Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Vários intérpretes - Nostalgia jovem (LP 1974)

 Álbum produzido pela EMI-Odeon traz hits internacionais dos anos 1960
O que escrever sobre esta coletânea internacional lançada em 1974 pela EMI-Odeon? A primeira coisa que me vem em mente é a qualidade do repertório, formado em sua grande maioria por músicas gravadas ao longo dos anos 1960. Pra começar, o álbum abre com “The house of the rising sun”, conhecida entre nós como “A casa do sol nascente”, grande sucesso do grupo The Animals, e ainda traz Matt Monro, Pino Donaggio, Lucho Gatica, Frank Pourcel, Adamo e outros. A curiosidade fica por conta de “Maria no mas”, uma versão da brasileira “Maria Ninguém”, do Carlos Lyra, na interpretação do Cliff Richard, e gravada também pela Brigitte Bardot. Confira: 

01 - The Animals - The House Of The Rising Sun
(Alan Price)
02 - Matt Monro - Yesterday
(Lennon - McCartney)
03 - Pino Donaggio - L'ultima telefonata
(Pino Donaggio - Vito Pallavicini)
04 - Lucho Gatica - Historia de un amor
(Carlos Almaran)
05 - Los Diablos - Un rayo de sol (Fernando)
(Claude Carrère - Daniel Vangarde - Amado Jaen)
06 - Franck Pourcel - Here, there and everywhere
(Lennon - McCartney)
07 - Vince Hill - Look around (And you'll find me there)
(Lai - Mark - Simon)
08 - Adamo - Inch'Allah
(Adamo)
09 - Cliff Richard - Maria no mas (Maria ninguém)
(Carlos Lyra - Salina)
10 - Lucho Gatica - Esperame en el cielo
(Francisco Paquito - López Vidal)
11 - Trio Galeta - I'm so happy (Igual que ayer, igual que antes)
(Anibal Conte - Carlos Iturbide)
12 - Franck Pourcel - Love is blue (L'amour est bleu)
(A. Popp - P.Cour)



segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Dave Gordon - The Good Book (LP 1988)

 Álbum produzido em 1988 pela Ali Records se destaca pelo conteúdo gospel
Dave Gordon já é conhecido pelos frequentadores do blog. Desta vez, o artista comparece com este “The Good Book”, álbum de capa dupla lançado em 1988 pela Ali Records. O disco, predominantemente gospel, como denuncia a capa, com foto da Bíblia sobre o peito do cantor, se destaca pela faixa que abre o disco, “Some Day” (Face to face with the Lord), composta pelo próprio Dave. Também merecem menções as faixas “Blowin’ In The Wind”, clássico do Bob Dylan, e “Island In The Sun”, de Harry Belafonte. As sete canções restantes do álbum são de domínio público e não comprometem a qualidade do LP, que é muito bom. Confira:

01 - Some day (Face to face with the Lord)
(Dave Gordon)
02 - Blowin' in the Wind
(Bob Dylan)
03 - Island in the Sun
(Harry Belafonte)
04 - Nobody knows the trouble I've seen
(Domínio Público)
05 - Sometimes I feel like a motherless child
(Domínio Público)
06 - Jesus on the Main Line
(Domínio Público)
07 - Swing lon, sweet chariot
(Domínio Público)
08 - Amen
(Domínio Público)
09 - All for Jesus
(Domínio Público)
10 - Go down Moses
(Domínio Público)




sábado, 16 de janeiro de 2016

Pedro Wilson - Hully gully internacional (2016)

 Pedro Wilson bebe da mesma fonte musical do cantor Carlos Gonzaga
Uma das consequências do sucesso alcançado por um cantor ou cantora é o surgimento de imitadores e covers que, após despertar atenção sobre si, devem buscar o seu próprio caminho, sob pena de se perder na estrada. Um exemplo é Roberto Carlos. Como todos sabem, começou imitando João Gilberto, no final dos anos 1950, e hoje é o “rei”. Naquela época, nos primórdios do rock, quem fazia sucesso era o Carlos Gonzaga, que também teve um cover: Pedro Wilson, com repertório e voz parecidas com as do intérprete de sucessos como “Diana”, "Oh, Carol", "Bat Masterson" e vários outros.

O interessante é que, apesar da similaridade, ninguém comentou sobre o assunto, e o desafio hoje é encontrar dados biográficos do Pedro Wilson, de quem nosso amigo Aderaldo montou e agradeço por mais essa coletânea.  A seleção inclui músicas de três compactos simples, gravados na Mocambo e Continental, e a faixa “Hully gully internacional”, baixada na rede. Foi gravada em 1964 na Farroupilha, com “Ai amor” no lado B, ausente da coletânea, assim como “Foge daqui” e “Sinal vermelho”, de outro compacto produzido pela mesma gravadora. Pode ser que tenha outros discos gravados, mas essas sete faixas são suficientes pra conhecer a performance do cantor. Confira:

01 - Hully gully internacional
(?)
02 - Rosas vermelhas para uma dama triste (Red Roses For A Blue Lady)
(Sid Tepper - Roy Brodszky - Versão: Juvenal Fernandes)
03 - Só quero você (Kissin’ Time)
(Lowe - Mann - Versão: João Borges)
04 - Ouça
(Sérgio Reis - Os Vips)
05 - Aqueles beijos (Retiens La Nuit)
(Charles Aznavour - Georges Garvarentz - Versão: Sergio Freitas)
06 - Se você voltar serei feliz
(Sérgio Reis)
07 - Meu tudo pra mim
(Wilson Miranda - Baby Santiago)


Colaboração: Aderaldo


quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Vários artistas - As 14 p'ra frente - Vol. 6 (LP 1969)

 Álbum da Continental inclui Demétrius, Sérgio Murilo, Teddy Lee e outros
Um dos projetos comerciais mais bem-sucedidos da CBS/Sony foi a coletânea As 14 Mais, lançada entre 1960 e 1979, e seus 29 volumes serviram de vitrine para os principais lançamentos da gravadora. O modelo serviu de inspiração para outras gravadoras que, igualmente, colocavam produtos similares no mercado. É o caso deste LP, “As 14 p’ra frente”, uma coletânea da gravadora Continental que desconheço o tamanho. Este é o sexto volume da série e foi lançado em 1969. O álbum traz duas músicas não incluídas na coletânea especial do Teddy Lee, postada aqui, e inclui gravações de artistas como Demétrius, Sérgio Murilo, Dick Danello, Francisco Egydio e outros. Confira:

01 - Dick Danello - Sentado à beira do caminho
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
02 - Aurea - Adeus (Goodbye)
(Lennon - McCartney - vs: Fred Jorge)
03 - Francisco Egydio - Foste minha um verão 
(Fuieste mia un verano)
(Vico Verti - Leonardo Favio - vs: Cid Cesar)
04 - Teddy Lee - Ama-me esta noite (Love me tonight)
(Pilar - Panzeri - Pace - vs: Fred Jorge)
05 - Demétrius - O estranho de cabelos longos
 (El extraño del pelo largo)
(E. Masllorens - H. Lezica - vs: Demétrius)
06 - Agostinho dos Santos - Apenas uma rosa 
(O quizas simplesmente le regale una rosa)
(L. Favio - vs: Hiller)
07 - Sergio Murillo - Coraçãozinho (Picolo cuore)
(Carter - Lewis - Alquist - vs: G.Figueiredo)
08 - Simone - Aqui
(Martinha)
09 - Teddy Lee - Aquarius
(Galt MacDermot - James Rado - Gerome Ragni - vs: Teddy Lee e Shultz)
10 - Dave Gordon - Day after day
(Margolin - Riopelle - Reynolds)
11 - Francisco Egydio - Ela me esqueceu 
(Ella... ella ya me olvido, yo la recuerdo ahora)
(Leonardo Favio - vs: Sebastião F. Silva)
12 - Agostinho dos Santos - Santo domingo (Declamação de Walter Forster)
(R.Lindt - P.Poll)
13 - André Luiz - Não escute esta canção
(Rick Ricardo - Paulo Roberto)
14 - Lindomar Castilho - Contigo aprendi
(A.Manzanero - vs: Nazareno de Brito)



segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

David Bowie - Beauty And The Beast (CS 1977)

 Single apresenta duas músicas do álbum "Heroes", produzido em 1977
É triste acordar e ser informado sobre a morte do cantor David Bowie, um dos mais versáteis e inovadores nomes do rock e do pop desde os anos 1970. O artista, autor de clássicos como "Starman" e "Space Oddity", morreu nesse domingo (10), aos 69 anos, após lutar 18 meses contra um câncer. Reservado com sua vida pessoal, a doença do artista só veio a público agora.

"David Bowie morreu hoje, pacificamente, cercado por sua família após uma luta corajosa de 18 meses contra o câncer. Ainda que muitos de vocês compartilhem nossa dor, pedimos que respeitem a privacidade da família neste período de luto", informou um comunicado divulgado por volta das 5h desta segunda-feira (11) na página oficial do cantor no Facebook. Filho de Bowie, o cineasta Duncan Jones também se pronunciou em sua página no Twitter. "Muito triste em dizer que é verdade. Ficarei offline por um tempo. Amor para todos", escreveu. Nascido David Robert Jones, em 8 de janeiro de 1947, na cidade de Brixton, Londres, Bowie formou a primeira banda aos 15 anos, The Konrads. Adotou o sobrenome Bowie em meados dos anos 1960, já que seu sobrenome de registro gerava confusão com Davy Jones, do grupo The Monkees.

O primeiro single, "Liza Jane", saiu sob o nome Davie Jones with the King Bees, em 1964, sem sucesso. A carreira do artista começou a tomar forma com o lançamento do LP de estreia, homônimo, em 1967. Mas o primeiro marco veio no segundo trabalho, também chamado David Bowie (e depois rebatizado como Space Oddity), em 1969, com a música-título. A partir daí, firmou e escreveu seu nome na história das artes, incluindo o cinema. O último disco em vida, "Blackstar" , foi lançado na sexta-feira passada, dia 8, quando fez 69 anos. Em homenagem póstuma, vou apresentar este single, com duas músicas do álbum “Heroes”, lançado em 1977. Confira:

01 - Beauty And The Beast
(David Bowie)
02 - Sense Of Doubt
(David Bowie)



domingo, 10 de janeiro de 2016

Times Square - Trilha do melhor show musical da tv

 "Times Square" foi exibido pela extinta TV Excelsior entre 1963 e 1965
Recebi dois pedidos, e não custa nada atendê-los, reapresentando o álbum “Times Square – Trilha sonora do melhor show musical da televisão”, lançado em 1964 pela RCA Victor. Foi originalmente postado em julho de 2011 no Toque Musical, hoje com link vencido, e só disponível no Minhateca. As solicitações pelo disco se devem a citação e a foto do álbum ontem no texto de apresentação do compacto do Daniel Filho e Dorinha Duval, integrantes do Times Square, programa apresentado na TV Excelsior, Canal 2, do Rio de Janeiro. Era produzido pelo Carlos Manga, com textos de Haroldo Barbosa e Mario Meira Guimarães. A produção musical e as próprias músicas são de João Roberto Kelly. No elenco desse grandioso espetáculo também participaram figuras como Grande Otelo, Castrinho, Ema D'Avila, Aizita Nascimento e muitos outros. Confira:

01 – Times Square – Abertura (com João Roberto Kelly e Orquestra e Coro)
(João Roberto Kelly - Meira Guimarães) 
02 – Transviados (com Waldir Maia e Ema D’ávila)
(João Roberto Kelly) 
03 – Aeromoças (com Lilian Fernandes, Annik Malvil, Myriam Persia e Ema D’ávila)
(João Roberto Kelly - Haroldo Barbosa) 
04 – Gangsters 
(com Castrinho, Hugo Brando, Geraldo Barbosa, Roberto Guilherme e Annik Malvil)
(João Roberto Kelly - Meira Guimarães) 
05 – Garotas do Pensionato (com Marinalva, Myriam Persia e Annik Malvil)
(João Roberto Kelly - Haroldo Barbosa) 
06 – Cow-boys (com Hamilton Ferreira, Ari Leite e Jaime Filho)
(João Roberto Kelly - Haroldo Barbosa) 
07 – Pot-pourri:
Samba de Branco (com Hamilton Ferreira, Paulo Celestino, Daniel Filho e Waldir Maia)
(João Roberto Kelly - J. Rui) 
Chá-chá-chá de Cabo Frio (com Hamilton Ferreira e Lilian Fernandes)
(João Roberto Kelly - J. Rui) 
Só Vou de Balanço (com Zélia Hoffman e Paulo Celestino)
(João Roberto Kelly) 
Twist no Samba de Branco (com Daniel Filho e Dorinha Duval)
(João Roberto Kelly) 
Hully-gully do Velhinho (com Waldir Maia e Isa Rodrigues)
(João Roberto Kelly - J. Rui) 
Risoleta (com Grande Otelo e Aizita Nascimento)
(João Roberto Kelly) 
PRA VOCÊ DANÇAR
08 – Times Square – Abertura
(João Roberto Kelly - Meira Guimarães) 
09 – Risoleta
(João Roberto Kelly) 
10 – Twist no Samba de Branco 
(João Roberto Kelly) 
11 – Cha Cha Cha de Cabo Frio 
(João Roberto Kelly - J. Rui) 
12 – Hully Gully do Velhinho
(João Roberto Kelly - J. Rui) 
13 – Samba de Branco
(João Roberto Kelly - J. Rui) 




Bossa 4 - Repeteco (LP Equipe 1967)

Bossa 4 executa sucessos da Jovem Guarda e do exterior em LP de 1967
  
Baixei este álbum ontem no Parallel Realities Music, blog de onde repostei anteontem os dois volumes do grupo Os Craques da Música, e sem nenhum pudor vou apelar pra um Repeteco, como intitula o LP, mantendo o link original. A julgar pela capa e pelo nome do grupo, Bossa 4, eu imaginava que se tratava de álbum de Bossa Nova, mas a minha surpresa foi olhar o repertório e descobrir que o disco é de autêntica Jovem Guarda, com releitura instrumentais de sucessos como “Vem quente que estou fervendo”, “Coração de papel”, “Uni-du-ni-tê” e outros. O LP foi lançado em 1967 pela Equipe. Texto na contracapa informa que o conjunto foi formado em Teresópolis, no Rio de Janeiro, em 1964. É constituído por Carmindo (guitarra e vocal), Joy (bateria), Pedrinho (contrabaixo) e Borginhos (órgão, vibrafone, piano e acordeão). Confira: 

01 - Vem Quente Que Eu Estou Fervendo 
(Carlos Imperial - Eduardo Araújo)
02 - Coração de Papel 
(Sérgio Reis)
03 - Uni-Du-Ni-Tê 
(Chico Feitosa - Nonato Buzar)
04 - Caravan 
(Duke Ellington - Irving Mills - Juan Tizol)
      Quando 
(Tenco)
      Fascination 
(Fermo Dante Marchetti)
      Cerisier Rose Et Pommier Blanc 
(Louiguy - Jacques Larue)
05 - Quem Não Quer (Black Is Black
(Tony Hayes - Steve Wadey - Michelle Grainger - Vrs - Rossini Pinto)
06 - Quebra Quebra Gabiroba 
(Plinio de Brito)
      Yes, Nós Temos Bananas 
(João de Barro - Alberto Ribeiro)
      Pierrô Apaixonado 
(Noel Rosa - Heitor dos Prazeres)
      Mamãe Eu Quero
 (Jararaca - Vicente Paiva)
      Seu Condutor 
(Alvarenga - Ranchinho - Herivelto Martins)
      Quebra Quebra Gabiroba
 (Plinio de Brito)
07 - Bus Stop 
(Graham Gouldman)
08 - Eu Só Quero Ver
 (Sérgio Reis)
09 - The Exodus Song 
(Ernest Gold - Pat Boone)
      I Could Have Danced All Night 
(Alan Jay Lerner - Frederick Loewe)
      Swedish Rhapsody
 (H - Alfven)
10 - Você Fala Demais 
(Francisco Fraga "Puruca")





sábado, 9 de janeiro de 2016

Daniel Filho e Dorinha Duval: Adoro a Dora (CS 1964)

 "Twist no samba de branco" foi tema do musical "Times Square", da TV Excelsior
“Twist No Samba de Branco” e “Adoro a Dora”, interpretadas pelos atores Daniel Filho e Dorinha Duval, são da trilha sonora do “Times Square”, programa musical da TV Excelsior, assinada por João Roberto Kelly, Haroldo Barbosa, Meira Guimarães e J. Rui. A atração, levada ao ar entre setembro de 1963 e maio de 1965, foi considerada um marco na TV brasileira, e reunia o que havia de melhor no meio. O programa, todo em estilo de teatro revista, trazia quadros de humor, quase sempre musicados.

O programa era apresentado pela TV Excelsior do Rio, com transmissão direta para São Paulo, às quintas feiras, às 20h30, logo após a novela das oito. Tinha no elenco astros do humorismo, como Grande Otelo, Myriam Pérsia, Ema D'Ávila, Castrinho, Aizita Nascimento, Hugo Brando, Geraldo Barbosa, Roberto Guilherme, Annik Malvil, Lilian Fernandes, Waldir Maia, Hamilton Ferreira, Paulo Celestino, Zélia Hoffman, Lupe Gigliotti e outros.

Daniel Filho e Dorinha Duval, que foram casados na vida real e são pais da atriz Carla Daniel, também faziam parte do elenco, que chegou a gravar em 1964 o LP “Times Square - Trilha Sonora Do Melhor Show Musical Da Televisão”, (veja capa acima), lançado pela RCA Victor e já postado na rede. A gravadora aproveitou o sucesso do musical e também lançou este raro compacto simples, apenas com o casal, destaque do elenco. Agradeço ao amigo Geraldo por mais esta colaboração. O disco traz “Twist no samba de branco”, incluída no LP, mas em nova versão, e a então inédita “Adoro a Dora”, ambas de João Roberto Kelly. Confira:

01 – Twist em samba de branco
(João Roberto Kelly)
02 – Adoro a Dora
(João Roberto Kelly)

Colaboração: Geraldo



sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Os Craques da Música - É uma brasa para dançar 2

Hits nacionais e internacionais são executados em 1967 pelos Craques da Música
O segundo volume da série “É uma brasa para dançar”, do grupo Os Craques da Música, foi lançado em 1967, um ano após o primeiro, e foi originalmente postado no blog Parallel Realities Music. Tomei a liberdade de repostar os dois volumes disponíveis, mantendo o mesmo link pra download. Assim como o primeiro, este segundo também traz uma seleção de sucessos nacionais e internacionais do momento. Entre os nacionais destacam-se “Namoradinha de um amigo meu”, “Coração de papel”, “Veja se me esquece” e outras, incluindo internacionais como “Strangers in the night”, “The more I see you” e “Bus stop”, entre outras.

Texto na contracapa informa que os Craques da Música são músicos bastante experimentados e que outrora atuaram em outros conjuntos e orquestras de renome. Neste disco, o grupo é formado por Zézinho (arranjador, pianista  organista), Dorimar (pistonista), Casé (sasofonista), Gérson (contra-baixista/cordas-tuba), Edilson (baterista), Schetine (sax-tenor) e Ditinho (trombone). Este é o terceiro álbum gravado para a Chantecler. O primeiro foi “Zézinho e seu sambalanço” e logo em seguida Os Craques da Música. Confira:

01 - Namoradinha de Um Amigo Meu
      (Roberto Carlos)
      The More I See You
      (Harry Warren - Maсk Gordon)
02 - Love Nothing More
      (John Lennon - Рaul MсСartneу)
      Born Free
      (Don Вlaсk - John Вarrу)
03 - Вus Stoр
      (Graham Gouldman)
04 - The Sрanish Flea
      (J - Weаhter)
      O Pica-pau
      (Renato Barros - Lilian Knapp)
05 - Longe Tão Рerto
      (Márсio ”Viр” Antonuссi - Ronaldo Antonucсi)
      Veja Se Me Esqueсe
      (Marсos Roberto - Dori Edson)
06 - Strangers In The Night
      (Вert Kaemрfert - Сharles Singleton - Eddie Snуder)
      Girl
      (John Lennon - Рaul MсСartneу)
07 - Вlaсk Is Вlaсk
      (Tonу Нaуes - Steve Wadeу - Miсhelle Grainger)
      Сoração de Рaрel
      (Sérgio Reis)
08 - Mondaу Mondaу
      (John Рhilliрs)
      Somewhere My Love (Tema de Lara)
      (Mauriсe Jarre)
09 - Você Me Acende (You Turn Me On)
      (Ian Whitсomb - Vrs - Erasmo Carlos)
      Tristeza
      (Нaroldo Lobo - Niltinho Tristeza)
10 - Daу Triррer
      (John Lennon - Рaul MсСartneу)
      Mundo Louco
      (Luiz Wanderleу - Julio Riсardo)
11 - Winсhester Сathedral
      (Geoff Steрhens)
      La Рouрée Qui Fait Non
      (Miсhel Рolnareff - Franck Gérald)
12 - The Lonelу Вull
      (Sol Lake)
      Meu Рranto A Deslizar (As Tears Go Ву)
      (Miсk Јаgger - Кeith Riсhards - Andrew Oldham - Vrs - Fred Jorge)



Os Craques da Música - É uma brasa para dançar 1

 
Primeiro volume da série foi lançado em 1966 pela gravadora Chantecler
Descobri recentemente este primeiro volume da série “É uma brasa para dançar”, do grupo Os Craques da Música, comandado por Zezinho (José Baptista da Silva), no blog Parallel Realities Music, e vou tomar a liberdade de repostar os dois volumes disponíveis, mantendo o mesmo link pra download. A série, acredito, tem quatro volumes, sendo que o terceiro encontra-se postado no blog La Playa Music, e o quarto não tenho. Pra apresentar este primeiro, lançado em 1966 pela Chantecler, vou reproduzir o texto assinado por Hélio de Araújo na contracapa:

“O que vamos ouvir neste LP é uma autêntica seleção dos grandes hits da atualidade. E com toda a habilidade dos elementos que, ao lado do Zézinho, conseguem transmitir aquela musicalidade que a gente gosta de ouvir”, destaca, citando o resultado de faixas como “Festa do Bolinha”, “Quero que vá tudo pro inferno” e “A volta”. O grupo é formado por Gerson (baixo, cordas e tuba), Casé (sax alto e tenor), “Lambari” (em algumas faixas com seu sax alto), Zezinho (piano, órgão e arranjador), Edilson (bateria) e Dorimar (piston). Confira:

01 - Lobo Mau (The Wanderer)
(Ernie Maresca - Vrs - Hamilton Di Giorgio)
Pega Ladrão
(Getúlio Cortes)
02 - A Volta
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
All Mу Loving
(Јоhn Lennоn - Рaul MсСartney)
03 - A Festa do Bolinha
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
Quero Que Vá Tudo Pro Inferno
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
04 - O Muro de Berlim
(Erasmo Carlos - Roberto Carlos)
The Virginian
(Р - Faith)
05 - Вruсutu (Alleу-ooр)
(Dallas Frazier)
    Rosinha 
(Osvaldo Aude - Athaуde Julio)
06 - Dio, Сome Ti Amo
(Domeniсo Modugno)
Сaрri С’est Fini
(Нervé Vilard - Marсel Нurten)
07 - Alguém Na Multidão
(Rossini Рinto)
Mira-me
(Chuvisco - Sebasto)
08 - Road Нog (O Сalhambeque)
(John D - Loudermilk - Gwen Loudermilk)
A Pescaria
(Erasmo Carlos - Roberto Carlos)
09 - Il Silenzio
(G - Вrezza - N - Rosso)
Si Fa Sera
(Amurri - De Martino)
10 - Рimentões Verdes (Green Рeррers)
(S - Lake)
Grão de Вiсo (El Garbanzo)
(S - Lake)
11 - Miсhelle 
(John Lennon - Рaul MсСartney)
Não Quero Ver Você Triste
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
12 - Mexerico da Candinha
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
Não É Papo Pra Mim
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)





quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Sonia Santos - Coletânea Especial (2016)

Coletânea com 20 faixas mostra toda versatilidade e talento da Sonia Santos
Curto muito a Sonia Santos. É uma das artistas pelas quais lamento o fato de não ter o talento reconhecido como deveria, apesar do seu afastamento dos palcos brasileiros e desenvolver carreira nos Estados Unidos, onde mora desde o final dos anos 1980. Hoje é desconhecida pelas novas gerações. O fato é que, apesar dos dois álbuns da cantora postados aqui, é difícil encontrar outras gravações de sua discografia, com exceções das trilhas de novelas, como “O Espigão” (Você vai ter que me aturar) e “O Rebu” (Porque), por exemplo. A dificuldade é maior ainda quando a procura é pelos discos norte-americanos, a não ser que esteja disposto a pagar os preços exigidos por vendedores em sites especializados.

Fiz um apanhado do que tenho, incluindo discos baixados na rede, e montei esta coletânea com 20 faixas, entre as quais, vale destacar, adicionei o áudio de vídeos do Youtube. O resultado é uma seleção interessante que mostra toda a versatilidade da cantora que passeia por vários gêneros musicais, desde as dançantes “Speed”, “Ben Discotheque” (pot-pourri de músicas do Jorge Benjor em versão disco), “Sábado alucinante” (com Banda Black Rio) e outras, até clássicos como “Recenseamento”, “Tico-tico no fubá”, “Brasileirinho”, “Vingança” e “Ponteio” (em dueto com Ana Gazzola), sem contar a curiosa "Porque", música do Raul Seixas e Paulo Coelho. Melhor do que descrever é ouvir. Confira:

01 - Speed
02 - Ben Discotheque
03 - Brasileirinho
04 - Sábado Alucinante (com Banda Black Rio)
05 - Recenseamento
06 - Hert
07 - Menino das laranjas
08 - Poema rítmico do malandro (remix)
09 - O bom malandro
10 - Não sei
11 - Marraio
12 - Porque
13 - Somos todos irmãos
14 - Vingança
15 - La puerta
16 - Você vai ter que me aturar
17 - Poema rítmico do malandro
18 - Ponteio (com Ana Gazzola) ao vivo
19 - Tico tico no fubá (ao vivo)
20 - Love is a many splendored thing (ao vivo)




quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Os Terríveis - Onda Jovem (LP 1967)

 Segundo álbum do grupo Os Terríveis foi produzido pela SBA em 1967
Que tal comemorarmos os 50 anos da Jovem Guarda, completados em agosto último, com este raro disco instrumental do grupo pernambucano Os Terríveis, lançado em 1967 pela gravadora SBA? O álbum “Onda Jovem” é o segundo LP da banda, e segue a mesma fórmula do primeiro, “Hit-Parade”, que eu não tenho, lançado no ano anterior, com repertório recheado de hits nacionais e internacionais do momento. No disco, nacionais como “Namoradinha de um amigo meu”, “O tijolinho” e “Eu não sabia que você existia”, além de internacionais como "See you in september", "The game of love", "Black is black", e outras.

O grupo, formado em Recife, originalmente como “Os Lords”, veio ao Rio de Janeiro em 1965 em busca de maior espaço no cenário musical. Trocou o nome e adotou outro porque já existia uma banda homônima, e mais conhecida. Foi assim, como Os Terríveis, que gravaram ainda em 1965 o primeiro disco, um compacto simples pela Chantecler com as músicas “Cruel sea” (Mar cruel) e “The house of the rising Sun” (A casa do sol nascente). Com o single, que eu também não tenho, o grupo se apresentou nos principais programas de rádio e TV dirigido ao público jovem.

Na sequência, em 1966, a banda gravou o primeiro LP, “Hit Parade”, na SBA, com Nido Mau (guitarra solo), Beto (baixo), Geo (sax), Nado (guitarra base) e Nando (bateria). Por ocasião da gravação deste segundo álbum, "Onda Jovem", saiu o guitarrista Nado e entrou o Milton, apelidado de "Zé Colmeia", na guitarra base. Ainda em 1967, a banda mudou de gravadora e foi para a Odeon, onde gravou o terceiro LP, "Barra Limpa", pelo Selo Parlophone, postado no La Playa Music e Toque Musical. Nele, o grupo está sem o saxofonista Geo, que não foi substituído, e o guitarrista Milton, trocado por Marcos Fontenely, o "Nely". Segundo consta, a banda ainda gravou um EP natalino, e em 1972 lançou o LP "Super Parada”, na RCA, encerrando provavelmente as atividades em disco. Confira:

01 - Namoradinha de um amigo meu
(Roberto Carlos)
02 - See you in september
(S.Wayne - S. Edwards)
03 - Tijolinho
(Wagner Tadeu Benatti)
04 - Eu não sabia que você existia
(Renato Barros - Tony)
05 - O agente secreto
(Sloan - Barry)
06 - The game of love
(Clint Ballard Jr.)
07 - Born free (Livre)
(Black - Barry)
08 - Winchester cathedral
(Geoff Stefhens)
09 - O chorão
(Edson Mello - Luiz Keller)
10 - Veja se me esquece
(Marcos Roberto - Dori Edson)
11 - Walkin'
(Welch - Marvin Bennett)
12 - Black is black
(Hayes - Wadey - Grainger)



terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Claudia - Jesus Cristo (CS sem data)

 Compacto simples de "Jesus Cristo" em Angola traz "Frente fria" no lado B
"Jesus Cristo" é ainda o principal hit do repertório da Claudia desde o início da carreira nos anos 1960, e sua gravação competiu em execução com a original na voz do Roberto Carlos. Não sei quem vendeu mais, mas a minha preferência era pelo disco da Claudia, não só pela interpretação, mas também porque o compacto em que foi lançado em 1971 pela EMI-Odeon tinha outra música excelente, “Com mais de 30”, de Marcos Valle e Paulo Sérgio Valle, no lado B. A minha surpresa foi receber e agradecer o amigo Laércio por este compacto, lançado pela Parlophone em Angola, com “Jesus Cristo” e “Frente fria” na outra face do disco .

“Claudia, todos a conhecem por muitas vezes a terem ouvido. Na famosa ‘Canção de amor e paz’, que foi o primeiro contacto musical de Claudia entre nós”, informa o texto impresso na contracapa do disco angolano. No que diz respeito a canção, o texto esclarece que “todos já sabem de cor porque, não só no Brasil, como também em Portugal, ela foi realmente um êxito espetacular”. Na sequência, o redator anônimo questiona: “Então, o que se passa de novo com este disco?”. A resposta vem em seguida: “É que Claudia ve aqui a composição ‘Jesus Cristo’ sobre um ângulo novo. Pois, claro, é nisto que reside a novidade deste disco”, conclui.

O interessante é que, assim como outros mercados, o lado B é totalmente ignorado. Neste caso, é a também excelente, “Frente fria”, de Marcos Valle e Paulo Sérgio Valle. A dificuldade é informar onde o disco, sem ano da produção, foi fabricado. A contracapa informa que foi em Portugal por Valentim de Carvalho, enquanto a impressão na etiqueta do disco revela que foi em Luanda, Angola, sob licença por Valentim de Carvalho. Seja como for, o disco da hoje Claudya é um prato cheio para os colecionadores. Confira:

01 – Jesus Cristo
(Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
02 – Frente fria
(Marcos Valle – Paulo Sérgio Valle)

Colaboração: Laércio



segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Sidney Magal - O amante (LP 1979)

 Terceiro LP foi produzido no ano do lançamento do filme "Amante Latino"
“O amante”, produzido em 1979, mesmo ano em que estrelou o filme “Amante Latino” no cinema, é o terceiro álbum da carreira do Sidney Magal. O sucesso foi impulsionado a partir da música “Se te agarro com outro te mato”, gravada na Polydor em 1976, quando lançou o primeiro LP com o hit “Meu sangue ferve por você”. Neste disco, o destaque é a rumba “Brasileiro no meu calor”, muito executada nas emissoras de rádio, e o monólogo “O amante”, no qual aflora outras facetas de seu talento, a de ator e de dublador. A curiosidade fica por conta da versão feita por Paulo Coelho – que assina outras oito faixas do disco – para “Dame felicidad”, conhecida na interpretação de Enrique Guzman. A música também teve versão de Rossini Pinto, contemporânea da original, e foi gravada pela Wanderléa (1963) e Sérgio Murilo (1964).

Sidney Magal começou a cantar em programas infantis de televisão, mais tarde trabalhando também em boates e casas noturnas. O sobrenome artístico surgiu em uma excursão pela Europa. Apareceu na mídia nos anos 1970 como um cantor de músicas sensuais e românticas, causando furor entre as fãs. Seu repertório incorporava elementos da música cigana, da disco music e da música latina. Tornou-se presença constante em programas populares de televisão. O principal sucesso, entre vários, é "Sandra Rosa Madalena, a Cigana", muito executada em programas como de Silvio Santos e Chacrinha entre o final dos anos 1970 e início dos 1980. Um dos pontos altos de sua popularidade foi no início dos 1990 - com a efêmera explosão da lambada – e fez sucesso com a música "Me chama que eu vou", tema da novela "Rainha da Sucata", da Rede Globo.

Também trabalhou em cinema, participando dos filmes “Inspetor Faustão e o Mallandro” (1991), “O Caminho das Nuvens” (2003), “Um Lobisomem na Amazônia" (2005) e "Jean Charles" (2009). Sua faceta de ator ficou mais conhecida do público quando participou da novela "Ana Raio e Zé Trovão", em 1991, na Rede Manchete, e seu talento foi confirmado em 1993, quando estreou, no Teatro Ginástico, no Rio de Janeiro, o musical "Charity Meu Amor", com direção da saudosa Marília Pêra. A performance de Magal como ator e cantor no espetáculo arrebatou elogios, conquistando a crítica musical e teatral. Atuou também em novelas como “Da cor do pecado” (2004) e “Bang Bang” (2005), e revelou sua veia humorística como o professor do programa “Uma escolinha muito louca” (na foto acima, com elenco da atração da Band), entre 2008 e 2009. Magal continua na ativa e suas apresentações exigem inclusão dos sucessos da "fase cigana", da qual ainda faz parte este LP. Confira:

01 - Sei que vou sobreviver
(Paulo Coelho - Pelin - Livi)
02 - Da-me o fogo (Dame el fuego de tu amor)
(Sandro - Anderie - vs: Paulo Coelho)
03 - Para viver um grande amor (Para vivir un gran amor)
(Cacho Castana - VS: Paulo Coelho)
04 - Eu quero amor, amor, amor
(Alessandro - Livi)
05 - Sem querer querendo
(A. Robles - Livi)
06 - Este dia feliz
(Paulo Coelho - Pelin - Livi)
07 - Brasileiro no meu calor
(Paulo Coelho - Pelin - Livi)
08 - Porque criticam
(Pelin - Paulo Coelho - Livi)
09 - Amigo bandido
(Pelin - Carlo - Livi)
10 - O que é que você tem
(Paulo Coelho - Livi)
11 - Da-me felicidade (Dame felicidad)
(J.L.Breedlove - vs: Paulo Coelho)
12 - O amante (Es el amante)
(Sandro - Anderle - vs: Paulo Coelho)





domingo, 3 de janeiro de 2016

Paulo Diniz - Pirim pim pim (LP 1974)

 Álbum produzido em 1974 pela EMI-Odeon ainda não foi lançado em CD
A primeira colaboração de 2016 do amigo Aderaldo é muito especial. Trata-se do LP do Paulo Diniz, lançado em 1974 pela EMI-Odeon, e agradeço por apresentá-lo. O destaque é a faixa “Pirim pim pim”, que bebe da mesma fonte musical de “Piripiri”, outro sucesso do cantor e compositor pernambucano. Outras faixas, ignoradas pela mídia, são muito boas, como a releitura de “Baião”, do repertório do conterrâneo Luiz Gonzaga, e a romântica “Love question”, interpretada em inglês. Golden Boys, Trio Esperança e Odibar estão no backing vocals.

O álbum, ao longo das quatro décadas que separam desde o lançamento até hoje, virou "cult", e passou a ser o mais raro e desejado de sua carreira pelos fãs, mesmo porque ainda permanece inédito em CD. Talvez, por isso mesmo, dificilmente é encontrado em sebos e sites especializados, como o Mercado Livre, e seu preço é sempre superior em relação aos demais discos do Paulo Diniz. O álbum, curiosamente, é encerrado - após a faixa “Rena Rendou”, que fecha o lado B – com uma gravação de sete segundos de uma voz infantil, não citada no disco. Confira:

01 – Pirim Pim Pim 
(Paulo Diniz - Odibar)
02 – Pedra do Arpoador 
(Paulo Diniz - Odibar)
03 – Love Question 
(Paulo Diniz)
04 – Cante Alguma Coisa 
(Paulo Diniz - Odibar)
05 – Mito Solar da Morte 
(Pedro Jaguaribe)
06 – São Paulo Demais 
(Paulo Diniz - Odibar)
07 – Vê Se Pisa no Braseiro (part. esp. Odibar)
(Paulo Diniz - Odibar) 
08 – Baião 
(Luis Gonzaga - Humberto Teixeira)
09 – Balão Colorido 
(Paulo Diniz - Odibar)
10 – Sem Você no Interior 
(Paulo Diniz - Odibar)
11 – Chica Bethânia 
(Paulo Diniz - Odibar)
12 – Rena Rendou (part. esp. Odibar)
(Paulo Diniz - Odibar)


Colaboração: Aderaldo




sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Roberto Carlos - A montanha (CS 1973)

 Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro, ilustra capa de "A montanha", em Angola
Vou começar o ano com uma mensagem de fé, propícia pra época, mas que também é uma curiosidade da discografia do Roberto Carlos. A postagem só interessa aos colecionadores, uma vez que as músicas “A montanha” e “À janela”, lançadas no single, estão no LP que o rei lançou no Brasil em dezembro de 1972, e não são raridades. O que vale, e essa é uma das intenções do blog, é trazer fatos curiosos como este compacto simples de 45 RPM editado e fabricado em Luanda (Angola). O disco não revela o ano da produção, mas arrisco 1973, logo após o lançamento no Brasil, onde a música “A montanha” foi um dos destaques do álbum.

O que me chamou a atenção no disco foi o uso da imagem do Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro, pra ilustrar “A montanha”, destacada em letras verdes maiores do que as do intérprete na capa. Tenho curiosidade de saber o motivo pelo qual a CBS angolana, ou o diretor de arte da gravadora, hoje Sony, escolheu um dos cartões postais do Brasil na capa. Melhor seria, apesar de se tratar de outro equivoco, na minha opinião, a foto do Cristo Redentor, no alto do Corcovado, pois poderia justificar que está de acordo com a letra  da música em questão: “Eu vou seguir uma luz lá no alto/ Eu vou ouvir uma voz que me chama/ Eu vou subir a montanha e ficar/ Bem mais perto de Deus e rezar”. Afinal, como cita a Bíblia (João 8:29), disse Cristo: "E Aquele que me enviou está comigo". Confira:

01 – A Montanha
(Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
02 – À janela
(Roberto Carlos – Erasmo Carlos)

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Vicente Celestino - Pacote especial com 179 músicas

 Pacote inclui desde as primeiras gravações em 1916 até as últimas em 78 RPM
Achei que só retornaria aqui após as festas de fim de ano, mas não resisti à tentação de apresentar este pacote especial do Vicente Celestino, que recebi do Roberto como colaboração. Agradeço a ele por enviar 179 gravações, sendo 171 extraídas de 78 RPMs e oito do LP de 10 polegadas “Vicente Celestino em Suas Canções Célebres - Vol. 1”, lançado entre 1956 e 1957. Roberto destaca que a coletânea não é a discografia completa, apesar de o pacote incluir desde as primeiras até as últimas gravações registradas em 78 RPM. Vou postá-lo em homenagem ao centenário de sua carreira artística e manter o mesmo link pra download. Foi em 1916 que ele gravou “Flor do mal” em seu primeiro disco pela Odeon (Casa Edson), ainda na fase mecânica de gravação, sistema pelo qual lançou 28 discos com 52 canções, de acordo com a Wikipedia.

Antônio Vicente Filipe Celestino (Rio de Janeiro, 12 de setembro de 1894 — São Paulo, 23 de agosto de 1968) nasceu no bairro de Santa Teresa, filho de italianos da Calábria.Teve 11 irmãos. Dos seis homens, cinco dedicaram-se ao canto e um ao teatro (Amadeu Celestino). Desde os 8 anos, por causa de sua origem humilde, Celestino teve de trabalhar como sapateiro, vendedor de peixe, jornaleiro e, já rapaz, chefe de seção numa indústria de calçados. Começou cantando para conhecidos e era fã de Enrico Caruso. Antes do teatro cantava muito em festas, serenatas e chopes-cantantes. Estreou profissionalmente cantando a valsa “Flor do Mal” no teatro São José e a gravou em sua estreia no disco. Com sua voz de tenor, montou em 1920 uma companhia de operetas, mas sem nunca deixar o carnavalesco de lado, emplacando vários sucessos. Com o êxito, formou companhias de revistas e operetas com atrizes-cantoras, primeiro com Laís Areda e depois com Carmen Dora.

As excursões pelo Brasil renderam-lhe muito dinheiro, e só fizeram aumentar sua popularidade. Nos anos 20, reinava absoluto como ídolo da canção. Na década de 30 começou a demonstrar seus dotes como compositor. Entre suas canções, o destaque é 'O Ébrio', transformado em filme por sua esposa, Gilda Abreu (1904 - 1979). Em 1935 foi contratado pela RCA Victor, praticamente sua única gravadora até falecer. Celestino teve uma das mais longas carreiras entre os cantores brasileiros e foi eleito "A voz orgulho do Brasil". Quando morreu, às vésperas dos 74 anos, no Hotel Normandie, em São Paulo, estava de saída para um show com Caetano Veloso e Gilberto Gil, na famosa gafieira "Pérola Negra", que seria gravado para um programa de TV. No total, gravou 137 discos com 265 músicas em 78 RPM, mais dez compactos e 31 LPs, nestes também incluídas reedições dos 78 RPM, segundo a Wikipedia. No repertório, algumas curiosidades, como os registros do Hino Nacional Brasileiro e do Hino à Bandeira em 1917. Confira:

001 - 1916 - Flor do mal 
002 - 1916 - Os que sofrem
003 - 1916 - Perdão de um coração
004 - 1916 - Feiticeira
005 - 1916 - Sonhando
006 - 1916 - Salve
007 - 1917 - O capim mais mimoso
008 - 1917 - Urubu subiu (Dueto com Bahiano)
009 - 1917 - O seresteiro
010 - 1917 - Hino nacional
011 - 1917 - Hino à bandeira
012 - 1917 - Ida
013 - 1917 - Samaritana (olhos que falam)
014 - 1917 - Quebrei a jura
015 - 1917 - Vai, ó meu amor, ao campo santo
016 - 1917 - Porque sorris (sorrir dormindo)
017 - 1917 - Horas melancólicas
018 - 1917 - Porque eu fui poeta
019 - 1917 - Aos pés da cruz
020 - 1917 - Ao trono santo do criador
021 - 1917 - Ontem ao luar
022 - 1918 - Canção militar (capitão caçula)
023 - 1918 - Às armas
024 - 1922 - Paixão de artista
025 - 1922 - Ideal de caboclo
026 - 1922 - Do sorriso da mulher nasceram as flores
027 - 1922 - Saudade
028 - 1922 - O que os teus olhos dizem
029 - 1922 - Fado das mãos
030 - 1922 - Paixão de artista (Dueto com Lais Areda)
031 - 1922 - Triste carnaval
032 - 1922 - Até as flores mentem
033 - 1922 - O pinhal
034 - 1922 - A beira-mar
035 - 1922 - Reminiscências
036 - 1922 - Sonho antigo
037 - 1924 - A luz do luar
038 - 1924 - Ouvindo as ondas
039 - 1924 - O cigano
040 - 1924 - Caiuby (canção da cabocla bonita)
041 - 1925 - Princesa dos dollars - entrada Hans
042 - 1925 - Princesa dos dollars - canção de Fredy
043 - 1925 - Duquesa de bal tabarin (entrada do príncipe)
044 - 1925 - Viúva alegre (um conto de danilo)
045 - 1925 - Meu Brasil Terra natal
046 - 1925 - Como é belo amar!
047 - 1925 - A vida é um jardim onde as mulheres são as flores
048 - 1925 - Preso por um olhar
049 - 1925 - Mazurka azul
050 - 1928 - Casinha da colina
051 - 1928 - Eterna canção
052 - 1928 - Amor... mulher... paixão
053 - 1928 - Abandonado amor
054 - 1928 - Teu olhar
055 - 1928 - Se tu soubesse
056 - 1928 - E foi assim
057 - 1928 - Adeus ó terra em que nasci
058 - 1928 - Extase (I)
059 - 1928 - Extase (II)
060 - 1928 - Gostei de beijar as mulheres
061 - 1928 - L'orloff (la balalaika)
062 - 1928 - Canção da guitarra
063 - 1928 - Último amor
064 - 1928 - Que vale a nota sem o carinho da mulher
065 - 1928 - As manhãs do galeão
066 - 1928 - Raios de um olhar
067 - 1928 - Sublime canção
068 - 1928 - A casa das três meninas
069 - 1928 - Santa
070 - 1928 - O cigano
071 - 1929 - Lágrimas de amor
072 - 1929 - Nênias
073 - 1929 - Linda flor
074 - 1932 - Meu Brasil
075 - 1932 - Noite cheia de estrelas
076 - 1932 - Cabocla serrana
077 - 1932 - Esquece
078 - 1932 - Entre lágrimas
079 - 1932 - Dileta
080 - 1933 - Malandragem
081 - 1933 - E há muita gente por aí que sabe
082 - 1933 - Nas asas brancas da saudade
083 - 1933 - Renúncia em prantos
084 - 1935 - Ouvindo-te
085 - 1935 - Rasguei o teu retrato
086 - 1935 - E nada mais!
087 - 1935 - Castelos de areia
088 - 1936 - O ébrio
089 - 1936 - Abismo de amor
090 - 1936 - Amo-te
091 - 1936 - Em delírio
092 - 1937 - Cinzas
093 - 1937 - Coração materno
094 - 1937 - Patativa
095 - 1937 - Botão de rosa
096 - 1937 - Esquecimento
097 - 1937 - Ju-ão
098 - 1937 - História complicada
099 - 1937 - Vagabundo
100 - 1938 - Irapurú
101 - 1938 - Tango brasileiro
102 - 1938 - Falando ao coração
103 - 1938 - Impiedosa
104 - 1938 - Madona
105 - 1938 - Folhas ao vento
106 - 1938 - Gilka
107 - 1938 - Lágrimas de cego
108 - 1938 - Se ela voltasse
109 - 1938 - Triste realidade
110 - 1939 - Ilusão de garoto
111 - 1939 - Martírios
112 - 1940 - Quero voltar
113 - 1940 - Serenata
114 - 1940 - Boca de rosa
115 - 1940 - Matei
116 - 1940 - Luz e sombra
117 - 1940 - Quando o outono chegar
118 - 1940 - Mariuccia
119 - 1940 - Passou-se o tempo
120 - 1941 - Tenho saudades
121 - 1941 - Sangue e areia
122 - 1942 - Terra virgem
123 - 1942 - Samba enciumado
124 - 1942 - Fatalidade
125 - 1942 - A margem do igarapé
126 - 1943 - Jurema
127 - 1943 - Flor do mal
128 - 1943 - Manolita (I)
129 - 1943 - Manolita (II)
130 - 1943 - Ilusão
131 - 1943 - Flor mulher
132 - 1943 - Flor de sangue
133 - 1943 - Enquanto os lírios florescem
134 - 1944 - Legal com as duas
135 - 1944 - Mãos que falam
136 - 1944 - Romance da ceguinha
137 - 1944 - Força de expressão
138 - 1944 - Calvário
139 - 1944 - Perfume que acabou
140 - 1945 - Pecaminosa
141 - 1945 - Noite de amor
142 - 1945 - Granada
143 - 1945 - Dois estranhos
144 - 1945 - Minha única ventura
145 - 1945 - Taça de fel
146 - 1945 - Mia Gioconda
147 - 1945 - Primeiro amor
148 - 1945 - Ave maria
149 - 1946 - Porta aberta
150 - 1947 - Despeito
151 - 1947 - Alma de palhaço
152 - 1950 - Louca de amor
153 - 1950 - Destino ingrato
154 - 1951 - Gaúcha que eu adoro
155 - 1951 - Diga da janela
156 - 1952 - Rasga o coração
157 - 1952 - Por um beijo
158 - 1952 - O meu ideal
159 - 1952 - Talento e formosura
160 - 1952 - O que tu és
161 - 1952 - Luar do sertão
162 - 1952 - Vai, ó meu amor, ao campo santo
163 - 1952 - Ontem ao luar
164 - 1953 - Uei paisano
165 - 1953 - O bandoleiro
166 - 1960 - Peço a deus
167 - 1960 - Desta vez
168 - 1960 - Sugestões de um sorriso
169 - 1960 - Uma página da vida
170 - 1961 - Ave Maria
171 - 1961 - Panis angelicus

BÔNUS -  Vicente Celestino em Suas Canções Célebres - Vol. 1 
(Disco de Formato em 10 Polegadas) - RCA Victor - BPL-3042 (1956)

172 - 1956 - O ébrio
173 - 1956 - Rasguei o teu retrato
174 - 1956 - Castelos de areia
175 - 1956 - Noite cheia de estrelas
176 - 1956 - Coração materno
177 - 1956 - Patativa
178 - 1956 - Porta aberta
179 - 1956 - Ouvindo-te


Colaboração: Roberto