10 de agosto de 2014

Vários artistas - Saudade jovem nacional (LP 1976)

 Coletânea produzida pela RCA Victor reúne 20 sucessos da Jovem Guarda
Em 1976, menos de 10 anos após o fim do Programa Jovem Guarda, a indústria fonográfica já apelava para as coletâneas com os grandes sucessos do movimento liderado por Roberto, Erasmo e Wanderléa. Os trio, no entanto, não está presente na seleção, pois o disco concentra os artistas da RCA Victor, apesar da presença do Sérgio Reis – contratado na época pela Odeon – com o hit Coração de Papel. Mesmo assim, o álbum não fica nada a dever em relação aos títulos similares, pois atinge o propósito de oferecer os grandes sucessos da Jovem Guarda. Confira:

01 - Ronnie Cord - Rua Augusta
(Hervê Cordovil)
02 - Sérgio Murilo - O pão
(Reginaldo Rossi - Namir Cury - Orácio Faustino)
03 - Waldirene - A garota do Roberto
(Carlos Imperial - Eduardo Araújo)
04 - George Freedman - Coisinha estúpida (Something stupid)
(Parkus - vs: Gileno)
05 - Sérgio Reis - Coração de papel
(Sérgio Reis)
06 - Vanusa - Pra nunca mais chorar
(Carlos Imperial - Eduardo Araújo)
07 - Os Incríveis - Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rollings Stones
(Migliacci - Lusini - vs: Os Incríveis)
08 - Os Caçulas - Estrela que cai
(Calt Macdermot - James Rado - Ragni - vs: Hamilton Di Giorgio)
09 - Demétrius - Ternura
(Estelle Levitt - Kenny Karen - vs: Rossini Pinto)
10 - Carlos Gonzaga - Só eu e você
(Les Reed - Geoff Stephens - vs: Lilian Knapp)
11 - Antonio Marcos - Tenho um amor melhor que o seu
(Roberto Carlos)
12 - Nilton César - Férias na India
(Osmar Navarro)
13 - Rosemary - Que me importa o mundo (Che  m'importa del mondo)
(Migliacci - Enriquez - vs: C.Moraes)
14 - Wilson Miranda - Estou começando a chorar
(Roberto Carlos)
15 - Carlos Imperial - O bom - O carango
(Carlos Imperial) - (Carlos Imperial  - Nonato Buzar)
16 - Fábio - Stella
(Fábio - Paulo Imperial)
17 - Ronnie Cord - Biquini de bolinha amarelinha tão pequenininho
(Pockriss - Vance - vs: Hervê Cordovil)
18 - Sérgio Murilo - Dançando o letkiss (Doin' the jenka)
(Jan Rohde - vs: Rossini Pinto)
19 - Waldirene - Meu benzinho
(D.Sahnm - vs: William Santhiago)
20 - Os Incríveis - O homem do braço de ouro
(Sylvia Pine - Elmer Bernstein)

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Joelma - Pombinha branca (LP 1976)

 Álbum gravado em 1976 na Continental inclui o sucesso "Pombinha branca"
Olha só que bela raridade nos oferece o nosso amigo e colaborador Aderaldo, da Comunidade MC & JG: este LP da Joelma, produzido em 1976 pela Continental, e inédito na rede. O interessante é que o disco inclui a música “Pombinha branca”, um dos maiores sucessos da cantora, e não justifica a dificuldade de encontrá-lo à venda em sebos e sites especializados. Felizmente, graças ao Aderaldo, a quem renovo meus agradecimentos, o álbum passa a ser disponibilizado para os fãs da cantora, que já tem sinopse de sua carreira divulgada no blog. Confira:

01 - Voltarei, voltarás (Tornerai, Torneró)*
(R. Vecchioni - R.  Pareti - Vermar - Vs: Silvia Boarato)
02 - Padre *
(Romans -  Vs: Silvia Boarato)
03 - Sem querer me apaixonei (Sin quererlo yo me enamore)***
( Marquito - Livi - Vs: Livi)
04 - Venha ver o meu fim*
(Silvio Brito)
05 - Livre (Livre Como Gaivota) *
(Felipe Gil - Mario Arturo - Vs: Joelma)
06 - Lar, doce lar **
(João Walter - Jean Pierre)
07 - Todo dia a mesma história**
(Carlos Pedro)
08 - Chapéu lilás ***
(João Carlos - João Walter)
09 - Meu mundo de esperança**
(João Walter - Reinaldo Brito)
10 - Tanta coisa pra dizer*
(João Carlos - João Walter)
11 - Pombinha branca *
(Silvia Boarato - Murano)
12 - Um momento de amor  (We Way Never Love Like This Again) ****
(Al Kasha - Joel Hirschhorn - Vs: Rosana)

FICHA TÉCNICA

Produção fonográfica: Discos Continental
Direção de produção: Wilson Miranda
Técnicos de som: Carlos Alberto e Zorro
Estúdio: Sonima
Arranjos e regência:
* Ted Moreno
** Messias  Jr.
*** Jorge Kaszas
**** Chico Morales
Capa: Walmir

COLABORAÇÃO: Aderaldo, da Comunidade MC&JG, do Orkut